i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Francisco Escorsim

Foto de perfil de Francisco Escorsim
Ver perfil

Fogo no parquinho da direita (parte 2)

  • Por Francisco Escorsim
  • 25/10/2019 14:21
O assessor da Presidência Filipe Martins (à direita) e o chanceler Ernesto Araújo.
O assessor da Presidência Filipe Martins (à direita) e o chanceler Ernesto Araújo.| Foto:

Como eu ia escrevendo na semana passada, é preciso dar a devida atenção ao discurso na CPAC brasileira do assessor da Presidência Filipe G. Martins, que, dirigindo-se aos novos intermediários no jogo político, apontou quatro coisas que seriam necessárias neste momento. Repito-as: 1. confiar no presidente por ser o símbolo aglutinador dos valores conservadores; 2. unir esses intermediários espalhados em movimentos ou iniciativas individuais em uma instituição sólida sem esperar que isso venha do presidente; 3. defender esses valores no front cultural especialmente com a criação de obras artísticas, especialmente narrativas para “contar a história real do que aconteceu”, novos órgãos de mídia etc.; 4. criar uma estratégia de mobilização permanente para atuação nas eleições futuras.

Tratei dos pontos 1 e 4 na coluna anterior. Hoje quero dar destaque ao ponto 2, o que exige entender melhor quem seriam esses intermediários e quais seriam suas ações. Mas para isso é preciso saber quem são, ou eram, os antigos intermediários que estariam, se não sendo substituídos, perdendo importância. Em janeiro de 2018, o então doutorando e hoje doutor pela UFPE Eduardo Matos de Alencar publicou um artigo importante em uma revista virtual, intitulado Onde os fracos não têm vez, em que analisou esse fenômeno do sistema de intermediação política para tratar das possibilidades de vitória de Jair Bolsonaro na eleição que viria, e sendo cético em relação a isso pelo fato de o candidato não ter aqueles antigos intermediários que seriam decisivos para angariar votos.

Essa nova forma de intermediação política está ainda mais para a fase do “caos criativo” que para uma nova ordem sendo estabelecida

Eram eles, segundo o autor do artigo: “Prioritariamente, um vereador negocia com lideranças comunitárias ou diretamente com o eleitor. Um prefeito negocia com lideranças e com candidatos a vereador. Um deputado negocia com prefeitos, candidatos a vereador e lideranças comunitárias. E por aí vai. Até chegar aos candidatos à Presidência, as negociações podem atingir um nível de complexidade impossível de descrever com precisão. Porém, a forma como se negocia aquilo que importa, isto é, o voto, não muda substantivamente”.

Como já trabalhei em eleições municipais, coisa de quase 20 anos atrás, o retrato que Eduardo fez no seu texto baseado na sua experiência pessoal batia perfeitamente com o que eu havia vivido também. Comungava do seu ceticismo; porém, com a vitória de Jair Bolsonaro, capitaneada pela novidade da força das redes sociais e trocadores de mensagens, como o WhatsApp, essa intermediação essencial foi pulverizada, ruindo toda a base de sustentação do sistema. Mas, como esse “andar de baixo” só ganha relevância de fato em épocas de eleição, a realidade é que essa nova forma de intermediação está ainda mais para a fase do “caos criativo” que para uma nova ordem sendo estabelecida; a fala de Filipe Martins parece ser o ponto de partida para tanto, se não para todos os conservadores, ao menos para os bolsonaristas.

Quem primeiro se movimentou neste sentido, porém, foi o MBL, que, junto à guinada de moderação discursiva para se recolocar no debate público polarizando com o bolsonarismo e abrindo diálogo com a esquerda, deu também início a ações no intuito de levar o liberalismo para o povo mais pobre, trabalhando justamente naquele “andar de baixo” de forma mais próxima, mas de alcance mais limitado e demorado que por meio das redes sociais, onde o bolsonarismo reina. Fora delas, porém, o bolsonarismo parece muito desarticulado, depositando suas fichas na ação do governo, como se percebe pelo próprio discurso de Filipe Martins ao pedir que ajam sem esperar o presidente ter a iniciativa.

Outra prova da desarticulação veio com a reportagem recente de Felipe Moura Brasil para a revista Crusoé, em que mapeou alguns desses intermediários bolsonaristas que foram albergados em cargos públicos. As mensagens de celular obtidas pelo jornalista demonstram que a articulação deles com as supostas lideranças, como o próprio Filipe Martins e Carlos Bolsonaro, é mínima, quando existente. Basta ver a alegria, por exemplo, de uma das intermediadoras quando soube que Carlos Bolsonaro havia retuitado um post dela, dizendo “ganhei o dia”. Típica reação de quem não tinha contato mais próximo com a pessoa. Some-se a isso a mensagem do próprio Filipe Martins em resposta a outro intermediário, dizendo que Carlos Bolsonaro ficava semanas sem falar com ele, e por isso não era para o sujeito esperá-lo tão cedo. Ora, isso não combina com quem estaria no comando de uma “milícia virtual” para praticar assassinatos de reputações.

Fora das mídias sociais, o bolsonarismo parece muito desarticulado, depositando suas fichas na ação do governo

Embora a reportagem tenha sido vendida como se provasse métodos escusos desses intermediadores, o máximo que apresenta são indícios dessa possibilidade (e olhe lá), pois nem sequer citou ao menos um desses possíveis assassinatos que teriam ocorrido a mando ou autoria dessas pessoas. E, se tudo fosse tão tramado assim como se deu a entender na reportagem, alguma mensagem nesse sentido haveria. No fim das contas, a reportagem vale tão-somente pelo mapeamento de intermediadores que obtiveram cargos públicos, o que é de interesse público, sendo que o restante precisaria de muito mais verificação do que a que foi feita – o que é lamentável, pois no fim das contas ficou parecida com as reportagens do The Intercept Brasil, que toma suas próprias interpretações como sendo mais importantes que os fatos reportados. Com isso, por óbvio, não estou a defender as ações desses intermediários, que pouco acompanho; apenas constato que a reportagem não entrega o que propagandeou e, do que revelou, mostrou muito mais uma desarticulação desses intermediários com as lideranças bolsonaristas do que o contrário.

Voltando ao discurso de Martins, a convocação para união desses intermediários espalhados e desarticulados numa instituição sólida tem essa intenção de organizar e mobilizar melhor esse “andar de baixo”. Como, porém, a solução para as crises e brigas dentro do bolsonarismo tem sido mais a de apelar à confiança na pessoa do presidente, “senão o PT volta” e coisas assim, do que discutir e equacionar as diferenças com base em valores conservadores, o que virá (se vier) como instituição sólida parece estar mais próximo de um partido bolsonarista que de um think tank conservador. Qual o problema disso? No plano político, nenhum; pelo contrário, demorou até para isso acontecer. O risco está no campo da cultura. É aí que o item 3 da pauta de Martins ganha dimensão muito maior do que se imagina. Mas a coluna já ficou extensa demais para tratar disso hoje; retorno ao tema na semana que vem.

2 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 2 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • F

    Francisco Carneiro Neto

    ± 3 horas

    Na sei qual o viés ideológico do articulista, mas até agora ele vem analisando bem a situação em que se encontra o conservadorismo frente ao governo e a sociedade...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Anderson

    ± 4 horas

    Zzzzz! Sono!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.