Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Atos de vandalismo durante protesto do Black Lives Matter em Portland, em julho de 2020.
Atos de vandalismo durante protesto do Black Lives Matter em Portland, em julho de 2020.| Foto: David Swanson/EFE/EPA

De toda a polêmica suscitada pelo texto de Antônio Risério a respeito do “racismo preto antibranco”, a que mais me interessa está longe de ser a questão racial. Repetiram-na como num mantra coletivo que “racismo reverso não existe”. Rasgaram as vestes acusando-o de racista e, os mais ousados, supremacista. Assinaram manifestos de repúdio e apoio. E a maioria deixou passar o único problema que realmente importa: o identitarismo se constitui um fundamentalismo e, por ser fundamentalismo, afirma essencialismos, inclusive o racial; por afirmar, separa e divide: “Não existe identitarismo que não traga em si algum grau e alguma espécie de fundamentalismo”.

A mim, o verdadeiro tema, portanto, do texto de Risério não é o “racismo de negros contra brancos” – isso, como ele diz, é um fato que “ninguém quer saber”. A pergunta que precisa ser respondida é a seguinte: Racismo de negros contra brancos ganha força com identitarismo?

Tomei a liberdade de transformar o título do texto, que na matéria de jornal estampa como afirmação, em uma interrogação. A dúvida sempre me é mais atraente. E é a respeito disso que Risério está refletindo. Por que ninguém quer saber desses fatos? Ora, porque a “ordem unida ideológica manda fingir que nada aconteceu”. É um caso massificado de negacionismo e os exemplos buscam demonstrar que sim, o racismo ganha força com o identitarismo.

O identitarismo se constitui um fundamentalismo e, por ser fundamentalismo, afirma essencialismos, inclusive o racial; por afirmar, separa e divide

Não à toa, ele termina o texto apontando para as possíveis implicações desse fundamentalismo:

“Decorre de premissas fundamentais da própria perspectiva identitária, quando passamos da política da busca da igualdade para a política da afirmação da diferença. Ao afirmar uma identidade, não podemos deixar de distinguir, dividir, separar. Não existe identitarismo que não traga em si algum grau e alguma espécie de fundamentalismo. Nesse fundamentalismo, se o que conta é a afirmação de um essencialismo racial, reagindo ressentido a estigmatizações passadas, dificilmente os sinais supremacistas não serão invertidos. As implicações disso me parecem óbvias”.

Um leitor desatento ou precipitado pelo dogma de seus ressentimentos poderia resumir o texto de Risério nos seguintes termos – como fez Thiago Amparo, colunista da Folha de S.Paulo:

“Eis o argumento de Risério. Premissa 1: ‘Ninguém precisa ter poder para ser racista’ (ignora que racismo é sistema de poder). Premissa 2: ‘o racismo negro é um fato’ (ignora que negros têm 2,6 mais chances de serem assassinados e que em Salvador 100% dos mortos pela polícia são negros). Conclusão: ‘neorracismo identitário’ é ‘norma’ (ignora que exceções não configuram norma).”

Dessa falsificação, Thiago Amparo pode inferir com tranquilidade que “o maior problema do texto não é ser racista (ele é); é ser supremacista, no tom e no método, pois cria um inimigo imaginário de uma onda antibrancos”. Mas Thiago Amparo leu errado, porque não leu o texto com o mínimo de “caridade hermenêutica”, um verdadeiro princípio de compreensão interpretativa de posições divergentes. Se tivesse lido, não teria reconstruído o argumento de Risério nesses termos. Leu como fundamentalista identitário e demonstrou a tese do próprio Risério.

Risério não disse que “Ninguém precisa ter poder para ser racista”. O que ele escreveu foi literalmente duas coisas a respeito. A primeira sentença é esta: “O dogma reza que, como pretos são oprimidos, não dispõem de poder econômico ou político para institucionalizar sua hostilidade antibranca. É uma tolice. Ninguém precisa ter poder para ser racista, e pretos já contam, sim, com instrumentos de poder para institucionalizar o seu racismo”. A segunda: “O fato é que não dá para sustentar o clichê de que não existe racismo negro porque a ‘comunidade negra’ não tem poder para exercê-lo institucionalmente” (os itálicos são meus). Ou seja: Risério está dizendo que não há necessidade de poder instituído, e não que simplesmente não precisa ter poder.

A reação ao texto de Risério demonstra justamente quão unida é essa “ordem ideológica” no quesito “fingir que nada aconteceu”, como o verdadeiro dogma do fundamentalismo identitário

A construção da premissa 2 apresentada por Thiago Amparo também está errada. A discussão de Risério não é o fato, mas por que ninguém quer saber deste fato. Há uma diferença fundamental aqui, pois Risério assume e demonstra que há fatos alimentados pelo fundamentalismo identitário, sobre os quais a imprensa e a universidade “insistem no discurso da inexistência”. Além disso, Risério foi enfático no combate a toda forma de racismo: “Não devemos fazer vistas grossas ao racismo negro, ao mesmo tempo que esquadrinhamos o racismo branco com microscópios implacáveis. O mesmo microscópio deve enquadrar todo e qualquer racismo, venha de onde vier”.

Sabe o que é mais curioso? Como a reação ao seu texto demonstra justamente quão unida é essa “ordem ideológica” no quesito “fingir que nada aconteceu”, como o verdadeiro dogma do fundamentalismo identitário.

Conteúdo editado por:Marcio Antonio Campos
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]