i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

GazzConecta Colab

Foto de perfil de GazzConecta Colab
Ver perfil
Ciclos da carreira

O que significa ser um profissional de alta performance?

  • PorDario Kosugi*
  • 01/03/2020 07:00
O que significa ser um profissional de alta performance?
| Foto: Freepik

A ‘nova economia’, como vem sendo chamado esse mercado em que a tecnologia está cada vez mais presente, está exigindo como nunca antes velocidade de execução e eficiência dos profissionais. Por isso, os profissionais precisam estar atentos às constantes mudanças que ocorrem à sua volta nas organizações, estruturas e processos, impactando seus trabalhos.

Além da velocidade, esse novo mercado exige desses profissionais a habilidade de se adaptar, desaprender e aprender rapidamente conforme as mudanças ocorrem para se manterem competitivos e se destacando. É neste contexto que enxergamos, eventualmente, o surgimento do profissional de alta performance. Mas o que é isso exatamente? E o que fazer para se tornar um profissional de alta performance?

De forma simplificada, profissionais de alta performance são aqueles que resolvem problemas de forma rápida e eficiente e depois criam formas de evitar que os mesmos problemas voltem a acontecer – ganhando agilidade e permitindo o seu próprio crescimento, o dos negócios e de projetos em que estão envolvidos. Para tal, é necessário entender as fases pelas quais os profissionais passam em suas trajetórias de crescimento.

Ciclos da carreira

Todo profissional que cresce em sua carreira, independentemente da área de atuação, passa por um ciclo de evolução comum. No início é a fase de aprendizado, período em que é preciso aprender os processos, conhecer as pessoas, entender como as coisas funcionam e quais são as suas tarefas. O que pode e o que não pode. O que funciona e o que não funciona. Um profissional de alta performance passa por essa fase rapidamente, pois tem learning agility, termo que indica um conjunto de habilidades que traz rapidez na aprendizagem. Ou seja, nesta etapa, profissionais de alta performance mostram-se bastante curiosos e proativos – perguntam, estudam e estão o tempo todo buscando feedback e orientação sobre seu desempenho, acelerando seu processo de aprendizado.

Após esse primeiro ciclo, o profissional entra na fase de execução, onde já se encontra mais independente para a realização de suas tarefas diárias. Nesta etapa, o foco de um profissional de alta performance é ganhar velocidade na execução – melhorando sua comunicação, dominando o vocabulário, suas ferramentas e instrumentos de trabalho, ganhando a confiança dos colegas e criando maneiras de diminuir seus erros para não precisar perder tempo consertando-os ou “apagando incêndio” todo dia.

Padroniza seus processos, cria modelos, checklists, templates e outras estratégias para ganhar agilidade no dia a dia. Isso diferencia muito um profissional de alta performance daquele profissional padrão, que só está preocupado em fazer o arroz com feijão, o be-a-bá, bater seu ponto, e não se preocupa em ser rápido e fazer mais que o esperado.

A próxima fase de desenvolvimento de qualquer profissional é a maturação. Nesta etapa, tendo dominado suas atividades, instrumentos, ferramentas e processos, o profissional de alta performance já tem repertório para inovar, melhorar suas atividades e resultados, além de começar a ensinar o que faz para outras pessoas – de modo a ganhar tempo na agenda e poder abraçar atividades mais desafiadoras para crescer. Ser um profissional de alta performance significa crescer rapidamente fazendo coisas novas e poder ensinar e delegar para outras pessoas aquilo que você já sabe fazer e que, no momento, já não agrega tanto na sua evolução. Com isso, é possível começar a encarar novos desafios, sobretudo aqueles que não são da sua alçada e começar a crescer, seja para cargos de gestão ou para níveis mais altos como especialista. 

Por fim, para ocorrer esta mudança, o profissional entra na fase de transição em que precisa equilibrar o que faz atualmente com os novos desafios da nova posição. Vai aos poucos ‘largando o osso’ das tarefas que já dominou, e entra novamente na fase de aprendizado, começando um novo ciclo de evolução.

Como se tornar um profissional de alta performance?

Para se tornar um profissional de alta performance é preciso inicialmente desenvolver o learning agility — a agilidade no aprendizado. O termo envolve o quão proativa a pessoa é na busca por informações que ainda não tem, no falar com as pessoas e pedir ajuda quando necessário, no resolver problemas de forma autônoma, de puxar a responsabilidade para si e não ficar esperando as coisas acontecerem. Isso é extremamente importante.

Além do learning agility, é preciso também ter domínio técnico da área e ir além do conhecimento básico sobre sua área de atuação e suas ferramentas. É preciso estudar sobre o assunto, aprimorar-se, entender os atalhos e manter-se atualizado, caso contrário perde-se muito tempo fazendo as mesmas coisas repetidas vezes. Outro ponto importante é a atitude empreendedora, que é a capacidade de fazer acontecer independentemente de incertezas. Atitude empreendedora não significa abrir uma empresa ou iniciar um novo negócio. É fazer acontecer, se comunicar com clareza e puxar o barco para frente, mobilizar pessoas e saber gerenciar seus próprios projetos.

Aqui entra mais um pilar de um profissional de alta performance: a autogestão. A capacidade de se organizar, se planejar, cumprir os próprios prazos e não procrastinar – se tornar um profissional que entrega, independentemente de ter alguém cobrando ou não.

É importante entender que ninguém trabalha sozinho. Em toda jornada de trabalho é preciso não só falar e colaborar com outras pessoas, mas muitas vezes mobilizar pessoas e projetos. E ter uma comunicação clara e objetiva, além de um bom poder de influência, é extremamente importante para isso.

Por fim, profissionais de alta performance sabem como se blindar de distrações, interrupções e outros fatores que podem tirar seu foco no dia a dia, sejam eles notificações banais, convites pouco importantes, atividades bonitas, mas que não trazem resultado e as milhares de oportunidades e sonhos que surgem todo o tempo, tirando nosso foco.

Este nem sempre é um caminho fácil de se trilhar. Muitas pessoas pecam por ignorar os pequenos fatores que se acumulam dia a dia, como uma pequena distração, um pequeno atraso, uma pequena procrastinação, uma noite um pouco mal dormida, uma alimentação um pouco errada ou relações um pouco defeituosas em casa ou no trabalho. Ser um profissional de alta performance, antes de mais nada, envolve viver e desenvolver hábitos em alta performance. Apenas trabalhar, trabalhar e trabalhar, deixando para trás seus maiores ativos – seu próprio corpo e sua mente – é um erro que pode ter um custo muito alto.

Por isso, te convido a pensar: você está preparado para ser um profissional de alta performance e fazer a diferença por onde passa?

*Dario Kosugi é graduado em Administração pela UFPR, com formações em gamification e educação. Tem mais de 10 anos de experiência em gestão de carreira e desenvolvimento de pessoas, passando por empresas como Ferrero, ExxonMobil, Udacity e UFPR. Hoje é Head de Produtividade na Escola Conquer e professor, mas já gerenciou e ministrou programas de treinamento e processos a profissionais da Bosch, Vale, Philip Morris, Boticário, etc. Atua como consultor de empresas em projetos de inovação, desenvolvimento de produto, otimização de processos e eficiência operacional.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.