Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

Foto: Fabio Schunck

Entre os dias 24 e 26 de maio, a SPVS promoveu a 11ª edição do censo do papagaio-de-cara-roxa. O levantamento contabilizou a população de indivíduos da espécie nos estados do Paraná e São Paulo e revelou que ela se mantém estável, o que é uma conquista para indivíduos ameaçados de extinção.

O censo é organizado desde 2003 no litoral norte do Paraná pela equipe do Projeto de Conservação do Papagaio-de-cara-roxa e este ano, pela primeira vez, incluiu as regiões de Cananéia, Ilha Comprida e Ilha do Cardoso, no litoral de São Paulo. A ave está ameaçada de extinção e sua reduzida área de ocorrência limita-se ao litoral sul de São Paulo, litoral do Paraná, onde há a maior concentração de indivíduos, e litoral norte de Santa Catarina. Durante os três dias, os dormitórios dos papagaios foram monitorados pelos pesquisadores e voluntários. Por local, quatro contagens com duração de uma hora e meia foram feitas, sendo duas ao amanhecer e duas ao entardecer.

Resultados

Este ano, o levantamento contabilizou 6.258 indivíduos. No Paraná, 5.160 papagaios foram registrados e em São Paulo, 1.098. De acordo com Elenise Sipinski, coordenadora do projeto, o número de indivíduos da população “é uma conquista, considerando que é uma espécie ameaçada de extinção”, explica ela. Os dormitórios com maior concentração de aves ficam localizados onde o ambiente está mais conservado. No Paraná, na Ilha do Pinheiro (Parque Nacional do Superagui); Ilha Rasa (Área de Proteção Ambiental de Guaraqueçaba); Ilha do Mel e Ilha da Cotinga.

Em São Paulo, os locais com maior concentração de aves são Ilha Comprida e Cananéia, ambos na Área de Proteção Ambiental Cananéia-Iguapê-Peruíbe. Segundo Elenise, o censo na região foi afetado este ano por festividades políticas e culturais que ocorreram nas proximidades, com a utilização de som alto e fogos de artifício. “Por conta disso, os papagaios permaneceram reclusos nos abrigos ou alteraram suas rotas de saída e chegada nos dormitórios, o que deve exigir outras contagens anuais para obter uma estimativa atual da população de aves na região”, explica ela.

11 anos de censo no Paraná

Ao longo dos onze anos de contagens no Estado do Paraná, o censo constatou uma flutuação no número de indivíduos nos dormitórios. As contagens de 2003, 2006, 2008, 2010 e 2012 registraram menos indivíduos nos dormitórios – cerca de 3.746. Já em 2004, 2005, 2007, 2009 e 2013 foram obtidos os maiores índices de concentração (em torno de 4.975 papagaios).

No ano de 2011 foram contabilizadas mais aves (6.400), mas esse valor não foi repetido em 2012 e 2013, quando números menores foram registrados. De acordo com Elenise, essa variação ocorre em virtude das condições meteorológicas dos dias das contagens. Segundo ela, “em situações de alto índice de pluviosidade, ventos fortes e temperaturas baixas, o número de aves observadas costuma ser menor nos dormitórios”.

*Artigo escrito pela equipe da ONG Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental (SPVS).

**Quer saber mais sobre cidadania, responsabilidade social, sustentabilidade e terceiro setor? Acesse nosso site! Siga o Instituto GRPCOM também no twitter: @institutogrpcom

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]