i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Giro Sustentável

Foto de perfil de Giro Sustentável
Ver perfil

LETRAMENTO E CIDADANIA: liberdade, empoderamento e respeito

  • PorGiro Sustentável
  • 12/07/2017 15:43
LETRAMENTO E CIDADANIA: liberdade, empoderamento e respeito
| Foto: Nilma Alves Pedrosa

Ler é a descoberta da criança enquanto sujeito histórico que compreende sua história, dos seus antepassados e que desta forma, conscientemente, ocupa lugar, espaço e tempo nessa construção de presente e futuro. A leitura liberta, empodera e promove a reflexão.

Paulo Freire, educador conhecido pelo seu excelente trabalho com a alfabetização, inspira e ensina professores de diferentes momentos sobre essa tarefa que não se resume apenas em códigos, pois a leitura de mundo precede a das palavras. O olhar voltado ao letramento e ao uso da leitura e da escrita na vida social oportuniza a apropriação de mundo e a percepção de tudo que acontece a sua volta.

Ao ler a criança entra em contato consigo mesma, busca em si experiências já vividas e almeja aquelas que ainda não viveu. Busca estabelecer relações entre o real e a ficção. Cria realidades paralelas, elabora desejos e vivência situações inusitadas empoderando-se de um repertório próprio que dará suporte às diversas situações que enfrentará na vida adulta.  O ingresso na vida social exige um nível de letramento que se inicia já na infância e é semeado e cultivado pela escola. A habilidade de ler e escrever colabora para que a criança possa organizar seu pensamento e tomar seu lugar no mundo.

A criança, de forma natural e pueril, vivência suas descobertas de maneira singular. As informações chegam a ela e, elaboradas pelos cinco sentidos, transformam-se em sensações que são traduzidas gradativamente de uma linguagem pré-linguística à verbal. Diante dessa construção, a criança vai se posicionando no mundo, se deparando com diferentes possibilidades de aprendizagens e interações.

Ao educar e habilitar a criança para a sociedade e suas convenções é necessário ter cautela para não a silenciar, mas permitir que seja capaz de articular diversas formas de expressão nas relações que estabelecem consigo mesma e com o outro – essenciais à noção de experiência social.

Ao aprender a ler a criança é habilitada para o mundo. Além de palavras, avisos, ordens, instruções e textos de outros gêneros ela precisa ler aquilo que lhe é apresentado em seu contexto histórico-social. Para isso, deve estar atenta para perceber desigualdades e realidades, atuar de forma proativa diante dessas premissas, tomando para si também a responsabilidade de um mundo mais sustentável nas esferas social, ambiental e econômica.

Para a educação é fundamental alinharmos as ações da escola aos ODS – Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, reafirmando o compromisso, principalmente no tocante à meta 4- Educação de Qualidade. Promover a oportunidade de aprendizagem para todos oferecendo condições igualitárias para crescimento e participação na sociedade. Permitir que a criança desenvolva suas diferentes habilidades para aprender é não se distanciar de seus instintos sensoriais. É dar a ela a chance de integrar suas diversas sensações organizando-as e traduzindo- as em linguagem. Sujeitos que ocupem lugares sociais delimitados e, desse modo, veiculem, por meio de suas falas, posturas e gestos, vozes sociais capazes de expressar a história socialmente produzida nesses contextos. O que se constitui como objeto do conhecimento, por sua vez, traduz a nossa história e as formas pelas quais representamos simbolicamente o mundo em que vivemos, a realidade tanto física quanto social.

Uma escola em que as dificuldades são aceitas, respeitadas e então superadas é uma escola que tem em sua missão a promoção da autonomia e que visa potencializar transformação sustentável na sociedade.   Pois conhece sua relevância e percebe seu espaço como território de interação social onde cidadania é prática constante.

Artigo escrito por Larissa Gabriele Ogliari Thomazi e Clarissa Henriete Ogliari Bilek – profissionais  da Escola Nilza Tartuce – Modalidade Educação Especial. A Escola Nilza Tartuce é membro do Conselho Paranaense de Cidadania Empresarial (CPCE), colaborador voluntário do Instituto GRPCOM no blog Giro Sustentável.

**Quer saber mais sobre cidadania, educação, cultura, responsabilidade social, sustentabilidade e terceiro setor? Acesse nosso site! Acompanhe o Instituto GRPCOM também no Facebook: InstitutoGrpcom, Twitter: @InstitutoGRPCOM e Instagram: instagram.com/institutogrpcom

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.