i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Giro Sustentável

Foto de perfil de Giro Sustentável
Ver perfil
Giro Sustentável

Mudanças Climáticas e Inclusão

  • Por Giro Sustentável
  • [24/06/2019] [16:35]
Mudanças Climáticas e Inclusão
| Foto:

Por Ilan Cuperstein/C40

As mudanças climáticas não são justas. A população menos responsável pelas emissões de gases de efeito estufa, as que menos se beneficiaram de nossas sociedades viciadas em combustíveis fósseis, são as que sofrem mais as suas consequências. Os mais pobres e mais vulneráveis das nossas sociedades estão desproporcionalmente em risco do aumento do nível do mar e de desastres relacionados ao clima. Mulheres e crianças sofrem mais que homens. Talvez, o mais injusto para todos, seja o fato de que são as próximas gerações que viverão com as consequências das mudanças climáticas a longo prazo.

É nas cidades que essas tensões aparecem de forma mais grave. Mais de 50% da população mundial vive em cidades e a tendência é de desigualdade crescente entre cidadãos urbanos. Em várias das cidades que crescem mais rapidamente no mundo, um bilhão de pessoas vivem atualmente em favelas, sem acesso à terra, habitação ou serviços básicos. À medida que as mudanças climáticas aumentam a vulnerabilidade de cidades a riscos, sejam eles de enchentes, secas ou eventos climáticos extremos, essa desigualdade se torna uma questão de vida e morte para centenas de milhões de pessoas. Preços crescentes de alimentos devido ao clima afetam desproporcionalmente populações de baixa renda, algumas das quais têm que usar mais de 60% de sua renda para comprar alimentos.

Prefeitos e prefeitas têm liderado apelos pela urgência das ações climáticas, para proteger a saúde, prosperidade e bem-estar de seus cidadãos. As cidades são responsáveis por 70% das emissões globais de gases de efeito estufa, mas também são os locais onde os impactos climáticos são mais sentidos. E cada vez está mais claro que é impossível lidar com as mudanças climáticas sem lidar com a desigualdade e vice-versa.

Em primeiro lugar, as reduções que podem ser realizadas de maneira mas eficiente e imediata são aquelas focadas nos maiores poluidores. 10% da população contribui com mais de 50% das emissões globais. Em segundo lugar, as metas ambiciosas colocadas no Acordo de Paris não serão totalmente eficazes se não levarem em conta a inclusão. Políticas climáticas devem ser acessíveis e bem comunicadas. Se uma cidade coloca como meta aumentar as viagens em transporte público como uma forma de reduzir as emissões do setor de transporte, os ônibus e trens devem ser seguros, baratos e acessíveis para todos os cidadãos. A Cidade do México aumentou significativamente as viagens de bicicleta focando especificamente em ações de marketing e da infraestrutura de ciclovias para mulheres.

Em terceiro lugar, as cidades que investem em desenvolvimento de baixo-carbono aumentarão o nível de qualidade de vida mais rápido e de maneira mais economicamente sustentável do que aquelas que se ativerem a modelos de combustíveis fósseis. Isto se dá porque ações climáticas podem produzir uma série de benefícios, incluindo melhorias de saúde, melhor qualidade do ar e mais oportunidades de emprego. Na China por exemplo, medidas para melhorar a qualidade do ar aumentaram a expectativa de vida em 20 meses. De acordo com o Just Transition Centre, quase 10 milhões de pessoas ao redor do mundo estão empregadas no setor de energias renováveis, das quais quase dois terços estão na Ásia.

As metas do Acordo de Paris apresentam uma oportunidade única para criar uma sociedade urbana mais inclusiva, com novas proteções para grupos historicamente marginalizados. De acordo com a Agência Internacional de Energia, o número de pessoas sem acesso à eletricidade deve diminuir mais de 30% até 2030 e a vasta maioria destes novos consumidores nem sequer utilizarão combustíveis fósseis, utilizando diretamente energias renováveis.

Para garantir que as ações climáticas sejam inclusivas e efetivas para toda a sociedade, as ações climáticas devem incluir a participação das comunidades durante o processo de planejamento e implementação, conceitos de justiça e acessibilidade no desenho das políticas e de serviços e também garantir que os benefícios das ações climáticas sejam distribuídos da forma mais equitativa possível. A construção de cidades mais justas é parte essencial da solução para o desafio das mudanças climáticas.

*Ilan Cuperstein é formado em Relações Internacionais pela PUC-Rio, e Mestre em Meio Ambiente e Desenvolvimento pela London School of Economics. Trabalhou na COPPE/UFRJ por 4 anos como assessor internacional e como representante da instituição em Beijing no Centro Brasil China de Mudanças Climáticas por 3 anos. Trabalha desde 2015 na C40 Cities Climate Leadership Group, onde atualmente é vice-diretor regional para a América Latina, responsável pelo engajamento com as 12 cidades membro da região em diversos programas relacionados a mudanças climáticas no âmbito municipal. O C40 é parceiro do Instituto GRPCOM no blog Giro Sustentável.

**Quer saber mais sobre cidadania, educação, cultura, responsabilidade social, sustentabilidade e terceiro setor? Acesse nosso site! Acompanhe o Instituto GRPCOM também no Facebook: InstitutoGrpcom, Twitter:@InstitutoGRPCOM e Instagram: instagram.com/institutogrpcom


Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]
Tudo sobre:

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.