i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Guido Orgis

Foto de perfil de Guido Orgis
Ver perfil

Blog que discute ideias em economia política

As mentiras eleitorais sobre o teto de gastos

  • PorGuido Orgis
  • 05/10/2018 12:33
As mentiras eleitorais sobre o teto de gastos
| Foto:

Diversos candidatos à Presidência vêm criticando o teto de gastos, que limita o crescimento dos gastos públicos à inflação do ano anterior. Estão na lista Fernando Haddad (PT), Ciro Gomes (PDT) e Guilherme Boulos (Psol). Para eles, a regra retira direitos, reduz o dinheiro para a educação e a saúde e, por isso, precisa ser revogada. Só há um problema nesse raciocínio: o Brasil ainda não executou o teto de gastos.

O ano passado foi o primeiro em que o teto foi usado no orçamento. No fim do ano, o gasto do governo ficou R$ 50 bilhões abaixo do limite. Ou seja, se houve algum corte em qualquer serviço público, não foi por causa do teto, foi porque não havia dinheiro mesmo.

A previsão da Instituição Fiscal Independente (IFI), ligada ao Senado, é que o teto também não seja atingido neste ano. Em relatório de agosto, o IFI estimou que o gasto total ficará cerca de R$ 30 bilhões abaixo do permitido.

LEIA TAMBÉM: Bancada empresarial está entre as mais influentes do Congresso

É mentira, portanto, que o teto tenha levado a algum corte de direito. Mas há um outro lado da questão que os críticos da regra geralmente não contam: apesar de gastar menos do que o permitido, o Estado brasileiro continua com déficits públicos primários enormes, de 2% do PIB. Ao mesmo tempo, não é apenas impressão de que está faltando dinheiro em algumas áreas, como para manutenção de estradas e universidades, por exemplo.

Os déficits bilionários ocorrem porque o gasto público cresce mais do que o PIB há mais de uma década. De 2007 a 2017, eles se expandiram em 5,3% ao ano, contra um crescimento econômico médio de 2,4% ao ano. Com isso, o Estado passou a consumir uma parcela maior dos recursos gerados pela economia para pagar suas contas. Para ser mais exato, foram 4 pontos percentuais do PIB em uma década.

O teto de gastos foi estabelecido quando a despesa pública estava perto da sua máxima histórica. E a partir desse ponto, ela passou a ser corrigida pela inflação. A ideia por trás da regra era permitir que o gasto ao longo dos anos voltasse a ter uma participação relativa ao PIB como a de uma década atrás, abrindo espaço orçamentário para que se reduzisse o déficit público e, com isso, o endividamento do governo.

LEIA MAIS: 4 erros dos candidatos sobre o Teto de Gastos

Sua execução, no entanto, não será simples porque alguns gastos continuam crescendo mais do que o PIB. Em especial, dois deles: Previdência e funcionalismo. Com isso, desde a implantação do teto, o governo vem remanejando recursos de outras áreas para pagar aposentadorias e salários. Por enquanto, o corte se concentrou em investimentos, o que corrobora a sensação de que está faltando dinheiro para algumas coisas.

Quem defende o fim do teto não apresenta alternativa melhor, apenas a saída fácil de aumentar o gasto com mais impostos ou mais déficit. Em ambos os casos, a economia vai piorar, seja porque os tributos ficarão ainda mais pesados, seja porque os juros vão subir com o endividamento público maior.

É provável que o gasto público encoste no teto no ano que vem, o que significa que a partir de 2020 será muito mais difícil fechar as contas públicas sem cortes politicamente delicados. Em 2021, o teto deve estourar, disparando o gatilho previsto em lei para o congelamento de algumas rubricas, entre elas os aumentos salariais do funcionalismo. Não é por acaso que os sindicatos são contra a regra.

O teto é positivo para o país porque força uma solução para o déficit público ao longo dos próximos anos. Sem ele, teríamos uma situação mais delicada, com juros mais altos e crescimento econômico menor. Isso não quer dizer que a regra seja perfeita. Em um cenário benigno, com a retomada do crescimento e a volta de superávits orçamentários, é possível que seu relaxamento seja bem-vindo. Quando isso pode acontecer? Provavelmente depois de 2025, quando teremos superávits primários decentes de volta. É por isso que a própria Constituição prevê a revisão do teto após 10 anos.

A falta de dinheiro do governo, portanto, não é uma consequência do teto de gastos, mas da má gestão da economia no governo Dilma Rousseff – que, inclusive, conseguiu fazer uma reforma da Previdência que aumenta os gastos públicos. E para que o dinheiro volte a aparecer precisaremos de reformas que lidem com os dois principais problemas orçamentários: Previdência e funcionalismo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.