i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Guido Orgis

Foto de perfil de Guido Orgis
Ver perfil

Blog que discute ideias em economia política

Como Paulo Guedes entrou na guerra das maquininhas

  • Por Guido Orgis
  • 02/01/2020 18:13
Como Paulo Guedes entrou na guerra das maquininhas
| Foto: Aniele Nascimento/Gazeta do Povo

A guerra das maquininhas foi um dos fenômenos econômicos mais interessantes dos últimos anos. Após atuação do Banco Central, que acabou com a exclusividade do duopólio que dominava o mercado brasileiro, vimos aparecer vários competidores, o que fez cair preços e melhorar os serviços. A face mais pública dessa disputa está no número de comerciais de TV vendendo as maquininhas de pagamento por cartão.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, entrou de cabeça na guerra das maquininhas quando decidiu insistir na ideia de criar um imposto sobre transações financeiras. A versão remodelada da extinta CPMF (o imposto do cheque, para os mais antigos) seria, em um primeiro momento, o caminho para acabar com a contribuição patronal à Previdência. Mais recentemente, o discurso foi o de que o novo imposto é o jeito para taxar novos serviços ligados ao setor de tecnologia, como Netflix e Spotify.

Uma das reações mais fortes à insistência de Guedes foi um artigo de dois dos mais proeminentes economistas brasileiros, Marcos Lisboa e José Alexandre Scheinkman na Folha, na semana passada, no qual comparam a nova CPMF à antiga Lei de Informática. O argumento principal dos economistas está no possível efeito de a tributação sobre transações financeiras inibir a adoção de novas tecnologias financeiras, retardando os efeitos positivos que o avanço tecnológico poderia trazer.

Um ponto de transparência importante no artigo é que, na assinatura, tanto Lisboa quanto Scheinkman anotam seus laços com o universo de fintechs. O primeiro, além de presidente do Insper, é conselheiro da PagSeguro, enquanto o segundo é membro de um conselho da Stone, além de ser professor da Universidade Columbia. Aparentemente, os dois decidiram trazer à tona uma preocupação que percorre as fintechs brasileiras quando Guedes fala no novo imposto.

O mercado brasileiro de fintechs é dominado por empresas de meio de pagamento, uma característica que pode ter relação com a guerra das maquininhas, que abriu esse filão à competição exatamente quando as startups de tecnologia financeira começaram a receber mais recursos de investidores. Além de maquininhas, as fintechs oferecem cartões de crédito, contas digitais e soluções de pagamento que permitem a empresas e usuários fugir da concentração de mercado. O próximo avanço que se espera é no crédito, com a liberação de empréstimos entre pessoas físicas pelo BC no ano passado.

A maior parte dos artigos e análises sobre a nova CPMF até agora se concentrava em seus efeitos macroeconômicos negativos. Entre eles, a maior tributação sobre empresas com cadeias longas e a regressividade do imposto são os principais. Outro problema é que a alíquota necessária para se cumprir o objetivo de Guedes para substituir a contribuição patronal seria bem mais alta que o testado na versão original da CPMF (0,38%), o que tornaria mais pronunciados seus defeitos. Com uma alíquota alta, veríamos muitas pessoas e empresas fugindo para o dinheiro, em um processo de desintermediação financeira - já notado na primeira versão da CPMF em um estudo dos economistas do BC Sérgio Mikio Koyama e Márcio I. Nakane.

O novo argumento de Lisboa e Scheinkman é que o imposto sobre transações financeiras também provocaria atraso tecnológico como consequência da fuga para o dinheiro. É um efeito possível, embora a comparação com a Lei de Informática seja um exagero retórico - aquele foi um movimento de fechamento de mercado à competição internacional, coisa que a CPMF não seria. Tributar transações financeiras (eletrônicas em sua essência) significa desacelerar a inovação via ganhos de escala e velocidade de adoção da tecnologia.

A equipe econômica terá dificuldade em fazer andar esse novo imposto no Congresso, onde já se costura uma proposta unificada de Câmara e Senado. A nova CPMF não é uma solução para tributar serviços de tecnologia, como streaming de música, porque abarca toda a economia - o governo faria melhor apoiando o projeto no Congresso para cobrar um imposto federal desses serviços. E também não é uma solução para a manobra de empresas com sedes em paraísos fiscais para não pagar Imposto de Renda - o que exige um esforço multilateral.

6 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 6 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • V

    Vitor Chvidchenko

    ± 5 dias

    Só no Brasil que um ministro como Paulo Guedes é visto como "liberal"... Liberal o quê, cara-pálida? Com essa tara por impostos? Isso não é liberalismo p*** nenhuma. Se ele fosse liberal de verdade, estava lutando para baixar a carga tributária no país e para fomentar o livre mercado. Mas não adianta. Aqui nessa terra atrasada, basta o cara ser um pouquinho mais de direita que já vira "neoliberal", mesmo que o sujeito só fale em impostos, impostos e impostos. É uma piada.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • E

    Edson - Sítio Cercado

    ± 5 dias

    Se cortar a Contribuição Patronal de 20% na Folha de Pagamento eu acharia justo a volta da CPMF. Tem muita gente que não paga imposto e com a CPMF passaria a pagar. Além de que o fim do INSS sobre folha de pagamento geraria mais empregos.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    André PC

    ± 5 dias

    Com certeza o excelentíssimo Paulo Guedes virá com uma surpresinha logo mais....quem pagará como sempre, será a classe média.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • B

    Brasil Brasileiro

    ± 5 dias

    E eu dou 2% de desconto para quem pagar com a maquininha. Pode parecer coisa de português, mas para eu que sou ambulante e vivo na rua, facilita muito a minha vida. Não preciso andar com muito dinheiro para troco, evito recebeu notas falsas (Recebi 100 reais falso dias atrás, mas fui numa comerciante mais experiente e ela aceitou de boa a nota), evito assaltos, etc... além do dinheiro cair na hora na minha conta PagSeguro (Exceto no crédito que eu mudei para receber a cada 30 dias para facilitar para o cliente e não repassar o juros da maquininha para ele), e esse dinheiro recebido uso para pagar fornecedores com o dinheiro recebido com o cartão próprio da maquininha.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Maquiavel

    ± 6 dias

    Mais um imposto no rabo dos brasileiros...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • O

    Oliveira

    ± 6 dias

    Dá uma tristeza quando o Guedes fala de imposto.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.