i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Guido Orgis

Foto de perfil de Guido Orgis
Ver perfil

Blog que discute ideias em economia política

Esta é a minha pauta-bomba preferida. Escolha a sua

  • PorGuido Orgis
  • 16/07/2018 10:34
Esta é a minha pauta-bomba preferida. Escolha a sua
| Foto:

O Congresso aproveitou seus últimos dias de trabalho antes do recesso para aprovar ou encaminhar vários projetos de lei que fazem o contrário do que o país precisa. Eles aumentam benefícios tributários e gastos públicos em um momento em que o país ainda busca reverter seu imenso déficit público. São as bombas que volta e meia passam em votações rápidas e rasteiras.

É difícil escolher uma pauta-bomba preferida porque todas têm um toque de inacreditável e causam um tanto de indignação. O que é pior: perdoar R$ 13 bilhões em dívidas do ruralistas ou de R$ 7 bilhões de empresas que fazem parte do Simples? Como já estamos para lá de acostumados aos tantos processos de renegociação de dívidas (o Refis sempre recauchutado), essas duas pautas já se tornaram comuns demais para merecerem a preferência popular.

Muita gente votaria no aumento para o funcionalismo. Vai custar R$ 8 bilhões no ano que vem e foi reintroduzido na lei orçamentária em plenário. O relator do projeto tinha previsto aumento zero e colocado outros mecanismos para evitar o crescimento do gasto, como a obrigatoriedade de o governo cortar suas despesas de custeio em 5%. Seria uma dieta amarga, mas com o potencial de acelerar o ajuste fiscal.

LEIA TAMBÉM: Veja em detalhe os 12 projetos que ameaçam implodir as contas públicas do Brasil

Proposta semelhante foi feita pelo próprio governo no ano passado e não vingou, depois de uma liminar do Supremo Tribunal Federal (STF) ter mantido os tantos reajustes aprovados em 2016. Se não fosse o Congresso, seria a Justiça a fazer o trabalho. Pelo menos a discussão trouxe de novo a conversa de que o país precisa fazer uma reforma de seu funcionalismo para torná-lo mais parecido com o que temos na iniciativa privada – em salários e eficiência, para ser mais preciso.

Mas há coisa melhor na pauta. O Congresso parece achar que o setor de transportes precisa de mais ajuda além do diesel subsidiado. As empresas transportadoras pleiteiam isenção para comprar caminhões e um descontão em impostos – a proposta é tirar da base de cálculo custos operacionais e gastos inclusive com o pedágio, que seria descontado do Imposto de Renda. É uma brincadeira que pode custar R$ 27 bilhões até 2020, valor que paga o Bolsa Família por um ano.

O bolsa-transportadora seria minha escolha, não houvesse na pauta coisa mais difícil de explicar: o bolsa-refrigerante. Ele é curioso porque a mecânica é contraintuitiva. Para pagar o subsídio do diesel, o governo decidiu reduzir o benefício fiscal de fabricantes de refrigerantes instalados na Zona Franca de Manaus, diminuindo a alíquota de IPI. É isso mesmo, com a alíquota menor as empresas pagariam mais impostos. Isso porque a alíquota serve apenas para gerar um crédito tributário usado depois pelas empresas.

LEIA MAIS: Onde foram parar os R$ 0,46 de desconto do diesel na bomba?

É impossível identificar bons argumentos para o governo dar R$ 1,7 bilhão por ano em créditos fiscais para fabricantes de refrigerantes. O produto não tem nenhuma relevância social ou estratégica. Não estamos falando de microchips ou medicamentos – caso nos quais até toparia conversar sobre benefícios fiscais, embora com uma chance pequena de realmente valer a pena. Qual o ganho para o país de cobrar menos impostos do refri? Trocamos a saúde pública pela saúde financeira de empresas gigantescas que já deveriam há muito ter deixado de ser alvo de intervenção estatal.

A pauta-bomba não acaba aí. Tem benefício fiscal para usinas venderem etanol diretamente para os postos, renovação de benefícios para empresas nas áreas da Sudene e Sudam (as superintendências que têm desenvolvimento só no nome), além da autorização para a criação de novos municípios (cada um com sua estrutura de políticos, claro). Para mim, o bolsa-refri ainda é o melhor de todas essas ótimas iniciativas do Congresso. Qual a sua preferida?

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.