i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Guido Orgis

Foto de perfil de Guido Orgis
Ver perfil

Blog que discute ideias em economia política

Governo assinou em cheque em branco para os caminhoneiros. Tem fundos?

  • PorGuido Orgis
  • 25/05/2018 11:43
Governo assinou em cheque em branco para os caminhoneiros. Tem fundos?
| Foto:

A melhor forma de entender o subsídio que o governo decidiu dar para o diesel é compará-lo com um cheque em branco. Não dá para saber hoje quanto vai custar a negociação que tem como objetivo apaziguar os ânimos de transportadoras e caminhoneiros porque isso vai depender do preço do petróleo e do câmbio. Em um cenário muito ruim, de tensão maior no Oriente Médio e pressão interna por causa das eleições, os R$ 5 bilhões projetados para este ano podem facilmente virar R$ 10 bilhões ou R$ 15 bilhões.

Existe toda sorte de solução fácil para a questão do diesel. Tem gente dizendo que a Petrobras deveria fazer as contas em reais e não em dólares (afinal, qual a nossa moeda?). Ou que a companhia é “do povo” e deveria absorver o prejuízo dos combustíveis. Outros dizem que o governo gasta demais (fato) e que precisa cortar seus gastos (nada fácil). Ou que deve-se procurar dinheiro em outro lugar.

O petróleo não é a única commodity do mundo, então podemos avaliar a primeira parte dos argumentos com uma comparação. Que tal os agricultores que plantam soja fazerem suas contas em reais e absorverem perdas? Óbvio que ninguém aceitaria isso porque boa parte dos custos do setor também são dolarizados, como no caso de defensivos, sementes e fertilizantes. O governo não vai cobrir o prejuízo.

LEIA TAMBÉM: Um caminhoneiro setentão furou o sonho de Lula e da CUT: parar o Brasil

A Petrobras não inventa o preço do petróleo, sua matéria-prima na área de refino. Não repassar esse custo para seu produto final significa ter um prejuízo que corrói seu caixa, limita sua capacidade de investir e piora seu perfil de endividamento. É exatamente o que aconteceu no primeiro governo Dilma Rousseff, quando os controles de preços era mais duros. Você pode até argumentar que a corrupção na empresa era um problema que agravou sua situação, o que é verdade, mas não é algo que torne menos verdadeiro o efeito negativo do controle de preços.

O governo ficou politicamente encurralado e decidiu atender o pleito do setor de transportes. Entre as opções, poderia reduzir impostos temporariamente, intervir na Petrobras ou instituir um subsídio. Optou por uma combinação das duas últimas. A companhia fez uma concessão de R$ 350 milhões para reduzir o preço do diesel por 15 dias. Depois disso, a conta será paga pelo governo. Com as dificuldades fiscais conhecidas, ainda precisa ficar mais claro como o governo vai pagar a conta – ainda mais em um cenário de alta no preço do petróleo.

A forma como esse movimento ocorreu tem seus custos. É natural que o mercado fique com dúvidas sobre as intenções do governo em relação à Petrobras, inclusive se perguntando se a empresa realmente vai ver a cor do dinheiro. Para se ter uma ideia do tamanho da reação do mercado, o governo perdeu R$ 10 bilhões em dois dias (nesta sexta as ações estão subindo, o que amenizou um pouco as perdas) no valor de sua participação na empresa. Esse valor, aliás, é mais ou menos o que custaria zerar o PIS/Cofins do diesel até o fim do ano, como queria o Congresso.

O que nos leva aos outros argumentos sobre contas públicas. O governo gasta demais, sim, bem mais do que arrecada, mas não tem muito onde cortar porque 94% das despesas são obrigatórias (Previdência, saúde, educação, salários). E é por isso mesmo que ele aumentou o PIS/Cofins dos combustíveis no ano passado e tem dificuldade pare reduzir impostos agora. Piorar a situação fiscal significa ter juros mais altos no longo prazo, um custo pago por toda a sociedade. Nesse cenário, qualquer desconto em impostos levaria o governo a procurar dinheiro em outro lugar elevando tributos para algum outro setor. É um bom debate, que poderia levar o país a tomar algumas decisões justas, como cobrar mais Imposto de Renda sobre investimentos (dividendos, LCIs e LCAs, por exemplo). Coisa que não aparece na pauta do pessoal dos transportes, mais preocupado em culpar a Petrobras do que em entender nosso sistema tributário.

Se conseguir desmontar a greve com seu cheque em branco, o governo vai ter algumas semanas para procurar dinheiro para pagar a conta. Há receitas extraordinárias que podem ajudar, como a venda de reservas de petróleo excedentes do processo de capitalização da Petrobras. Ou a privatização de aeroportos. Nada que se resolva rapidamente. O mais provável é que se mexa em algum outro imposto ou se assuma um déficit um pouco maior. Pagaremos via tributos ou via juros, no fim.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.