i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Guido Orgis

Foto de perfil de Guido Orgis
Ver perfil

Blog que discute ideias em economia política

Juros podem cair mais. Só que isso também depende dos políticos

  • PorGuido Orgis
  • [01/02/2019] [10:43]
Juros podem cair mais. Só que isso também depende dos políticos
| Foto:

A política monetária no Brasil entrou em terreno desconhecido no último ciclo de cortes da taxa básica de juros, a Selic, até que ela chegasse aos atuais 6,5% ao ano. Temos hoje uma taxa real de aproximadamente 2,5%, muito baixa para o padrão histórico brasileiro. Mas pode não ser baixa o suficiente para a necessidade de crescimento do país. É por isso que tem ficado mais quente o debate em torno da tese de que ainda há espaço para a Selic cair em 2019.

A economia real não reagiu com muita força à queda dos juros. O crescimento no ano passado ficou em torno de 1,3%, segundo projeção média do mercado apurada pelo Boletim Focus do BC. Para este ano, o número está em 2,5%. Parece bom, mas não é. Economistas calculam que a enorme recessão de 2014-1016 criou uma ociosidade, o “hiato do produto”, que nesse ritmo só será preenchida em 2022. Fora o desemprego, que continua nos dois dígitos e só não é maior por causa da informalidade.

LEIA TAMBÉM: Ameaça da GM mostra que há algo de errado com o “bolsa-montadora”

O BC tem razões para não tomar uma decisão de redução da taxa já na próxima reunião, na semana que vem. Seus cenários ainda indicam que a atual taxa é adequada para manter a inflação na meta. Mas isso pode mudar dentro de 45 dias. Esse é o período em que o governo deve apresentar sua proposta de reforma da Previdência e no qual mudará a direção do BC.

Sobre a mudança de direção do BC, o mercado não vê sinais de guinada com a chegada de Roberto Campos Neto. E esse é um fator positivo para a taxa de juros, já que foi o perfil técnico semelhante de Ilan Goldfajn, atual presidente da autoridade monetária, que abriu espaço para atingirmos a menor Selic da história. Campos Neto certamente contará com a mesma confiança do mercado.

A reforma da Previdência é um fator crucial para os juros porque sinalizará a capacidade de equilíbrio da dívida pública no longo prazo. O mercado espera uma proposta com economia maior do que a proporcionada pelo texto que está no Congresso – proposto pelo governo Michel Temer e cortado no Congresso. Uma pesquisa da XP Investimentos com 87 agentes do mercado indica que 79% deles esperam uma reforma maior do que a de Temer.

Essa expectativa tem reflexo sobre com o mercado enxerga a taxa de juros. Em dezembro, 35% dos entrevistados viam risco de alta da Selic em 2019, e apenas 10% falavam em redução. Agora, esses percentuais se equivalem em 20%.

Nesta semana, o economista do Ibre-FGV Manel Pires escreveu um artigo defendendo a redução da Selic trazendo três argumentos principais: a taxa neutra de juros (em que ela não é nem estimulativa nem recessiva) caiu no pós-recessão; a inflação, principalmente a medida pelos núcleos, está abaixo do centro da meta; o hiato do produto é elevado e permite uma política mais estimulativa.

E ele não está sozinho. As taxas praticadas no mercado começaram a incorporar uma redução adicional e mais longa dos juros. Títulos públicos com vencimento em janeiro de 2020 já são negociados com uma taxa um pouco abaixo de 6,5%. A pesquisa da XP já indica uma expectativa de Selic em 6% com a reforma previdenciária

As reformas, começando pela da Previdência, vão permitir que o Brasil tenha taxas de juros decentes por um período longo. Mais importante, o espaço para redução da Selic indica que o crescimento da economia poderá se acelerar um pouco mais, desde que o mundo político não inverta novamente os sinais. A mesma pesquisa da XP indica a Selic em 7,75% sem a reforma.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.