i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Guido Orgis

Foto de perfil de Guido Orgis
Ver perfil

Blog que discute ideias em economia política

Reforma da Previdência não é tão dura com os servidores como eles dizem

  • PorGuido Orgis
  • 25/04/2019 12:21
Sindicatos protestam contra reforma da Previdência: lobby do funcionalismo começa a atuar também em Brasília. Foto: Aniele Nascimento/Gazeta do Povo
Sindicatos protestam contra reforma da Previdência: lobby do funcionalismo começa a atuar também em Brasília. Foto: Aniele Nascimento/Gazeta do Povo| Foto:

O lobby dos servidores públicos já está se movimentando para levar uma enxurrada de emendas à comissão especial que vai discutir a reforma da Previdência. Elas terão um alvo principal: o sistema de alíquotas progressivas, que elevaria imediatamente a contribuição dos funcionários públicos com salários mais altos.

O argumento que vem sendo usado pelos servidores é que a reforma propõe um “confisco” do salário ao impor uma alíquota de 22%. Esse percentual vem sendo repetido à exaustão e tem tudo para confundir quem não olha para os detalhes.

Uma primeira questão é que a alíquota de 22% é a máxima, aplicada somente à porção do salário que extrapolar o teto do funcionalismo. A tabele progressiva começa com uma alíquota de 7,5% e que chega a 14% para a faixa salarial que encosta no teto do INSS, de R$ 5,8 mil. A contribuição de quem está na iniciativa privada e quem entrou no serviço público federal depois de 2013 acaba aí, já que o salário final está sujeito ao teto. A alíquota efetiva máxima será de 11,68%.

Para a parte do funcionalismo que pode ganhar mais do que o teto do INSS, a progressão continua até 19%, que incide na faixa salarial que chega no salário dos ministros do STF. Os poucos que ganham mais do que isso (sim, o teto no Brasil é furado) terão uma incidência de 22% sobre o excedente. Ou seja, a alíquota real aplicada ao salário de quem ganha igual a um ministro do STF não será de 22%, mas sim de 16,79%. O tal confisco será sobre algo que nem deveria existir: a parte do salário que for acima do teto.

LEIA TAMBÉM: Reforma tem lado Robin Hood: tira dos servidores ricos e dá aos mais pobres

Podemos abrir um debate sobre justiça a respeito de uma alíquota maior para quem recebe mais. A grande maioria dos servidores que se enquadram nas alíquotas mais altas são aqueles que na aposentadoria receberão um benefício igual ao último salário e terão direito aos reajustes do pessoal da ativa. Isso porque os servidores que entraram entre 2003 e 2013 estão em sistema em que o benefício é calculado pela média das contribuições e, por isso, tiveram um incentivo maior para migrarem para sistemas de previdência complementar. Parece justo que benefícios especiais sejam compensados com maior contribuição.

A tabala progressiva torna o sistema mais justo também porque reduz a alíquota efetiva de quem tem rendimentos baixos. Para quem ganha o salário mínimo, a alíquota efetiva fica em 7,5% e ela vai subindo até encostar nos atuais 11% para quem recebe cerca de R$ 4,5 mil, segundo um cálculo da Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado. Um relatório recente do IFI, inclusive, chama a atenção para o fato de que essa redução nas alíquotas para salários mais baixos terá impacto negativo nos sistemas próprios mantidos por prefeituras. Pode haver, portanto, alguma pressão também de gestores municipais contra a progressividade.

Há um fator tributário que torna o impacto da tabela progressiva menor até mesmo do que as alíquotas efetivas divulgadas pelo governo. Isso porque a contribuição previdenciária é excluída da base de cálculo do Imposto de Renda. Ou seja, uma parte da elevação na contribuição do funcionalismo será compensada com menos IR.

O IFI fez uma projeção sobre esse impacto. O aumento na alíquota de contribuição do funcionalismo elevaria a arrecadação federal em R$ 25,5 bilhões em dez anos. Ao mesmo tempo, a arrecadação do IR cairia R$ 7 bilhões no mesmo período (levando em conta somente os salários pagos pelo governo federal). Assim, o impacto da tabela progressiva é 28% menor do que sem se levar em conta o IR. Qual número você acha que o lobby dos servidores vai usar em sua argumentação?

A queda na arrecadação do IR é outro fator que deve preocupar os municípios, já que o imposto é partilhado via fundo de participação. Por isso, não será estranho se muitos deputados encamparem a ideia de que é melhor estabelecer uma alíquota única para todos os servidores, talvez um pouco maior do que os atuais 11%. Vários congressistas, aliás, já vêm se manifestando contra a vigência da reforma sobre os sistemas próprios de estados e municípios para não se desgastarem com suas bases. O argumento de perda de arrecadação nos municípios deve aumentar a pressão.

A progressividade na contribuição previdenciária aumenta a justiça tributária do sistema. No Brasil, é difícil defender um modelo sem alíquotas diferentes enquanto houver no serviço público aposentadorias acima do teto aplicado a todos os outros trabalhadores. Se essa o teto de R$ 5,8 mil valesse para todos, a discussão seria centrada apenas na validade ou não de um subsídio às contribuição dos trabalhadores com salários menores.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.