i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Guido Orgis

Foto de perfil de Guido Orgis
Ver perfil

Blog que discute ideias em economia política

Um racha no coração do capitalismo

  • Por Guido Orgis
  • 20/09/2019 12:47
A bolsa de valores de Nova York
A bolsa de valores de Nova York.| Foto: SPENCER PLATT/Getty Images/AFP

Para que serve uma empresa? Essa questão aparentemente simples é o cerne de um racha no coração do capitalismo. A discordância sobre a resposta correta vem sendo debatida desde os anos 80, mas agora ganhou um aspecto concreto com a assinatura de uma declaração, no fim de agosto, por 180 das maiores companhias dos Estados Unidos (que compõem o Business Roundtable) apoiando o conceito de "stakeholder capitalism", em contraposição ao "shareholder capitalism".

A assinatura da declaração do Business Roundtable levou duas das publicações globais mais comprometidas com a economia de mercado a assumirem posturas diferentes. A The Economist publicou ainda no fim de agosto uma reportagem de capa sobre o assunto. Seu editorial tratou a posição das 180 grandes companhias, no limite, como uma ameaça ao bom desempenho da economia. Já o Financial Times lançou nesta semana o que chama de "A nova agenda", compilando textos sobre o assunto e um editorial que vê com bons olhos o movimento das grandes corporações.

Um dos personagens centrais desse debate é o economista Milton Friedman, o Nobel de economia que foi um dos mais influentes pensadores liberais do século 20. Ele defendia que as empresas deveriam ter o resultado para os acionistas como a principal prioridade - em uma reação intelectual à crescente estatização e sindicalização ocorrida no pós-guerra. É a origem do termo "shareholder capitalism".

Logo depois da assinatura da declaração do Business Roundtable, o professor de Direito da Universidade Chicago (a mesma onde Friedman lecionou) Eric Posner publicou um artigo com o título "Milton Friedman estava errado". Ele trata a tese do capitalismo de acionistas como "espúria", ao mesmo tempo em que aponta o que falta para a boa vontade das 180 grandes empresas americanas sair da declaração e ganhar o mundo real: regulação do Estado.

A prática da discussão sobre a quem as companhias devem servir está na regulação e esse é ponto que me parece mais importante. Há uma grande dose de cinismo das empresas do Business Roundtable, muitas delas operando na forma de oligopólios e donas de alguns dos lobbies mais fortes do mundo. Sua carta de intenções para mudar o capitalismo em grande medida é fruto de seu empenho para limpar a barra após a crise de 2008 e a mudança cultural entre jovens no mundo rico, onde o socialismo deixou de ser uma causa marginal.

A única maneira de obrigar todas as empresas a abandonarem uma visão de acionistas é através da regulação. Ao saudar o movimento das grandes corporações, o Financial Times parece ignorar esse risco. O jornal diz que é preciso haver uma mudança cultural - saindo do lucro de curto prazo para uma visão de longo prazo em que todos saem ganhando, e cita dois concorrentes à Casa Branca que têm propostas intervencionistas nesse sentido, Elizabeth Warren e Bernie Sanders, como alguns dos que estão apontando para os problemas atuais. Deixa aberta a porta, assim, para que o modelo se torne uma obrigação e não uma opção.

A visão de Friedman tem uma dose elevada de bom senso. Para ele, um CEO tira recursos de outros atores - funcionários, consumidores e acionistas - quando decide apoiar causas que não são o negócio central da empresa. É como um imposto paralelo criado por pessoas sem o compromisso público controlado pela via democrática. Por que deveríamos acreditar que executivos de grandes corporações devem decidir o que é bom para a sociedade?

A visão do FT é que ignorar esse tipo de responsabilidade social leva a um tipo de capitalismo com efeitos colaterais indesejados: desigualdade, com CEOs sendo amplamente recompensados pelo preço das ações, agressão ao meio ambiente e consumidores mal tratados.

Para a Economist, um compromisso além dos acionistas pode ser uma opção de cada empresa, que assume o risco de usar seus recursos como bem entender. Ampliado para toda a economia, porém, o conceito de "stakeholder capitalism" teria dois efeitos indesejados: menor dinamismo e menor transparência. O primeiro ponto ocorre porque nem sempre uma companhia consegue preservar todos os seus parceiros. Muitas vezes, por exemplo, grandes empresas precisam demitir e fechar fábricas para focar em negócios mais promissores. O segundo ponto reverbera a tese de Friedman, já que os CEOs teriam um papel de decisão social além das fronteiras de suas corporações.

Isso não significa que o capitalismo não precisa de reformas. E aqui as lições de Friedman e outros economistas liberais continuam valendo: o sistema só funciona quando não há barreiras à competição e os objetivos das companhias são estabelecidos por seus acionistas. É isso que faz com que empresas inovem, baixem preços e se adaptem à preferência dos consumidores.

A consolidação em diversos setores da economia levou à criação de oligopólios, nos quais não há praticamente competição. Alguns segmentos de ponta atuam como monopólios, gerando mais lucro do que em um ambiente competitivo. É difícil acreditar que o compromisso com causas nobres ou a participação forçada de trabalhadores nas decisões das empresas (uma das propostas do trabalhista britânico Jeremy Corbyn para regular o capitalismo de stakeholders) traria mais competição.

A literatura questionando a capacidade de sobrevivência do capitalismo tem crescido na esteira da eleição de Donald Trump nos EUA e a aprovação do Brexit no Reino Unido. Há quem diga que o liberalismo e a globalização pararam de entregar a prosperidade prometida, provocando raiva à direita e dando voz à esquerda. O sistema político liberal estaria perdendo legitimidade por enriquecer CEOs que só ligam para o lucro de curto prazo.

Essa é uma narrativa que acerta nos sintomas. A causa, no entanto, não necessariamente está no fracasso do liberalismo, mas em como o sistema político lida com algumas das consequências do crescimento econômico. Manter a competição muitas vezes significa dizer não a fusões e aquisições, ou até mesmo pulverizar empresas. Outras vezes significa retirar barreiras de entrada criadas com o apoio de grandes corporações. Transparência pode significar dar de volta o poder de decisão para os acionistas. Além disso, fenômenos ligados à inovação, como a desocupação provocada pelo deslocamento tecnológico, precisam ser encarados de frente.

Nenhuma dessas observações impede que empresas comprometidas com alguma causa sejam bons negócios. O mercado permite que elas possam competir se forem bem geridas e se esses compromissos não forem impostos através dos lobbies que influenciam a regulação. O racha no capitalismo é um sinal de que há de que as pessoas esperam mais das corporações e que há mais de um caminho para atender esse anseio. O da competição ainda parece ser o melhor.

Siga o blog no Twitter

19 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 19 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • R

    Rômulo Viel

    ± 8 dias

    Boa discussão...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Antônio Márcio

    ± 9 dias

    Muito boa análise.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • B

    Baulé

    ± 9 dias

    não concordo com a premissa de que a única maneira de implementar o stakeholder capitalism seja pela intervenção estatal, acho que é uma evolução benéfica, que vai tornar a "vida fácil" dos CxO mais desafiadora e os seus altos rendimentos mais "merecidos", se um conselho de administração cobra isso dos CxO, aplausos, se o estado for se meter nisto, vaias! o estado deve se meter na briga de arena das empresas unicamente e justamente para estimular a competição, coibir oligopólios, proibir monopólios (inclusive estatais) e acabar com privilégios de qualquer natureza.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • G

    GUSTAVO_RJ_70

    ± 10 dias

    Nos anos 70 empresas como Microsoft e Apple foram criadas com intuito, entre tantos, de derrubar a gigante (e 'maldosa') IBM. Pois bem, essas daí se agigantaram, passaram e muito a IBM, e se tornaram, junto com o Google, muito piores que ela, no sentido de impedirem a competição. As empresas de garagem hoje são criadas para serem compradas por essas gigantes, pois sabem que não tem chance de chegar ao topo. Fora que o Google manipula as buscas e promove ideias progressistas e esconde e desmonetiza conteúdo conservador. (seus fundadores, pegos em vídeo de 2016, disseram que a missão agora é barrar Trump)

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • D

    Diz

    ± 10 dias

    Pois é, aí temos um globalismo de esquerda, usando como disfarce o capitalismo para impor a dominação do mundo.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • W

    Willy Rossi Dierkes

    ± 10 dias

    Em qual empresa você investiria? Com a palavra os realistas.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    Celio Aparecido Alves Beserra

    ± 10 dias

    Até admito que a eterna questão “ Regulação Estatal x Livre Mercado” mereça ser discutida, mas aconselho que a turma intervencionista escolha nomes melhores que Warren Pocahontas, Crazie Sanders e Anti-semita Corbyn...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • G

    GuiMazzo

    ± 11 dias

    Na minha humilde opinião, aqui está a principal falha do Estado onde o compete regular o capitalismo e não o faz, principalmente no Brasil: "...Manter a competição muitas vezes significa dizer não a fusões e aquisições, ou até mesmo pulverizar empresas. Outras vezes significa retirar barreiras de entrada..."

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • V

    Vanderli Camorim

    ± 11 dias

    Mais um socialista que não gosta de mostrar a cara. Denigre o capitalismo mas adora as facilidades e comodidades que este lhe fornece. Mal agradecido? Sem noção? O socialista malha o capitalismo a todo momento que acha oportuno. Sem o capitalismo que gera riqueza o socialista não existiria. O socialista é o parasita do capitalismo. Em alguns casos torna-o anêmico e pode até mata-lo. É a natureza do parasita.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    renato mello

    ± 11 dias

    "m resumo, com essa proposta teremos produtos e serviços mais caros. Os CEOs decidirão onde irão alocar os recursos com base em influências políticas de governos de esquerda ou de direita e a maior parte dos consumidores suportarão custos maiores. O mesmo aconteceu na década de 80 nos EUA quando as empresas foram sujeitas a tributação mais cara perdendo o interesse na inovação com o Japão assumindo a vanguarda tecnológica. As empresas chinesas devem estar rindo à toa.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • H

    HENRIQUE

    ± 11 dias

    É pra levar isso a sério ou é uma coluna de humor?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • O

    Oliveira

    ± 11 dias

    Menos Friedman, mais Mises.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • B

      Biancogres Cerâmica SA

      ± 11 dias

      Tem como dar 1000 likes?

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • V

    Vitor Chvidchenko

    ± 11 dias

    Quem fala em mais "regulações" com um suposto fim "nobre" de tornar o capitalismo mais "humano", ou é ignorante em Economia, ou está agindo de má-fé. A história tem mostrado que as maiores fontes de formação de monopólios e de grandes corporações que abusam de seu poder têm sempre sido a associação espúria entre grandes empresas e governo - o que é conseguido justamente através das tais "regulações". A melhor forma de eliminar do mercado corporações que agem de forma deletéria à sociedade ainda é a de permitir a livre concorrência e livre entrada de novos competidores, e deixar o consumidor escolher de quem quer comprar.Nada de interferência estatal, mesmo que travestida de "boas intenções".

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • W

    WILSON VICENTE COSTA DE ALVARENGA

    ± 11 dias

    Excelente artigo.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • P

    Patrick

    ± 11 dias

    Muito interessante. Quando li pela primeira vez a respeito desse assunto, achei apenas que seria uma tacada hipócrita e "bonitinha" desses CEOs. Não sabia que havia uma questão de regulação governamental por trás. Nesse caso, acabei me lembrando de A Revolta de Atlas da Ayn Rand com aqueles personagens dizendo toda hora que "é preciso pensar no social".

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    3 Respostas
    • J

      Juliana Saad de Carvalho

      ± 9 dias

      Excelente discussão!

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • G

      GUSTAVO_RJ_70

      ± 10 dias

      mas Patrick... "quem é John Galt ??" kkkk, tmj

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • R

      renato mello

      ± 11 dias

      Em resumo, com essa proposta teremos produtos e serviços mais caros. Os CEOs decidirão onde irão alocar os recursos com base em influências políticas de governos de esquerda ou de direita e a maior parte dos consumidores suportarão custos maiores. O mesmo aconteceu na década de 80 nos EUA quando as empresas foram sujeitas a tributação mais cara perdendo o interesse na inovação com o Japão assumindo a vanguarda tecnológica. As empresas chinesas devem estar rindo à toa.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.