Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Twitter anuncia ferramenta para denúncia de notícias falsas
| Foto: Unsplash

Como já mencionado neste espaço, o Twitter bloqueou no dia 16 de março o acesso deste signatário à sua conta com 1 milhão de seguidores. Isto não é uma denúncia, nem uma reclamação. Apenas a constatação de que 1 milhão de pessoas tiveram congelado, da noite para o dia, um ambiente que escolheram para se conectar, refletir e se expressar. Um canal de convivência. O motivo para uma medida extrema como essa precisa ser forte, se supomos estar numa democracia.

O motivo não foi ainda apresentado pelo Twitter, apesar da contestação do titular da conta pedindo a exposição do critério adotado. Até porque não é possível se adequar a qualquer regra sem conhecê-la. O que se sabe é que o bloqueio do acesso do titular foi relacionado a um post com dados sobre óbitos entre vacinados contra covid. A plataforma ofereceu ao titular a possibilidade de reaver o acesso à conta apagando esse post.

O Twitter precisa mostrar o que está errado na postagem. Do contrário estará assumindo que decidiu censurar qualquer referência aos problemas (reais) de eficácia e segurança das vacinas de covid – o que significaria uma ação ostensiva de desinformação do público sobre um assunto vital.

Em homenagem aos que continuam em silêncio, sem perceber a gravidade desse cerco, reproduzimos a seguir mais um relato sobre afeitos adversos graves após a vacinação de covid, à espera de investigação pela autoridade sanitária:

“Minha esposa Antonia Maria dos Santos Queiroz, 48 anos, de Fortaleza/CE, recebeu a primeira dose da vacina AstraZeneca em 16/06/2021 e não apresentou nenhuma reação adversa momentânea. Entretanto, no dia 25/07/2021, portanto 39 dias após ser inoculada, ela começou a apresentar tonturas e teve um desmaio. Nesta hora identificamos que poderia ser um AVC e levei-a para o Hospital Geral de Fortaleza, que é um hospital público referência em AVC.

Lá, foram feitos os procedimentos para desfazer os trombos, pois ela havia sofrido um AVC e trombose. Dois dias depois de estabilizada, ela foi transferida para o hospital público de nome Waldemar de Alcântara, para ficar em uma ala específica para AVC. Falei com a equipe médica sobre a vacina Covid-19 e da minha desconfiança com relação ao AVC e trombose terem sido desencadeados pela vacina. Então, questionei se poderia ter sido isso, e a neurologista chefe me respondeu que não descartaria esta hipótese.

Foram feitos todos os exames e não foi encontrado nenhum fator de risco.

Os dias se passaram e minha esposa recebeu alta médica. No momento da alta perguntei à médica neurologista se minha esposa poderia receber a segunda dose da vacina, e como resposta recebi um contundente: ‘Nem pensar!’.

Fui informado que a investigação iria continuar nos ambulatórios de AVC e hematologia do HGF – Hospital Geral de Fortaleza. Porém, para minha surpresa fiquei sabendo que eu que teria que correr atrás dos encaminhamentos que pediam urgência. Mesmo com o pedido de urgência, eu somente consegui a primeira consulta para o dia 05/04/2022, ou seja, praticamente oito meses de espera.

Então procuramos o Hospital Sarah de reabilitação neurológica e lá foram feitos todos os exames. No laudo médico consta que não foi encontrado nenhum fator de risco além do imunizante contra a Covid-19.

Laudo do hospital Sarah:

‘Teve apresentação concomitante de acidente vascular encefálico isquêmico e trombose de seios cerebrais. Há possibilidade de um estado de hipercoagulabilidade, porém não identificados fatores de risco além de imunização para COVID-19 mais de 6 semanas antes. Manifesta clinicamente afasia com prejuízo na expressão, hemiparesia completa proporcionada direita, hipoestesia em dimídio direito e anormalidade da marcha e equilíbrio. CID: I69.3/ G81.9/ R47.8.’ Faz uso do anticoagulante Varfarina 5 mg.”

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]