Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Bolsonarismo como desvio de caráter
| Foto: Evaristo Sá/AFP

O professor João Cezar de Castro Rocha não acredita na loucura bolsonarista. Retifico: não acredita que o bolsonarismo seja tão irracional quanto aparenta. Há organização, coerência e método em tudo.

Trata-se de uma cosmovisão abrangente o bastante para dar conta de fenômenos sociais e éticos diversos, mas simplista o suficiente para caber num vocabulário exíguo, feito de jargões e palavras-de-ordem, próprio para ganhar eleições.

Eleições vencidas, a metamórfica ideologia pode se apresentar como bem queira, mesmo que diferente de si ou oposta à sua própria versão para turistas. Nem por isso será acusada de estelionato, pois a instrumentalização dos princípios sempre foi essência, nunca acidente.

Se o conservadorismo não é bem o que Bolsonaro pensa que é, pior para o conservadorismo; se o liberalismo econômico colide com o oportunismo eleitoral, a culpa é do liberalismo econômico; se o combate à corrupção resvala num dos filhos ou na esposa do presidente, family first.

O erudito pensador da Uerj identifica três elementos que dão feição e origem a esse monstrengo reacionário: a Doutrina de Segurança Nacional, o documento Orvil e as teorias conspiratórias de Olavo de Carvalho.

O primeiro elemento é uma excrescência que serve àqueles que veem traições antipatrióticas em todo lado; o segundo é uma espécie de livro-texto revisionista, que pretende contar a tortura a partir da visão dos torturadores; o terceiro é a legitimação filosófica dos dois primeiros.

Estou de acordo com a tese de que talvez tenhamos subestimado o poder de organização e alcance do fenômeno Jair Bolsonaro, da sua eleição à manutenção no Palácio do Alvorada. Impeachment, hoje, é uma possibilidade remota.

No entanto, sem prejuízo de análises mais profundas, desconfio que o bolsonarismo ideológico não representa a massa eleitoral – 57 milhões de votos – que sustenta a popularidade do presidente.

Duas alternativas.

Como pregava Karl Marx (ignoremos o mensageiro; compreendamos a mensagem), a economia muitas vezes condiciona os valores culturais, jurídicos e éticos. Bolsonaro soube manipular os efeitos da crise que ele próprio criou ou sobre a qual nada fez.

Por outro lado, as recorrentes manifestações antidemocráticas, autoritárias e verdadeiramente imorais – como, no exemplo mais recente, ameaçar um jornalista no exercício da profissão – serviram para reaproximar o criador das suas criaturas. Muita gente quer e pensa exatamente o que ele quer e pensa.

O bolsonarismo, portanto, aquém ou além de uma visão de mundo, a seu modo coesa e lógica, é também uma espécie de falha de caráter, de insistência no erro, de crime continuado. Para isso não há remédio nem retórica que dê jeito.

71 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]