i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Gustavo Nogy

Foto de perfil de Gustavo Nogy
Ver perfil

O antissemitismo também fala português

  • Por Gustavo Nogy
  • 20/02/2020 17:03
Memorial do Holocausto (Imagem Pixabay)
Memorial do Holocausto (Imagem Pixabay)| Foto:

por Igor Sabino

De acordo com Marc Weitzmann, autor de Hate: The Rising Tide of Anti-Semitism in France (and What It Means for Us), o francês é a língua universal do ódio. Uma evidência disso seria o aumento dos crimes antissemitas na França, causados principalmente por dois grupos em posições bastante opostas no espectro ideológico: nacionalistas de extrema-direita e radicais islâmicos. Ambos, embora tenham ideias completamente diferentes e vejam um no outro ameaças existenciais, têm em comum o ódio pelos judeus.

A percepção de Weitzmann é, de certo modo, confirmada pelos dados da Anti Defamation League (ADL). Segundo uma pesquisa realizada pela organização no ano passado, em mais de 100 países, 17% da população francesa tem opiniões antissemitas, o equivalente a mais de oito milhões de pessoas. Por mais que esse seja um número expressivo, a França não está presente no ranking dos dez países com a maior porcentagem de pessoas com crenças antissemitas. Embora a Bélgica represente a francofonia, ocupando a nona posição na lista, o ranking é composto por países bastante diversos, situados em vários continentes.

Ainda segundo a ADL, estima-se que cerca de um bilhão de pessoas ao redor do mundo tenha opiniões antissemitas. As principais causas para isso, segundo a organização, são movimentos de extrema-direita, grupos de extrema-esquerda e radicais islâmicos, atores cujas táticas são muito bem descritas por Bari Weiss, em seu livro How to Fight Anti-Semitism. Embora o ódio aos judeus seja fluente em francês, ele também domina outros idiomas, inclusive o português.

O Brasil é o oitavo país com maior número de pessoas com ideias antissemitas. Segundo a pesquisa da ADL, 25% dos brasileiros têm algum tipo de opinião contrária ao povo judeu. 70% deles acreditam que os judeus são mais leais a Israel do que aos países em que vivem, e 38% desconfiam que os judeus exercem influência demais no mundo dos negócios e na economia internacional. Diferentemente da França, nos países latino-americanos as principais formas de antissemitismo predominante são de extrema esquerda e extrema-direita.

No primeiro caso, o antissemitismo geralmente se traveste de antissionismo e é justificado por meio de críticas à política do Estado de Israel. Está bastante presente no meio acadêmico brasileiro e nos discursos de líderes de alguns partidos políticos de extrema-esquerda. Uma das principais formas de expressão desse ódio aos judeus é o apoio ao movimento de Boicotes, Desinvestimentos e Sanções contra Israel, e tentativas de equiparar as políticas israelenses em relação aos palestinos com o Nazismo ou o apartheid sul-africano.

Isso tem se intensificado ainda mais durante o atual governo de Jair Bolsonaro, que, a fim de agradar seu eleitorado evangélico, estreita relações com Israel. Dessa forma, no intuito de se opor à agenda bolsonarista, sobretudo em questões de política externa, muitos críticos têm se valido de estereótipos antissemitas para atacar o Estado judeu. Um exemplo disso foi em janeiro de 2019, quando soldados das Forças de Defesa de Israel vieram ao Brasil para prestar ajuda humanitária às vítimas do rompimento da barragem de Brumadinho, em Minas Gerais. Na época, circulou na internet boatos de que a vinda dos militares israelenses era motivada por interesses escusos, como o controle da Amazônia ou uma tentativa de intervenção na Venezuela.

A propagação de teorias da conspiração contra os judeus, porém, não é um monopólio da extrema-esquerda, sendo comum também em alguns setores da extrema-direita. Este grupo é bem mais propenso a apoiar Israel, pois enxerga no Estado judeu um exemplo de nacionalismo bem-sucedido a ser imitado por outros países. Porém, em algumas ocasiões acabam fazendo referências a elementos típicos de movimentos antissemitas, como conspirações semelhantes aos “Protocolos dos Sábios de Sião” e até mesmo a discursos nazifascistas. O caso recente mais claro desse tipo de antissemitismo foi o discurso do ex-Secretário Nacional de Cultura, Roberto Alvim, em janeiro deste ano. Nele, Alvim afirmou que a arte brasileira da próxima década seria “heroica” e “imperativa”, parafraseando Joseph Goebbels, ministro de propaganda de Adolf Hitler na Alemanha nazista.

No comunicado da exoneração de Alvim, o presidente Bolsonaro pediu desculpas à comunidade judaica e condenou o antissemitismo. Nota-se, porém, a existência de uma má compreensão no Brasil acerca desse tema, em particular, e de outras questões relativas ao povo judeu. O próprio presidente do país, apesar de inúmeras demonstrações de apoio a Israel, já afirmou que o Holocausto não poderia ser esquecido, mas poderia ser perdoado. A declaração foi muito mal recebida pela comunidade judaica ao redor do mundo e condenada até mesmo pelo presidente israelense, sendo mais tarde esclarecida por Bolsonaro.

O antissemitismo em língua portuguesa, no entanto, não é um fenômeno recente, tampouco é uma exclusividade brasileira. Pelo contrário, é também, de certa maneira, uma herança da colonização portuguesa. A Península Ibérica tem um sangrento histórico de antissemitismo, marcado por vários episódios de perseguições aos judeus. Em 1446, o rei D. Manuel decretou a expulsão de todos os judeus de Portugal. Quase cinquenta anos depois, em 1497, a ordem foi transformada para conversão forçada ao cristianismo, culminando, em 1536, com a criação do Tribunal do Santo Ofício da Inquisição, que atuou não apenas na Europa, mas também em território brasileiro.

O objetivo da Inquisição era principalmente vigiar e punir os judeus, sendo considerado pela professora Anita Novinsky (Os judeus que construíram o Brasil) como o episódio mais negro da história judaica antes do nazismo. Durante quase três séculos, os judeus de língua portuguesa, tanto no Brasil como em Portugal, foram forçados a praticar sua fé em silêncio, renunciando-a publicamente. Os que se recusavam a fazê-lo eram torturados e mortos. Esse ódio antijudaico era promovido principalmente pelo clero católico, tendo forte justificativa teológica que remetia ao catolicismo medieval.

Anos depois, a maioria dos brasileiros desconhece esse episódio de sua história. Contudo, persistem muitos dos preconceitos fomentados neste período. Em Portugal, a situação não parece ser tão diferente. Apesar de os índices de antissemitismo no país lusitano serem modestos – se comparados a outros países europeus –, ainda assim merecem atenção. Uma pesquisa realizada pela ADL, em 2014, apurou que 21% dos portugueses ainda sustentam opiniões antissemitas, com 49% dos entrevistados afirmando que os judeus falam demais sobre o Holocausto. Recentemente, com o anúncio da proposta de paz entre palestinos e israelenses, feita por Donald Trump, desenhos antissemitas passaram a circular na mídia portuguesa. Um deles, feito pelo cartunista Vasco Gargalo, em novembro de 2019, na revista Sábado, exibe Netanyahu empurrando um caixão com uma bandeira palestina em uma câmara de gás no campo de extermínio em Auschwitz. O cartoon, intitulado “Crematório”, claramente equipara o Estado judeu à Alemanha nazista. Ao ser questionado sobre a obra, Gargalo afirmou que trabalha em prol dos Direitos Humanos e que estava sofrendo violações à sua liberdade de expressão ao ser acusado de antissemitismo.

Tudo isso demonstra o quanto o ódio aos judeus é poliglota e ambidestro, manifestando-se de diversas maneiras, em várias línguas e espectros ideológicos; exigindo, portanto, um esforço coletivo para combatê-lo. No caso brasileiro, uma das principais maneiras de fazê-lo é por meio da educação. Muitos brasileiros sabem pouco sobre o Holocausto e desconhecem as complexidades dos conflitos do Oriente Médio, e tentam enquadrar as duas questões em uma visão míope de esquerda e direita.

É preciso deixar claro, por exemplo, que os judeus, como qualquer povo, têm direito à autodeterminação. Logo, o Estado de Israel é tão legítimo quanto qualquer outro, inclusive um futuro Estado palestino, caso venha a existir. Isso, no entanto, não significa que todas as críticas às políticas israelenses são antissemitas; elas o são apenas quando se é imposto ao Estado judeu um padrão que não é aplicado a nenhum outro país. Fala-se muito, e com certa razão, sobre o prolongado controle israelense dos territórios palestinos. Porém, quase nada é dito sobre outras ocupações estrangeiras que existem no mundo e até mesmo no próprio Oriente Médio, como é o caso da parte turca da ilha de Chipre.

Ao mesmo tempo, apoiar Israel em nível internacional não significa necessariamente um empenho no combate ao antissemitismo. Países do leste europeu, como Polônia e Hungria, têm relações cada vez mais estreitas com o governo israelense, mas, de acordo com a ADL, abrigam muita gente com preconceitos aos judeus. Esse, inclusive, é um ponto que tem sido constantemente ressaltado por judeus brasileiros de orientação mais à esquerda.

Nesse sentido, uma sugestão ao governo federal seria a criação de campanhas educativas e de combate ao antissemitismo. Aparentemente, isso não seria um problema, tendo em vista a atual aproximação com Israel na política externa e a defesa da liberdade religiosa como um item prioritário na agenda com organismos internacionais. Nesse sentido, seria necessário buscar um maior diálogo com a comunidade judaica brasileira, em toda a sua pluralidade ideológica, até mesmo com aqueles que fazem oposição a Bolsonaro. Essa, talvez, fosse uma boa tarefa para o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, já que lutar contra o ódio aos judeus é, sobretudo, lutar pela democracia e pelos direitos humanos.

Igor Sabino é Bacharel e Mestre em Relações Internacionais pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), e alumnus do Philos Project Leadership Institute. Realizou trabalhos humanitários em ONGs de Direitos Humanos ligadas à American University of Cairo, no Egito, e pesquisas de campo na Polônia, Israel, Territórios Palestinos, Líbano e Jordânia relacionadas a migrações forçadas e perseguição religiosa.

12 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 12 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • A

    Aldo Naletto

    ± 2 horas

    Tenho sérias dúvidas sobre o que esteja sendo considerado "opinião antissemita" - pra dar 25% da população, devem estar considerando qualquer coisa que não seja elogio, tipo clichês como judeu pão-duro, judeu rico e outros estereótipos bobos. Incluir como antissemitismo o discurso tonto do Alvim é absurdo: mesmo tendo um climão de propaganda nazista (cenário, cabelo lambido, trechos do Goebbels e Wagner de fundo), o vídeo não contém absolutamente nenhuma opinião antissemita - na verdade, seria mais certo dizer que o Alvim é que foi vítima de "opiniões semitas", já que seu vídeo incomodou a comunidade judaica e isso causou sua demissão sumária.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Marcelo Gurgel

    ± 15 horas

    O colunista reserva é melhor que o titular.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • S

    Salissa Mendonça Souto

    ± 17 horas

    Antissemitismo é realmente um triste denominador comum da extrema direita e esquerda. Para aqueles que não acreditam na antigo preconceito dos portugueses com os judeus saibam que um grupo de judeus foi expulso de Recife após os holandeses perderem a colônia, vejam o livro "De Recife para Manhattan: Os Judeus na nova formação de Nova York".

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • V

    Vitor Chvidchenko

    ± 1 dias

    Excelente artigo. O preconceito antijudeu ainda é muito forte na Europa, particularmente em Portugal, Espanha e França. E infelizmente, muitos brasileiros herdaram - principalmente dos portugueses - esse traço preconceituoso. Quem aqui, na seção de comentários, negando os fatos ou reclamando do artigo, é porque sentiu o dedo na ferida. E não me venham falar em vitimização: eu vejo o preconceito contra judeus diariamente, em vários lugares aqui do país (inclusive na Internet). Seria muito bom se a realidade fosse outra, mas não sou cego e ainda acho preferível - do ponto de vista racional - lidar com a realidade como ela é, do que ficar tentando tapar o sol com a peneira.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • V

      Vitor Chvidchenko

      ± 1 dias

      Corrigindo: "Quem ESTÁ aqui, na seção de comentários, negando os fatos"... É uma droga esse sistema de comentários não permitir correções após enviarmos o texto.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Magno Paganelli de Souza

    ± 1 dias

    Os judeus se organizaram contra inimigos declarados e hoje não se pode criticar nada do que fazem, ao ponto de imporem um "cala boca" contra toda e qualquer crítica a um aspecto de suas vidas. Entendo e conheço as antigas perseguições (na Europa pelo menos desde o séc. XV), culminando no Holocausto. Mas não concordo que seja sadio rotular como antissionismo (ou antissemitismo, como o autor demonstrou) uma crítica ao que aquele Governo faz. Criticar a política do ex-Governo do PT, p. ex., não significa querer o extermínio dos brasileiros. Os termos antissemitismo e antissionismo são, em si, preconceituosos, já que árabes são semitas também.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    3 Respostas
    • V

      Vitor Chvidchenko

      ± 1 dias

      E, por fim: numa coisa você tem razão - os judeus são organizados, sim. Até por questão de necessidade. Somos um dos povos mais difamados e vítima de preconceito no mundo todo. Para os judeus, se organizar - principalmente após o holocausto - foi uma questão de sobrevivência. Ou você acha que não temos direito de nos organizarmos para nos defender de ataques diários de gente preconceituosa e ignorante, que gosta de generalizar críticas ao povo judeu - tipo você? Trata-se de simplesmente de querer ser respeitado, como qualquer outro povo. Ou você acha que judeus não possuem esse direito?

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • V

      Vitor Chvidchenko

      ± 1 dias

      E outra coisa: o que você diz a respeito dos judeus terem se organizado e "imporem um cala-boca" a quem pensa diferente, isso é pura estupidez. As manifestações antissemitas (ou antijudaicas, como preferir) que vemos por aí são diárias, o tempo todo - inclusive na Internet. Não me consta que os judeus tenham esse poder todo de "impor um cala-boca" a quem os critica. Na prática, esse "poder" não está surtindo muito efeito, ao que me consta. Você mesmo está aqui criticando os judeus, e ninguém te impediu de fazer isso. Sim, eu estou aqui criticando você, mas tenho tanto direito de fazer minhas críticas quanto você tem de fazer as suas. Ou não tenho?

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • V

      Vitor Chvidchenko

      ± 1 dias

      Você leu realmente o artigo? O autor é muito claro quando diz que não há nada de errado em se criticar alguma política do estado de Israel, desde que quem o faz não esteja impondo a este país critérios e exigências que não impõe a nenhum outro país do mundo. É uma questão de coerência. Na prática, o que vemos são pessoas alegando que "não são antissemitas, mas que criticam políticas de Israel", porém que nunca criticam quando outros países no mundo fazem coisas iguais ou até muito piores. Isso se chama hipocrisia - e que revela sim, no fundo, um preconceito anti-judeu. E concordo com relação ao termo antissemita: ele é inadequado sim, porém infelizmente já está consagrado na língua.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • D

    Dario de Araújo Dafico

    ± 1 dias

    A grande massa de colonização brasileira foi realizada por cristão novos, ou seja, judeus espanhóis e portugueses que foram forçados à conversão ao cristianismo. A população de portugueses não semitas era muito pequena para colonizar o Brasil e poucos estavam dispostos a sair de Portugal. Por isso é muito difícil encontrar um brasileiro que não tenha nos seus genes um pouco de sangue africano e um pouco de semita. Faça um teste genético e comprove você mesmo! Racismo não faz nenhum sentido no Brasil já que somos a população mais miscigenada do planeta.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • Z

    Zyss

    ± 1 dias

    No Brasil 90% da população não sabe o que significa antissemitismo. Difícil acreditar nessa pesquisa.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • V

      Vitor Chvidchenko

      ± 1 dias

      Você fez uma pesquisa para chegar a esse número? Olha aqui, rapaz: eu sou judeu e ouço, no dia a dia, constantes manifestações de preconceito contra os judeus. Nas ruas, na Internet... O brasileiro pode até não saber o que é antissemitismo, mas que muito brasileiro tem preconceito antijudeu, é fato - eu vejo isso todos os dias. Muita gente que eu vejo por aí demonstra que, no fundo, pensa que judeu tem menos direitos ou é inferior a quem é cristão. Se você prefere não acreditar na pesquisa para continuar achando que o Brasil é lindo e que o povo brasileiro é "cordial" e maravilhoso, vá em frente. Continue se iludindo. Mas lembre-se: o pior cego é aquele que não quer ver.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.