i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Ir e Vir de Bike

Ver perfil

Cidade paranaense cria estacionamento sobre ciclofaixa recém-inaugurada

  • PorAlexandre Costa Nascimento
  • 23/02/2014 16:42
EM Francisco Beltrão, ciclovia é exclusiva para ciclistas (quando ninguém estiver estacionando sobre ela)
EM Francisco Beltrão, ciclovia é exclusiva para ciclistas (quando ninguém estiver estacionando sobre ela)| Foto:
Cena fotografada por ciclista beltronense após as 12h, quando, segundo regulamentação, ciclovia deveria estar liberada para bicicletas. (Foto: Reprodução/Henrique Bubniak De Mello)

Cena fotografada por ciclista beltronense após as 12h, quando, segundo regulamentação, ciclovia deveria estar liberada para bicicletas. (Foto: Reprodução/Henrique Bubniak De Mello)

Houvesse um prêmio nacional para reconhecer as ideias mais estúpidas colocadas em prática pelos gestores públicos brasileiros, a cidade de Francisco Beltrão, no interior do Paraná, certamente seria hors concours na edição de 2014.

Em um enredo surreal, que deverá entrar nos anais do folclore político (ou no dos políticos folclóricos?), o município converteu uma ciclofaixa recém-inaugurada no centro da cidade em estacionamento para veículos motorizados.

Assim, os carros poderão estacionar sobre um luxuoso tapete vermelho, custeado com dinheiro público, das 8h30 às 12h e das 13h30 às 17h nos dias úteis e das 8h30 às 12h nos sábados. Enquanto isso, aos ciclistas, caberá a alternativa de circular junto ao tráfego de carros e ônibus, que terá velocidade média aumentada com implantação de um eixo binário na via.

O responsável por levar o “Prêmio Odorico Paraguaçu do Atraso na Gestão Pública” ao Sudoeste paranaense é o vice-prefeito e secretário de Planejamento (heim!?!) Eduardo Scirea (PT), que ao assumir temporariamente o Executivo beltronense assinou um decreto regulamentando o uso da ciclofaixa na Rua Curitiba (!) para servir de estacionamento.

EM Francisco Beltrão, ciclovia é exclusiva para ciclistas (quando ninguém estiver estacionando sobre ela)

Em Francisco Beltrão, ciclovia é exclusiva para ciclistas (quando ninguém estiver estacionando sobre ela) (Foto: Divulgação/PMFB)

A solução “jenial” foi tomada na tentativa de resolver o “problema” que surgiu com a implantação da via ciclável na área central, que enfrentou a histeria dos comerciantes locais, e encontrou eco na imprensa interiorana. Vale lembrar que, apenas 15 dias antes de assinar o decreto, Scirea havia afirmado à imprensa local que a implantação da ciclofaixa não teria retrocessos. “É definitiva, não se volta atrás”, afirmou durante a inauguração da infraestrutura cicloviária.

A resistência veio dos comerciantes, que não se conformaram em “perder” o estacionamento nas vias públicas em frente aos seus estabelecimentos. Segundo os empresários, com a ciclofaixa, cada quadra perdeu de 10 a 12 vagas “para os veículos de seus clientes”. “Nós pagamos impostos, geramos empregos. O mínimo de conforto que podemos oferecer é o estacionamento e estão nos cortando esse benefício”, argumentou o comerciante Jefferson de Lara.

Ciclovia da Rua Curitiba, em Francisco Beltrão (PR): recursos públicos para criar estacionamento com tapete vermelho. (Foto: Vânia Faust/Reprodução)

Ciclovia da Rua Curitiba, em Francisco Beltrão (PR): recursos públicos para criar estacionamento com tapete vermelho. (Foto: Vânia Faust/Reprodução)

O benefício citado, entretanto, não encontra amparo legal, uma vez que a área de estacionamento encontra-se em via pública e, por isso, não pode ter destinação ao uso privado. Uma consulta na Lei Orgânica do Município, prova que não há qualquer menção ao direito dos comerciantes usufruírem gratuitamente das vagas em frente aos seus estabelecimentos. Tampouco esse mesmo “benefício” está assegurado em lei estadual ou na Constituição da República Federativa do Brasil. Mas, ao contrário, a implantação de um circuito de ciclofaixas em vias públicas encontra respaldo no Plano Diretor e atende às exigências da Lei da Mobilidade Urbana (Lei n.º 12.587/2012).

Também cabe ressaltar que os impostos pagos pelos comerciantes são calculados exclusivamente sobre área dos imóveis. As vagas de estacionamento, portanto, não compõem a base de cálculo, o que derruba a tese do “direito adquirido” sobre o espaço público.

 

Visão provinciana

A tese de que a criação de ciclovias “atrapalham” o comércio local já foi derrubada empiricamente, comprovando que ocorre justamente o contrário: as ciclovias tornam as ruas mais convidativas às pessoas, aumentando a circulação e o volume de vendas dos estabelecimentos.

Estudos na cidade de Nova York, por exemplo, mostram que a implantação de infraestrutura cicloviária na 9ª Avenida aumentou o fluxo de comércio entre as Ruas 23 e 31 em 49%, contra uma média de 3% do restante do bairro.

Além disso, a criação de espaços para a circulação de pessoas reduziu em 35% o número de acidentes com vítimas no trânsito, provando que as ciclovias também protegem pedestres e tornam as ruas espaços mais convidativos.

Em Curitiba, empresários e comerciantes já começam a perceber que tratar bem o ciclista é um negócio lucrativo. Lojas, farmácias, restaurantes, academias e diversos outros estabelecimentos passaram a investir na implantação de infraestrutura para quem pedala além da criação de promoções e descontos para atrair esse público.

Todo ciclista é um consumidor como outro qualquer. Mas, diante da carência geral de infraestrutura para quem pedala, um gesto de boas vindas ao ciclista pode ser uma forma de criar uma clientela fiel e disposta a fazer propaganda boca a boca do estabelecimento. No fim, tratar o ciclista de maneira cortês e civilizada acaba sendo uma tática para inovar e se diferenciar da concorrência.

Opine

O que achou da ideia do vice-prefeito de Francisco Beltrão? Fale diretamente com Eduardo Scirea pelo Facebook ou pelo Twitter.

Conheça os termos de uso do conteúdo do blog Ir e Vir de Bike

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.