Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
O ex-governador do Paraná, Beto Richa.
O ex-governador do Paraná, Beto Richa.| Foto: Jonathan Campos/Gazeta do Povo

Desde o início de junho, quando Bruno Araújo assumiu a presidência nacional do PSDB, o partido intensificou ações com o objetivo de repaginar sua imagem pública. Da ala dos tucanos mais jovens, os chamados “cabeças pretas”, Araújo vê na renovação do partido o caminho para reconquistar protagonismo político, com a aposta no nome de João Doria para a Presidência da República em 2022. Nesse processo, os tucanos querem se livrar de quadros enrolados com a Justiça e os dois principais nomes que devem sair do partido nesse movimento são o deputado Aécio Neves e o ex-governador do Paraná, Beto Richa.

Para evitar os desgastes de um processo de expulsão, os tucanos esperam que tanto Richa como Aécio saiam espontaneamente da legenda, como revelou nesta segunda-feira (8) a jornalista Andréia Sadi.

LEIA MAIS: O parlamento Boca Aberta: como deputados estridentes desvirtuam o debate público

Oficialmente o partido não admite essa articulação, mas fontes tucanas confirmam a existência de um movimento para que todos os investigados se licenciem do partido.

Assim como no PSDB nacional, o partido no Paraná também mudou de mãos e está sob comando do deputado Paulo Litro, também do grupo dos “cabeças pretas”. Com isso, o grupo que era o núcleo duro da gestão Richa perdeu poder na legenda e tem menos condições de articular pela permanência do ex-governador no partido.

Acompanhe o blog no Twitter.

7 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]