i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

João Frey

Foto de perfil de João Frey
Ver perfil

No Paraná, clãs familiares na política impedem surgimento de candidato outsider

  • PorJoão Frey
  • 31/03/2018 12:51
A candidata Cida Borghetti (PP), ao casar-se com o deputado federal Ricardo Barros (PP), passou a integrar uma dinastia da política paranaense (Foto: Paulo Matias/Gazeta do Povo)
A candidata Cida Borghetti (PP), ao casar-se com o deputado federal Ricardo Barros (PP), passou a integrar uma dinastia da política paranaense (Foto: Paulo Matias/Gazeta do Povo)| Foto:

Tanto tem se acreditado na possibilidade de um outsider disputar com boas chances a presidência do Brasil em outubro que fica fácil imaginar um conselho de caciques partidários reunidos com recrutadores de RH buscando o nome certo em pilhas de currículos de CEOs, animadores de auditório ou, quem sabe, aquelas boas almas que devolvem o maço de dinheiro encontrado no chão.

A vitória de Donald Trump, nos Estados Unidos, é a prova de que o mau momento dos políticos tradicionais não é fenômeno isolado no Brasil. Nos últimos anos, o que tem sido mais complicado é encontrar um lugar no mundo onde os candidatos mais institucionalizados têm nadado de braçada. Essa dificuldade é superada ao olharmos para o nosso próprio umbigo.

Não há um outsider ameaçando a ordem natural das eleições para o governo do Paraná. Mais do que isso, não há nem a expectativa e nem o desejo latente de que um nome não tradicional embaralhe o cenário eleitoral no estado.

Tenho uma hipótese para o que faz do Paraná essa variedade única de jabuticaba. Esse movimento de negação da política tradicional guarda estreita relação com o declínio dos partidos políticos. Sobram dados que provam esse descolamento entre partidos e a sociedade. Uma pesquisa divulgada pelo Instituto Ipsos em agosto do ano passado, por exemplo, aponta que apenas 6% dos eleitores se sentem representados pelos políticos em quem já votaram.

Sobre este terreno de descrença nas instituições partidárias é que costumam vicejar candidatos sem trajetória na política tradicional.

Até aqui os argumentos estão em cima de um terreno seguro, sobre o qual há certo consenso inclusive na literatura acadêmica. Daqui para frente é que vem a hipótese que proponho.

Resumidamente: candidatos anti-partido têm poucas chances de prosperar no Paraná porque a renovação, as alianças e a formação política no estado não são feitas nas agremiações partidárias, mas nas famílias. Há, portanto, uma instituição acima dos partidos que garante a continuidade da mesma elite política no poder, com segurança suficiente para repelir pretensos outsiders.

Uma olhada para as pré-candidaturas que estão postas revela que nenhum dos principais candidatos ao cargo de governador é o único membro de sua família a participar da vida pública no estado. Essa característica da política paranaense é tão marcante que há mais de 20 anos um grupo de estudos na Universidade Federal do Paraná tem se dedicado ao estudo dessas famílias.

O pré-candidato que tem raízes mais antigas na política local de acordo com as pesquisas do Núcleo de Estudos Paranaenses (NEP), é Roberto Requião. Um artigo feito pelo pesquisador Fernando Marcelino Pereira mostra que a história pública da família começa com o bisavô do senador, Justiniano de Mello e Silva, que foi deputado no Paraná provincial, entre 1854 e 1889. O filho de Justiniano, Wallace de Mello e Silva – avô do atual senador – foi deputado estadual em 1914 e seu filho, Wallace Thadeu de Mello e Silva, foi indicado pelo governador Bento Munhoz da Rocha Neto para a prefeitura de Curitiba em 1951.

A candidata Cida Borghetti (PP), ao casar-se com o deputado federal Ricardo Barros (PP), também passou a integrar uma dinastia da política paranaense que, considerando a filha do casal, a deputada estadual Maria Victória (PP), já está na terceira geração. A história começou com Silvio Magalhães Barros, pai de Ricardo, que em 1960 começou a carreira como vereador de Maringá. Depois da vereança, Silvio Barros passou pela Câmara Federal e foi prefeito de Maringá na década de 1970.

A história de Osmar Dias na política paranaense não remonta a gerações anteriores, mas nem por isso ele está fora da teia de relações familiares. Osmar e Álvaro Dias conviveram por três legislaturas no Senado Federal. Apesar do parentesco, os irmãos seguem carreiras políticas relativamente independentes.

Outro candidato com o nome posto, Ratinho Junior também tem laços familiares com a política. Seu pai, o apresentador Ratinho, começou a carreira como vereador em Jandaia do Sul. Em 1989, Ratinho assumiu uma cadeira na Câmara de Curitiba e no começo dos anos 1990 foi eleito para a Câmara Federal, onde ficou até 1995.

Com partidos menos poderosos que famílias, a renovação política do estado continuará sendo definida muito mais em almoços de domingo que em convenções e processos democráticos internos.

Acompanhe o blog no Twitter

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.