i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

João Frey

Foto de perfil de João Frey
Ver perfil

Pais e prefeitura de Curitiba brigam por educação de crianças com deficiência

  • PorJoão Frey
  • 10/03/2018 13:00
Pais querem que filhos com Síndrome de Down fiquem mais um ano na educação infantil; prefeitura é contra. (Foto: Aniele Nascimento/Gazeta do Povo)
Pais querem que filhos com Síndrome de Down fiquem mais um ano na educação infantil; prefeitura é contra. (Foto: Aniele Nascimento/Gazeta do Povo)| Foto:

Um grupo de pais de quatro crianças com Síndrome de Down está pedindo na Justiça que a prefeitura de Curitiba aceite retê-los por mais um ano na educação infantil. O argumento dos pais – respaldado pelos especialistas que acompanham as crianças – é o de que a “retenção na educação infantil pode ser benéfica ao seu desenvolvimento”.

Na segunda-feira (5), a Justiça concedeu liminar aos pais, mas a prefeitura recorreu no dia seguinte. Segundo nota enviada pela Secretaria Municipal de Educação, apesar de o Executivo ter recorrido, todas as liminares expedidas pela justiça serão cumpridas.

LEIA MAIS: UM TRISTE RECUO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL EM CURITIBA

“O entendimento da Secretaria é de que a Lei de Diretrizes e Bases da Educação precisa ser respeitada. O artigo Artigo 32 estabelece que “O ensino fundamental obrigatório, com duração de 9 (nove) anos, gratuito na escola pública, iniciando-se aos 6 (seis) anos de idade, terá por objetivo a formação básica do cidadão”, diz a nota da secretaria. Portanto, segurar as crianças por mais um ano na educação infantil feriria a LDB.

Em uma carta escrita pelos pais e lida no plenário da Câmara de Curitiba pelo vereador Goura (PDT), o grupo afirmou que a atitude da secretaria de Educação “deixa impressionados os pais que já veem seus filhos especiais sem irem para as aulas desde o começo do ano letivo, no dia de 19 de fevereiro”.  Segundo eles, “sendo alunos especiais terão uma tarefa ainda maior para alcançar os colegas, que estão em aula há quase três semanas”.

Caso é alvo de projeto de lei

Na quarta-feira (7), o vereador Felipe Braga Côrtes apresentou um projeto de lei sobre o assunto. Pela proposta, “as crianças com necessidades educativas especiais têm, em situações excepcionais devidamente fundamentadas, o direito à retenção na Educação Infantil pelo prazo de um ano”.

Na justificativa da proposta, o vereador defende que uma postura maleável da prefeitura, olhando individualmente para os casos, pode beneficiar a evolução das crianças.

Atualmente, a rede municipal de ensino de Curitiba tem 2.236 crianças e estudantes em inclusão, em turmas de educação infantil e do ensino fundamental. Desses, 535 são de alta ou altíssima prioridade e contam com acompanhamento de profissional de apoio escolar em sala. Para atendê-los, a Secretaria Municipal da Educação conta com 506 profissionais de apoio que auxiliam os educandos em atividades de locomoção, alimentação e higiene.

Segundo a secretaria de Educação, “a definição sobre a necessidade de acompanhamento com profissional de apoio é constante e ocorre a partir da observação individual de cada criança e estudante”.

Acompanhe o blog no Twitter. 

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.