i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

João Pereira Coutinho

Foto de perfil de João Pereira Coutinho
Ver perfil

George Steiner, charlatão?

  • Por João Pereira Coutinho
  • 11/02/2020 00:01
O crítico literário George Steiner
O crítico literário George Steiner, falecido em 3 de fevereiro de 2020.| Foto: Bertrand Guay/AFP

Será que George Steiner era “um completo charlatão”? O jornal Daily Telegraph dedicou um obituário ao escritor, que morreu no dia 3 de fevereiro. É um texto jocoso, cruel, displicente. E, a certa altura, o jornalista cita um acadêmico judeu (sem o identificar) que classificou Steiner nesses termos. O acadêmico judeu, para que conste, era Isaiah Berlin, um pensador importante que, malgré tout, sempre teve alguns probleminhas de caráter.

Não sei se Steiner foi “um completo charlatão” em assuntos que não domino. Mas se Isaiah Berlin formulou questões de natureza política que entretanto assumi como minhas (“por que motivo a utopia não funciona?”; “a liberdade deve ter sempre prioridade sobre os demais valores?”; “em que sentido o pluralismo se distingue do relativismo?”), o mesmo posso afirmar sobre George Steiner. Para ser mais preciso, existem duas questões que, depois dele, passaram a pairar sobre a minha cabeça agitada.

A primeira é conhecida: será que a alta cultura é uma barreira contra a barbárie? A tradição racionalista do Ocidente afirma que sim: conhecimento é virtude. O que significa que o mal provém da ignorância. George Steiner nunca aceitou esse otimismo socrático-platônico. Como repetidamente afirmou, um homem pode ler Goethe ou saborear trechos de Schubert – e, no dia seguinte, em Auschwitz, destruir seres humanos sem o mínimo abalo da consciência. Pior ainda: como explicar que as instituições tradicionais nas quais repousa a alta cultura – as universidades, as artes, as editoras – tenham sido igualmente incapazes de evitar as catástrofes do século 20? Como explicar que elas tenham marchado voluntariamente com os carrascos?

As meditações humanistas (e anti-humanistas) de Steiner são uma faca cravada na garganta dos otimistas culturais

George Steiner nunca nos deu uma resposta satisfatória para essas perplexidades. Mais: em doloroso paradoxo, Steiner era capaz de depositar toda a sua fé e esperança nas virtudes da alta cultura ao mesmo tempo em que admitia as possibilidades de desumanização que a alta cultura encerra. Em teoria, é importante ler Tolstói ou Dostoiévski. Mas até que ponto o contato com formas superiores de existência não nos torna imunes às formas mais banais de realidade ou sofrimento?

Como escreveu Steiner em No Castelo do Barba Azul, a loucura e a morte podem ser preferíveis ao tédio da vida burguesa. Raskólnikov, o personagem central de Crime e Castigo, escreve um ensaio sobre Napoleão – e, a seguir, “sai para matar a velha”.

As meditações humanistas (e anti-humanistas) de Steiner são uma faca cravada na garganta dos otimistas culturais. Mas existe uma faca maior: os judeus. Eles são a faca cravada na garganta da humanidade.

Na versão tradicional, o antissemitismo ocidental, pelo menos até inícios do século 20 e ao veneno da pseudociência rácica, sempre bebeu na fonte bíblica. Os judeus eram os assassinos de Deus, na figura do Seu filho; as perseguições e os pogroms antijudaicos partiam desse “crime” primordial. Steiner discordava. O verdadeiro “crime” dos judeus não foi terem matado Deus; foi terem-no criado. Como é possível criar um Deus onipotente, onipresente, vigilante, exigente, castigador, quando os homens apenas desejam “voltar ao estábulo” para se espojarem “no seu politeísmo pagão, orgânico e permissivo”?

Quando Hitler afirmava que a consciência é uma invenção judaica, ele sabia do que falava. E falava com ódio, muito ódio, contra aqueles que tinham cometido semelhante afronta. O ódio aos judeus, em Steiner, começa por ser um cansaço com os judeus (“judenmüde”), um cansaço com as expectativas elevadas que repousam sobre matéria tão animalesca. Entre Nietzsche (“torna-te aquilo que és”) e Deus (“torna-te em algo melhor do que aquilo que és”), o bárbaro não hesita.

Um completo charlatão? Direi apenas isso: se Steiner é um charlatão, Isaiah Berlin também é. Porque, ironicamente, o melhor desses dois pensadores judeus é bastante semelhante: um retrato contraditório, complexo, agônico da natureza humana. Mas também um convite para sermos decentes – e, apesar de tudo, para cultivarmos a esperança melancólica dos céticos.

PS: Uma das melhores introduções ao pensamento de Steiner encontra-se no livro George Steiner: À Luz de Si Mesmo (Perspectiva), no qual é entrevistado por Ramin Jahanbegloo, que tem outro grande livro de entrevistas. Com Isaiah Berlin.

4 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 4 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • V

    Vitor Chvidchenko

    ± 20 dias

    Excelente texto. Traz, como sempre, profundas reflexões.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • N

    Nelson Rosenvald

    ± 21 dias

    A coluna de Coutinho vale por toda uma assinatura. Saboreio há anos os seus textos e digo tranquilamente que não há sequer um único escrito de sua lavra que desmereça o seu brilhantismo.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • W

    WILSON MUGNAINI

    ± 21 dias

    A respeito: Texto encontrado num campo de concentração após a 2a. Guerra Mundial: " Prezado Professor, sou sobrevivente de um campo de concentração. Meus olhos viram o que nenhum ser humano deveria ver. Câmaras de gás construídas por engenheiros diplomados; recém-nascidos mortos por enfermeiras treinadas. Mulheres e crianças fuzilados e queimados por graduados em universidades.Crianças envenenadas por médicos. Assim, tenho suspeitas sobre educação Meu pedido é: ajude seus alunos a se tornarem mais humanos. Seus esforços nunca deverão produzir psicopatas hábeis ou monstros treinados. Ler, escrever e saber aritmética apenas serão importantes se tornarem nossas crianças mais humanas."

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • H

    Henrique Barros

    ± 21 dias

    Como sempre, uma excelente coluna.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.