Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
O filósofo conservador Michael Oakeshott.
O filósofo conservador Michael Oakeshott.| Foto: Library of the London School of Economics and Political Science/Domínio público

Gosto de ler Ross Douthat. Ele faz parte de um pequeno time de intelectuais conservadores que têm o hábito, hoje extravagante, de pensar. Em texto para o New York Times, Douthat analisou as duas crises do conservadorismo americano. As suas linhas merecem reflexão.

A primeira crise, para mim menos interessante, é a crise do próprio Partido Republicano. Argumenta o autor que o velho GOP, no século 21, já experimentou de tudo: uma versão compassiva, um flerte com o libertarianismo do Tea Party, o paleonacionalismo de Trump – mas nada teve o mesmo sucesso de Ronald Reagan na década de 1980.

Mas é a segunda crise que me interessa e que se resume numa pergunta: o que pode o conservadorismo conservar numa ordem crescentemente liberal? A resposta clássica, segundo Douthat, é mais ou menos óbvia: deve conservar aquele conjunto de “bens humanos” que o liberalismo na sua versão mais extrema ameaça ou destrói. Entre esses bens estão a família e a religião perante um mundo crescentemente individualista e secularizado.

A função de um conservador em política é conservar, e não afrontar, a herança liberal que triunfou no século 20 contra tiranias de todo tipo

A questão, porém, é saber como. Sim, como conservar a família quando as taxas de fecundidade despencam no Ocidente? E que dizer da religião, quando é o abandono dos fiéis, e não necessariamente um complô ateu, que esvazia as igrejas? Douthat não oferece resposta; apenas afirma, com razão, que a ausência de uma resposta vai jogando a direita para os braços do radicalismo e do reacionarismo.

Acontece que existe uma resposta. Uma boa resposta. Ela foi oferecida por Michael Oakeshott há mais de 60 anos no ensaio Ser Conservador. Por motivos acadêmicos, reli o texto recentemente na ótima edição da editora Âyiné (Conservadorismo).

A parte mais conhecida do ensaio está no fato de Oakeshott definir o conservadorismo como uma “disposição” pessoal, e não tanto como uma ideologia. Ser conservador, na bela prosa de Oakeshott, é “preferir o familiar ao estranho, preferir o que já foi tentado a experimentar, o fato ao mistério, o concreto ao possível, o limitado ao infinito, o que está perto ao distante, o suficiente ao abundante, o conveniente ao perfeito, a risada momentânea à felicidade eterna”. Como é evidente, qualquer um pode exibir essa disposição na sua vida pessoal. Até pessoas de esquerda. Conheço várias. E o inverso também acontece: pessoas de direita que, nas suas condutas privadas, são tudo menos conservadoras. Também conheço várias.

Mas é quando Oakeshott reflete sobre o conservadorismo em política que as coisas se tornam interessantes. Tão interessantes que o ensaio sempre provocou hostilidade em muitos conservadores (Irving Kristol, o alegado pai do neoconservadorismo americano, recusou publicá-lo na revista Encounter). Fácil entender por quê: para Oakeshott, o conservadorismo do futuro será liberal ou não será. Que o mesmo é dizer: “O ofício de governar não é impor aos outros suas crenças, nem educar ou tutelar ninguém, nem fazê-los melhores e mais felizes de outra maneira, nem direcioná-los, incentivá-los a agir, liderá-los ou coordenar suas atividades de forma que nenhum conflito surja; o ofício de governar é simplesmente garantir que a lei seja cumprida”.

Seis décadas depois, Oakeshott foi um visionário ao antecipar os tribalismos do nosso tempo: gente apaixonada por si própria que, à esquerda e à direita, quer fazer-nos melhores ou mais felizes. Contra essas tentações radicais, sejam revolucionárias ou reacionárias, o autor relembra que a função de um conservador em política é conservar, e não afrontar, a herança liberal que triunfou no século 20 contra tiranias de todo tipo. É conservar a democracia; o Estado de Direito; a separação e a limitação dos poderes; a liberdade de pensamento e de expressão; a livre iniciativa e a autonomia dos indivíduos para viverem suas vidas como entenderem, mesmo que isso implique menos bebês na família e menos igrejas lotadas.

No fundo, Oakeshott compreendeu que a ambição de parar a mudança ou de reverter os ponteiros do relógio é tão absurda como sequestrar uma sociedade inteira rumo ao vanguardismo e à ruptura. O conservadorismo sempre foi, na sua tradição mais moderada e florescente, essa via média entre os extremos. Não há nenhum motivo para que não continue assim.

Conteúdo editado por:Marcio Antonio Campos
11 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]