i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

J.R. Guzzo

Foto de perfil de J.R. Guzzo
Ver perfil
Confinamento

“Remédio” contra o coronavírus é amargo e pior que a doença

  • J.R. GuzzoPor J.R. Guzzo
  • 24/03/2020 16:44
Funcionário usa equipamento de proteção completo como medida preventiva contra o coronavírus, em Dakar, em 22 de março de 2020.
Funcionário usa equipamento de proteção completo como medida preventiva contra o coronavírus, em Dakar, em 22 de março de 2020.| Foto: AFP

E se, no fim de todas as contas, o presidente Jair Bolsonaro estiver certo e os radicais do combate ao coronavírus estiverem errados – ou, pelo menos, se ele estiver mais certo do que errado na guerra de palavras e de ações para enfrentar a pandemia? Vamos ter um problema, e a única saída será ignorar por completo que as coisas tenham sido assim e mudar de assunto.

O fato é que mais e mais cabeças de primeira classe vão se sentindo livres para dizer o que pensam. Mais e mais o raciocínio lógico tem encontrado oportunidade de dividir o espaço com o pensamento predominante de que é preciso “fechar tudo” para combater o vírus. O resultado é que muita gente que tem credenciais impecáveis para falar sobre o tema está dizendo que a opção pelo pânico, adotada no Brasil e em dezenas de países tidos como sérios, está fundamentalmente errada.

Thomas Friedman, sem dúvida um dos observadores mais qualificados das realidades em nossa época – sua opinião vale, pelo menos, tanto quanto à do vereador de Brejo do Fim do Mundo que fala todos os dias na televisão sobre a necessidade de “aprofundar” a paralisação do planeta – é um bom exemplo disso. Quem está resolvendo as coisas é a turma do vereador de Brejo do Fim do Mundo, claro, mais uma manada de autoridades e burocratas em pânico, mas Friedman é um homem que usa a cabeça para pensar. É muito mais negócio ouvir o que ele diz do que aquilo que você vê publicado por aí.

Ele acaba de escrever, no The New York Times, o que os jornalistas Geraldo Samor e Pedro Arbex definiram como “o mais contundente até agora sobre o risco do breakdown global” imposto ao mundo. Esse risco é muito claro. A abordagem extremista no combate à epidemia pode transformar a “vitória sobre o vírus” numa derrota insensata para o ser humano.

“Alguns especialistas”, escreveu Friedman em seu artigo, “estão começando a questionar: ‘Esperem um minuto. O que estamos fazendo com nós mesmos? Com a nossa economia? Com a próxima geração? Será que essa cura não acabará sendo pior que a doença?” Friedman tem uma recomendação que parece imbatível. “Cuidado com o ‘pensamento de grupo’, pois mesmo pequenas escolhas erradas podem ter grandes consequências.”

A base de sua argumentação está num ponto no qual muitos dos infectologistas mais competentes do mundo tem insistido desde o começo de tudo isso. (Eles não são, necessariamente, aqueles que os jornalistas procuram em São Paulo, como se a ciência médica fosse uma exclusividade confinada aos limites territoriais do estado; existem em outros lugares, também). O ponto é a baixa, possivelmente baixíssima, taxa de mortalidade do coronavírus – a “taxa de letalidade”, como dizem. Ela pode ser de 1%, ou menos ainda – e isso tem, obrigatoriamente, de ser levado em conta pelos governantes que estão tomando decisões fundamentais sobre as nossas vidas.

Essas autoridades que resolvem tudo, escreve Friedman, “estão tendo de tomar decisões de vida ou morte, enquanto guiam um carro no meio da neblina, com informação imperfeita” e pressionados pela gritaria de todo mundo que viaja no banco de trás do carro. É claro que o risco de fazerem a coisa errada é extremamente alto – ou você acha que não?

É o que está acontecendo. Esqueceu-se a natureza do vírus: apavorados com a rapidez da sua proliferação, os governantes se recusam a examinar qualquer outro dos seus aspectos. Em vez de se concentrarem no tratamento dos que ficam efetivamente doentes, dando prioridade ao atendimento nos hospitais, à distribuição de equipamentos, ao treinamento de pessoal, partiram para a quarentena como a grande salvação de tudo.

“Paralisar o mundo com consequências potencialmente tremendas pode ser totalmente irracional”, diz Friedman. “É como atacar um elefante com um gato doméstico”.

11 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 11 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • J

    José Tadeu Araujo

    ± 1 horas

    Tenho constatado há muito tempo que os especialistas de quaisquer áreas consultados pelos meios de comunicação, são sempre os mesmos. Portanto, estamos sempre ouvindo, lendo, assistindo as mesmas opiniões . Sou assinante do Estadão e, ultimamente, tenho levado mais tempo fazendo as palavras cruzadas do jornal do que lendo o que escrevem. Mas, como dizia aquele ator americano: se não leio jornal, sou ignorante e se eu leio sou mal informado.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • G

    Gisa

    ± 8 dias

    Eu fico tremendamente irritada quando leio uma matéria como essa. Qualquer estudante medíocre de epidemiologia sabe que a solução para uma epidemia do tipo dessa que estamos vivendo é a quarentena e o isolamento social. Mas, uns desgraçados que só pensam no lucro e no dinheiro investido não querem nem saber de proteger e preservar vidas humanas. Um por cento de 200 milhões de pessoas significa nada mais nada menos que dois milhões de mortos. Na Itália a letalidade está em 10%, na China 3,4%. Quem disse que no Brasil vai ficar em 1%? Ainda que fosse tão baixa a letalidade não temos estrutura hospitalar adequada para atender tanta gente.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • P

    Paulo T R L Cava

    ± 9 dias

    Guzzo, você é imbatível em seus artigos. Parabéns meu guru.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    joão José Augusto Mendes

    ± 9 dias

    O grande problema é que a campanha das eleições de 2022 foram antecipadas para agora, então cada um quer usar a pandemia para mostrar que ele estava certo, o ****** não vê que poderá pegar um pais pior do que aquele deixado por 13 anos de patismo. Até o walking dead do Lula veio dizer que o Bolsonaro renuncia ou será impedido. Quem vai ganhar com tudo isso a China.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • S

    sandra do barros

    ± 9 dias

    Um ponto de vista equilibrado que merece ser aprofundado pelas autoridades! Parabéns, Guzzo!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    marcio

    ± 9 dias

    Em poucos meses saberemos quem tinha razão. Mas como é bom ler opiniões sensatas e equilibradas como as do Guzzo. Vale a assinatura deste jornal.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • E

    Eden Lopes Feldman

    ± 9 dias

    Fica fácil de observar que a tutela do estado na vida dos cidadãos acaba levando a exageros como esta quarentena. E principalmente para demonstrar que as autoridades na área de saúde já sabem: o colapso está na rede de saúde, precária e insuficiente, incapaz de atender em situações como esta. E a quarentena horizontal surgiu para esconder esta incompetência estatal acumulada ao longo de décadas. Temos muitas diferenças dos países que enfrentam esta doença. Mas a grande maioria dos políticos usou da histeria para se promoverem. Aqueles que estão no estado, políticos, funcionários públicos e aposentados continuarão a receber seus proventos. Mas os pequenos empresários e autônomos não. E aí?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    JULIO CESAR DA SILVA

    ± 10 dias

    Sempre Brilhante JR Guzzo! Acredito que a quarenta deve ser breve e em sequência o isolamento deve ser de pessoas doentes e aquelas do grupo de risco! E a vida deve seguir normalmente, devendo o sistema de saúde se equipar para combater o mal e atender a doença, sem destruir a economia e a vida das pessoas!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    jussara weltson

    ± 10 dias

    Penso que tudo isso é exagero Deveriam ser tomadas medidas de prevenção sim, mas com bom senso. Não se pode parar um país inteiro, com uma população carente em sua maioria, sem colocar todo um sistema em risco. Parece que tudo tem de ser "oito ou oitenta", Só que se a industria e comercio param, não tem imposto, se não tem imposto, não tem dinheiro pra funcionalismo publico nem pra aposentadorias. Sem falar na população que depende do dia a dia para sobreviver.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • E

    Euclides

    ± 10 dias

    Tenho 66 anos, estou no grupo de risco, estou com medo sim, porém sem pânico, e vejo tudo parado, economia em colapso, temos que ter cuidados e mudar de hábitos. Este confinamento de todos não está certo, o meu confinamento está correto

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • E

    Eduardo Prestes

    ± 10 dias

    Estamos ainda aprendendo sobre o vírus. É sério, por ser muito contagioso e ter uma letalidade relativamente alta (uns 5% dos casos registrados). A quarentena deveria servir para a preparação de centros de atendimento de pesquisa de remédios e vacinas. Mas deve acabar rápido, mesmo com o vírus ativo. As pessoas são capazes de cuidar de si mesmas. com medidas de prevenção, de forma a estender o tempo de contágio na população...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.