Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
É por isso que eu não assisto mais ao Oscar
| Foto: Reprodução

Apesar de ser um cinéfilo inveterado e de ter exercido por muitos anos a atividade de crítico de cinema, já faz tempo que desisti de assistir ao Oscar. Perdi o interesse na cerimônia a ponto de nem saber mais dizer que filmes estão concorrendo. Tudo ali me é estranho e indiferente.

O Oscar não é mais sobre cinema. Virou uma maratona de lacração nonstop e bom-mocismo fake, recheada de piadas de mau gosto e de figurinos cafonas. E o objetivo não é mais premiar o talento, e sim promover uma suposta justiça social compensatória e a representatividade identitária – pertencer a determinado gênero, etnia ou orientação sexual (ou, pior ainda, defender determinada ideologia) é o que conta.

Como se tudo isso não bastasse, o Oscar agora também virou palco de sopapos ao vivo. E as pessoas ainda acham bonito. Que triste.

Parece que a tendência deste ano entre os virtuosos hollywoodianos foi protestar contra a invasão da Ucrânia usando uma fita azul com a frase “With refugees” (“Com os refugiados!”). Oh! Uma lágrima correu pelo rosto de Putin. E a vida dos refugiados melhorou muito depois dessa manifestação tão generosa de apoio.

Parafraseando o menino Neymar, senti saudade do que não vivi quando me deparei com a foto abaixo, tirada nos bastidores do Oscar de 1956. Ela mostra Audrey Hepburn e Grace Kelly se preparando para entrar no palco, para apresentar os vencedores de melhor ator e melhor filme daquele ano.

As duas, aliás, já tinham recebido o Oscar de melhor atriz – Audrey Hepburn em 1954, por sua atuação no filme “A princesa e o plebeu” (“Roman Holiday”, dirigido por William Wyler, com roteiro de Dalton Trumbo), e Grace Kelly no ano seguinte, por “Amar é sofrer” (“The Country Girl”, de George Seaton, com um elenco que também contava com Bing Crosby e William Holden).

Não parece exagero dizer que hoje a elegância e a beleza das duas atrizes soariam ofensivas à militância dita progressista (seriam, no mínimo, chamadas de gordofóbicas pelos militantes do sobrepeso lacrador). Classe incomoda, é coisa do passado. Legal mesmo é lacrar, usar vestidos tão ridículos quanto caros e – por que não? – subir no palco e embolachar um colega depois de uma piada cafajeste. É, o nível baixou muito.

Um filme deve ter seu elenco determinado pelas necessidades internas do enredo e dos personagens, não como imposição externa da indústria para cumprir cotas e agradar à mídia lacradora

Na festa do Oscar, o cinema hoje é coadjuvante. Vale lembrar que desde 2020 vigoram oficialmente, entre outras, as seguintes recomendações da Academia de Artes e Ciência de Hollywood para um filme concorrer à estatueta principal, independentemente do tema ou do enredo:

- entre os atores principais ou coadjuvantes importantes, pelo menos um deve integrar algum dos seguintes grupos étnicos: asiáticos, hispânicos, negros, indígenas, do Oriente Médio, do Norte da África, havaianos ou de outras ilhas do Pacífico e outras etnias sub-representadas;

- pelo menos 30% dos atores em papéis secundários precisam integrar dois dos seguintes grupos: mulheres, grupos raciais ou étnicos, grupos LGBTQI+ e pessoas com deficiências cognitivas ou físicas.

Além disso, recomenda-se que filmes cujos protagonistas sejam mulheres, pessoas LGBTQI+ e pessoas com deficiências cognitivas ou físicas devem ter precedência aos olhos dos votantes sobre filmes protagonizados por homens hetero, aka "machos escrotos" (porque homem hetero é hoje sinônimo de macho escroto).

Ora, evidentemente a diversidade no cinema é algo positivo e desejável, mas as distorções geradas por regras assim são tão evidentes que chega a dar preguiça explicar. Por óbvio, mesmo quando é apenas entretenimento – e mais ainda quanto tem pretensões a obra de arte – um filme deve ter seu elenco determinado pelas necessidades internas do enredo e dos personagens, não como imposição externa da indústria para cumprir cotas e agradar à mídia lacradora.

Depois reclamam da audiência em queda: este ano foram 13,7 milhões de espectadores, uma fração dos 57,3 milhões de espectadores que assistiram à cerimônia do Oscar de 1998 (o ano de “Titanic”). Isso somente nos Estados Unidos.

Li recentemente um diagnóstico anônimo perfeito: hoje os profissionais de Hollywood estão mais preocupados com o ‘merchandising social’ do que em realizar bons filmes; o resultado é um cinema que não dialoga mais com o público e que pode acabar atraindo antipatia às causas que supostamente homenageiam.

É o que acontece quando o que sobra em lacração falta em conteúdo. Porque você pode impor a um filme as regras mais estapafúrdias, mas não pode obrigar o cidadão comum a sair de casa e pagar ingresso para ver esse filme.

Por fim, sobre a bolacha: não faz diferença se foi espontânea ou encenada. Nem sei o que é pior. Só me pareceu que foi um tapa muito coreográfico, como se tivesse sido ensaiado. Numa época em que vale tudo para virar assunto, “engajar” internautas e viralizar nas redes sociais, não me surpreenderia se fosse apenas mais um truque de mau gosto, uma polêmica fabricada para tentar turbinar uma cerimônia decadente.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]