Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Os idiotas já dominaram o mundo
| Foto: Reprodução Instagram

Afirmou Nelson Rodrigues que os idiotas vão tomar conta do mundo – “não pela capacidade, mas pela quantidade. Eles são muitos”. Estava certíssimo.

A profecia de Nelson já se realizou: os idiotas dominaram o mundo. Aliás, o dramaturgo – que em determinada altura da vida assumiu o epíteto “o reacionário”, com um misto de orgulho e ironia – só não foi cancelado ainda porque as milícias do politicamente correto e do ódio do bem não tiveram tempo de ler suas peças teatrais e coletâneas de artigos, só pode ser. Mas é questão de tempo.

Ontem eu me deparei no Twitter com a thread de um diálogo impressionante, do qual reproduzi abaixo um trecho. Pode ser uma piada, uma brincadeira entre amigos? Pode (e, sinceramente, espero que seja). Mas não faz diferença, porque é um retrato da nossa época. Basta um rápido passeio pelas redes sociais para constatar que o tempo inteiro acontecem conversas assim, ou até piores.

“_ O aumento do combustível provoca a alta dos preços em geral, amigo. Ou seja, também te impacta_ Sim kkkkk. Até porque tudo tem gasolina, né? O arroz tem gasolina, feijão tem gasolina... Precisa pra dar gosto, né? kkkkk. Procura um psiquiatra, conselho de amigo. Aí você explica pra ele como tudo tem gasolina.”

O que pode fazer alguém ficar feliz com o aumento do preço dos combustíveis? Só consigo pensar em duas respostas: ressentimento e a ideologia. O raciocínio do ressentido é mais ou menos assim: “Eu não tenho carro, esse aumento só vai afetar azelites. O preço da gasolina subiu? Eu acho é pouco, quem vai sofrer são os ricos!”. Os ricos vão sofrer muito, aham...

Já o militante fica feliz com tudo que prejudica o governo: ele comemora o aumento da gasolina como comemora a censura e como comemorou, de forma mal disfarçada, a tragédia da pandemia.

Pouco importa que os mais afetados por tragédias e notícias ruins sejam sempre os mais pobres: a motivação do militante é sabotar e torcer contra, porque ele prefere ver o país destruído a ver o país dar certo com seus adversários políticos no poder. Eles podem até fingir indignação, mas no fundo ficam felizes diante de qualquer sinal de crise. Quanto pior, melhor.

A novidade não é a idiotice, que sempre existiu. A novidade é que os idiotas abriram mão de qualquer pudor: eles assumem abertamente e de forma cada vez mais arrogante a sua idiotice, porque hoje sabem que são maioria. É o triunfo do cretinismo.

O militante fica feliz com tudo que prejudica o governo: ele comemora o aumento da gasolina como comemora a censura e como comemorou, de forma mal disfarçada, a tragédia da pandemia

Não muito tempo atrás, mesmo um idiota tentaria entender o que o interlocutor do Twitter quer dizer quando afirma que o aumento do preço dos combustíveis afeta a vida de todo mundo. Hoje não: o idiota se sente à vontade para ridicularizar, desqualificar e esculachar qualquer um que conteste a sua idiotice. E vai ter sempre um exército de idiotas dando like.

Eles, os idiotas, vencem pelo cansaço. Para que perder tempo tentando explicar para quem não quer entender? Ainda mais nas redes sociais, onde qualquer palavra mal interpretada (e está faltando muito interpretação de texto, na mesma medida em que sobram má-fé e mau-caratismo) pode render acusações as mais infames, de fascista pra baixo.

E se responder ao xingamento a coisa só piora. É a ilustração perfeita do teorema da pocilga, formulado, se não me engano, por Bernard Shaw: se você entrar em uma pocilga para brigar com um porco, você vai perder, vai ficar todo enlameado, e o porco vai ficar feliz. Hoje as redes sociais são a pocilga. Se puder evitar, não entre.

É tanta idiotice que já existem manuais ensinando como lidar com os idiotas. Acabo de comprar um livro que promete ser muito útil, ainda mais em ano eleitoral: “Cercado de idiotas – Conheça os quatro tipos de comportamento humano e aprenda a se comunicar de maneira eficaz com as pessoas no trabalho e na vida”, do especialista em comunicação sueco Thomas Erikson.

A obra já vendeu mais de 1,5 milhão de exemplares – o que ao menos sinaliza que tem muita gente preocupada com o aumento da idiotice no mundo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]