i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Luciano Trigo

Foto de perfil de Luciano Trigo
Ver perfil

Série argentina “Quase feliz” aborda com leveza a crise da meia-idade

  • Luciano TrigoPor Luciano Trigo
  • 15/06/2020 09:50
Série argentina “Quase feliz” aborda com leveza a crise da meia-idade
| Foto:

Em uma cena de “Quase feliz”, série argentina recém-lançada pela Netflix, perguntam ao protagonista Sebastián se a sua cabeça, por assim dizer, avantajada pesa muito. “Não sei, não tenho com que compará-la”, ele responde. A piada é boba, mas revela dois aspectos interessantes do personagem: a capacidade de rir de si mesmo e a recusa à vitimização politicamente correta – duas características em falta nos dias de hoje. Seba não se ofende com a brincadeira porque não se leva demasiado a sério; e, mais simplesmente, porque é adulto; mas, na “sociedade do mimimi” em que vivemos, ele poderia muito bem processar seu interlocutor por desrespeito aos cabeçudos.

Assista abaixo ao trailer da série “Quase feliz”:

Saber rir de si mesmo faz bem para a saúde e é um sinal de inteligência: episódio após episódio (dez ao todo), “Quase feliz” reitera a importância de exercitar essa atitude diante da vida.

Sebastián (Sebastián Wainraich) é um locutor de rádio medianamente famoso que lida diariamente com problemas reais ou imaginários, banais ou nem tanto. Quarentão, separado e com um casal de filhos, ele tem dificuldade em demonstrar sentimentos e em se enquadrar nas expectativas sociais. Ainda que objetivamente tenha uma vida razoável; ainda que sua relação com a ex-mulher Pilar (Natalie Pérez, ótima no papel) seja boa (e marcada por uma permanente tensão sexual); ainda que tenha pais vivos e saudáveis; ainda que goste do seu trabalho e da cidade onde vive (Buenos Aires), Seba não consegue se sentir plenamente feliz. Com um ar permanentemente perdido, ele tem a sensação de estar vivendo pela metade (além de estar na “metade da vida”, título do seu programa radiofônico).

Talvez isso explique o sucesso da série, a mais vista da Netflix na Argentina, apesar de seu orçamento modesto: muitos espectadores seguramente se identificam com esse sentimento de não estar plenamente integrado, nesse desconforto diante das normas e convenções sociais, nessa impressão de que sempre falta algo para a felicidade, mesmo na chamada “zona de conforto” em que geralmente tentamos viver.

Sebastián Wainraich e Natalie Pérez: o lado cômico da angústia contemporânea
Sebastián Wainraich e Natalie Pérez: o lado cômico da angústia contemporânea

O tema da crise de meia-idade não é original, mas o tratamento é engenhoso: “Quase feliz” aborda de forma leve um tema profundo, que é a angústia do homem maduro contemporâneo em busca de um sentido para a existência – busca que se faz mais urgente e dramática à medida que envelhecemos.

Os roteiros, quase sempre leves e ágeis, são assinados pelo próprio Sebastián Wainraich, apresentador de rádio e humorista na vida real, em parceria com Alejandro De Grazia e Hernán Guerschuny. Wainraich e Guerschuny, aliás, já tinham trabalhado juntos na comédia de longa-metragem “Una noche de amor”, que também fala do universo do homem de meia-idade em estado de confusão afetiva.

Seba é um cara de hábitos comuns, que gosta de ver futebol, de comer em lugares simples, de encontrar amigos (mas não com muita frequência). Também é dado à nostalgia. O humor de “Quase feliz” é tipicamente argentino, mas se pode reconhecer na narrativa a influência de Woody Allen, Larry David e Jerry Seinfeld, na abordagem das neuroses, frustrações e pequenas inseguranças dos personagens, bem como no recurso à autoparódia.

Ainda que as cenas externas sejam poucas, a cidade de Buenos Aires é uma personagem importante da série, com sua geografia, seus engarrafamentos, seu comércio, seus costumes, sua vibração particular, sua poesia. Nesse sentido, “Quase feliz” merece ser elogiada também por seu localismo, isso é, por enfatizar seu caráter especificamente argentino, na contramão da tendência de se buscar uma linguagem neutra, sem identidade, facilmente consumível em qualquer país – mal que afeta algumas séries brasileiras, aliás. Como dizia Tolstoi, "canta a tua aldeia e serás universal”.

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 1 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • N

    NIWA

    ± 7 dias

    Bom texto sobre uma série que parece interessante

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso