Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
A decomposição do cristianismo
| Foto: BigStock

O cristianismo está em decomposição e dentro de algum tempo será engolido pelo paganismo politeísta, a religião natural do homem. Afirmação forte essa, não? Vejamos.

Fala-se com frequência acerca do mundo pós-cristão, secular, enfim, um mundo – principalmente no Ocidente, claro – em que o cristianismo, depois de dominar o cenário histórico, estaria sofrendo uma retração como força pública.

O filósofo argentino Silvio Juan Maresca, no seu ensaio "Cristianismo y Paganismo", parte da coletânea "La Religión em la Época de la Muerte de Dios", ou a religião na época da morte de Deus, organizada por Leandro Pinkler e publicado pela Marea Editorial em 2005, prefere descrever o processo pelo qual passa o cristianismo como uma decomposição. É nessa decomposição, e portanto a partir do próprio cadáver, que ele se abre ao retorno do paganismo.

A definição de religião trabalhada por Maresca segue uma tradição existencial da filosofia. Segundo ela, a religião é uma resposta à inconsistência ontológica do homem e do mundo, isto é, somos insuficientes diante de uma realidade monstruosamente –e belamente– indiferente a nós. Somos frágeis. Precisamos de suportes pra resistir a vida. O debate aqui é vasto, e não vou adentrar nele hoje.

O que me chama atenção nessa ideia de decomposição do cristianismo de Maresca é a afirmação de que o paganismo seria perene porque ele atende de forma muito mais satisfatória aquilo que o homem busca numa religião.

O que o paganismo tem que o cristianismo não tem? Podemos incluir outros monoteísmos aqui, se quisermos. Que inteligentinhos cristãos não venham me acusar de "cristofobia". O cristianismo acabou por criar muitos problemas para si próprio ao se tornar excessivamente reflexivo. E as pessoas, quando buscam a religião, querem, no fim do dia, e como está na moda dizer, mágica.

Um dos becos sem saída, proposto antes pelo judaísmo, é a ideia de que Deus é bom. O cristianismo foi mais longe e o tornou equivalente ao amor. Com esse passo, precisou inventar modos mágicos –ou proféticos– de explicar o fato, indiscutível, de que o mundo é bem ruinzinho para ser fruto de um Deus tão bonzinho.

O cristianismo sobreviveu ao paganismo antigo greco-romano e "bárbaro" europeu, mas o paganismo nunca saiu dele. A própria literatura apocalíptica, e suas mágicas cosmológicas sobre o fim do mundo, nada mais é do que uma cosmogonia reversa.

O grego Hesíodo, que escreveu cosmogonias gregas clássicas, poderia escrever livros como o "Apocalipse".

Os milagres de Jesus, como o da multiplicação da comida e da bebida, o andar sobre as águas, ou ainda a ressurreição de Lázaro e de si mesmo, nada mais são do que expectativas mágicas do paganismo aplicadas ao cristianismo.

Hoje a decomposição do cristianismo implica a dissolução do seu núcleo teológico (um Deus ao mesmo tempo único e trino, a ética, a recusa da mágica como herança do judaísmo) em formas contemporâneas de paganismo.

Quer exemplos?

Ecocristianismo, expectativas de reencarnação, cirurgias espirituais, abertura a outras narrativas religiosas concorrentes, numa espécie de politeísmo inconfesso, sessões de "desobsessão espiritual" em templos evangélicos, o hibridismo com religiões de matriz africana, um Jesus que combate a ganância dos capitalistas, como um Apolo que defende uns gregos contra outros, enfim, são muitos os sinais e sintomas do paganismo.

A avançada arqueologia da religião na pré-história parece indicar que não existe nenhum acúmulo gradual de práticas religiosas que iria de fragmentos de comportamentos religiosos à formação de grandes religiões. O Homo sapiens pode praticar rituais e de repente abandoná-los.

Portanto, não há um clímax de evolução religiosa. Pensar que ele existe é já pensar religiosamente. Aqui também andamos em círculos.

O paganismo politeísta é muito mais vocacionado ao convívio com outras crenças, e, de certa forma, as pressupõe. Ele supostamente encanta a natureza com energias, que, paulatinamente, devoram a pobreza mágica do cristianismo oficial. A mágica da ressurreição já está muito longe no tempo. As pessoas querem ressuscitar agora. Querem viver num mundo encantado. Jesus deve imitar Zeus.

114 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]