Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Apartheid nas escolas: solução da patrulha para acabar com o racismo
| Foto: Facebook

Imagine se o reverendo Martin Luther King voltasse hoje ao mundo e tivesse uma aula de "letramento racial" com a galera da seita zen-fascista? Esqueçam "I have a dream", o pessoal já sambou em cima desse sonho. "I have a dream that my four little children will one day live in a nation where they will not be judged by the color of their skin but by the content of their caracter", é a frase mais conhecida do gigante na luta pelos direitos civis dos negros americanos. "Eu tenho o sonho de que um dia meus quatro filhos pequenos viverão em uma nação na qual eles não serão julgados pela cor da sua pela, mas pelo conteúdo do seu caráter". Vai ficar sonhando.

A patrulha identitária inventou agora o Apartheid do Bem. Como funciona? É a mesma coisa que o Apartheid, mas é feito pela turminha do zen-fascismo, então passa a ser super correto, antirracista e ter uma justificativa linda e pacífica. Não sei se a moda já chegou aqui no Brasil. (Se souber de algo, mande para o pessoal do atendimento ao leitor me repassar.) Nos Estados Unidos, programas e áreas exclusivas para "estudantes de cor" são a nova realidade antirracista.

O jornalista norte-americano Christopher Rufo, que é tão amado quanto eu pela bancada da lacração, tem catalogado casos concretos em que escolas públicas do país dele propõem eventos com segregação racial. Ele busca as explicações para esse tipo de atrocidade. Seria cômico se não fosse trágico.

Na imagem que ilustra este artigo, a proposta é uma excursão só para "estudantes de cor" levados só por "professores de cor". Gente, mais isso não é meio parecido com Apartheid? Não, se for do bem. Daí trata-se de "providenciar a oportunidade para que estudantes de cor estejam com um grupo de professores que se parece com ele e tem experiências de vida parecidas". Infelizmente, não é um caso isolado. Pelos comentários no tweet você vai ver que muita gente já acha que segregação racial é uma boa coisa.

Esse é o caso de uma escola pública em Denver e acabou repercutindo na imprensa internacional. Botaram um letreiro gigante promovendo a noite familiar do playground do Apartheid. Ninguém percebe? É um evento mensal em uma escola pública no país que pouco tempo atrás teve um movimento enorme para garantir que fosse banida toda forma de segregação racial. Não pode fazer segregação racial em escola. Quer dizer, se for do bem, pode sim.

Para as autoridades educacionais, o espaço exclusivo para "famílias de cor" não é segregação racial. “Os líderes da escola da Centennial receberam um pedido específico das famílias para criar um espaço de pertencimento. A Centennial atendeu ao pedido. Apoiamos esforços como este, pois fornecem conexões, apoio e inspiração para famílias que compartilham experiências semelhantes e vêm de origens semelhantes.”, disse o departamento de escolas públicas de Denver.

As pessoas que hoje promovem o Apartheid do bem têm familiares que lutaram contra a segregação racial nos Estados Unidos, que viveram esse inferno. Como é possível não perceber que estão fazendo exatamente a mesma coisa? Há uma parte da humanidade que resolveu abdicar da realidade. Tem gente que cancela por racismo quem fala criado-mudo porque inventaram uma origem para a palavra e, ao mesmo tempo, apóia segregação racial. E faz sucesso, viu?

Ainda não vi isso em escolas no Brasil, vejo em novelas, no jornalismo e demais nas redes sociais. Talvez você já tenha ouvido a expressão "palmitagem". É uma acusação que se faz à pessoa negra que pretende ter filhos com uma pessoa branca. Na lógica do zen-fascismo, seria um processo opressor de branqueamento da raça para que os negros sejam eliminados.

Gente, eu já tinha ouvido isso em algum lugar. Sim, o pessoal do White Power fala exatamente a mesma coisa. Eles acham que existe uma conspiração mundial para acabar com a raça branca e por isso são contra misturas étnicas, a favor da segregação. Como vai dar certo um movimento antirracista que, na prática, propõe a mesma medida que a Ku Klux Klan? Cancelando quem discordar, igual a KKK também. Mas agora é tudo pelo bem.

Quem embarca nas piores barbáries autoritárias nunca vai te dizer que é sangue ruim mesmo e gosta de ver o sofrimento alheio. Se você é meu leitor frequente já peço desculpas antecipadamente pela frase repetida. Repito sempre algo que aprendi no universo da psicologia e é fundamental nesses tempos de Cidadania Digital, grupos polarizados e decisões rápidas: a tétrade sombria (narcisistas, sádicos, psicopatas/sociopatas e maquiavélicos) sempre terá justificativa moral para praticar as barbáries com que se deleita e arrumará apoio entre os que acreditarão.

Mais importante do que a justificativa da pessoa ou o discurso são as ações e os frutos. É difícil para nós, já que ter razão é uma delícia e ver gente ruim se dar mal é melhor ainda. Ocorre que a gente pode ficar tão hipnotizado com isso que não percebe ter sido enganado ou ter ajudado na vitória de gente ainda pior. Quem propõe segregação racial quer um único resultado, jamais foi bom para a humanidade.

Termino citando uma escritora que sempre me inspira, Hannah Arendt, em sua obra de 1951, Origens do Totalitarismo: "O sujeito ideal do governo totalitário não é o nazista convicto ou o comunista convicto, mas as pessoas para as quais a distinção entre fato e ficção e a distinção entre verdadeiro e falso não existe mais". Preste atenção em quem tem muitas certezas, em quem se preocupa mais com o que acha do que com o que sabe, em quem jamais admite não saber.

Ligar os pontos entre fatos por meio de pensamento mágico é algo que nosso cérebro faz com prazer. A desconexão dos problemas da realidade, sobretudo quando feita em grupo, é acolhedora. Somos gregários e queremos acreditar que somos bons. É dessa autoindulgência que nasce a barbárie. Só a humildade salva. Aprender sempre, ouvir para entender e não para rebater, ter em mente que todos erramos e eu posso estar errada agora são práticas para jamais deixar de lado nesses tempos bicudos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]