Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Finalmente resgatados, os “trombeteiros do Apocalipse” pagarão multa.
Finalmente resgatados, os “trombeteiros do Apocalipse” pagarão multa.| Foto: Reprodução - vídeo divulgação ICMBio

Como um país pode chegar à distopia completa, a viver o absurdo como se fosse rotina? Aos poucos. É a única forma. O absurdo imposto de uma vez só causa indignação, levanta oposições, questionamentos e resistências. Quando ocorre aos poucos, parece que é só mais um centímetro, coisa pouca para quem já andou quilômetros.

Trinta anos depois, a mais fantástica e inexplicável demonstração da fé popular brasileira já parece uma coisa até corriqueira, organizada. Minha geração impressionou-se com Didi Mocó doutor Renato escalando o Cristo Redentor na Rede Globo. O que é isso perto dos dois senhores que passaram nove dias tocando trombeta no Dedo de Deus sem equipamento para descer?

As promessas, romarias e demonstrações de sacrifício fazem parte da nossa cultura religiosa. Compreendo o sentimento que leva conhecidos meus a ficarem meses sem comer chocolate ou tomar refrigerante por compromisso com um santo. Cresci vendo a emoção de quem agradecia pelas graças alcançadas em romarias, com velas gigantescas, fazendo percursos de joelhos ou carregando cruzes. Mas nunca entendi a coisa de escalar o Cristo Redentor.

Ocorreu no Criança Esperança de 1991. Renato Aragão, estrela da TV brasileira, resolveu agradecer pelos 25 anos dos Trapalhões. A TV Globo montou uma operação inédita para possibilitar o feito, transmitido ao vivo e com direito a cobertura do Jornal Nacional. Eu sempre imaginei por que não doaram a grana investida nisso para o Criança Esperança e botaram o cara para subir até o Cristo de joelhos. Muitos consideram absurdo este meu pensamento.

Esta era uma imagem que, na década de 1990, parecia surreal. Vivíamos outro mundo, analógico, que impunha barreiras à competição de quem consegue ir mais longe nas coisas. Outro dia me mandam um vídeo mostrando que um helipcóptero não identificado despejou duas pessoas no topo do Dedo de Deus e foi embora. Achei que era montagem, claro.

A história é ainda mais curiosa do que parece. Eles estavam há dois dias a 1692 metros de altura sem equipamento de escalada quando foram vistos por alpinistas, que entraram em contato com o ICMBio, órgão do governo federal. Os técnicos cogitaram tirar os dois de lá a força, depois denunciaram ao Ministério Público. Aliás, nada que eu conte superará esta nota oficial.

NOTA INFORMATIVA - ACAMPAMENTO IRREGULAR NO DEDO DE DEUS

No dia 02/09/2021, o ICMBio constatou que ocorreu um voo de helicóptero tripulado não autorizado sobre o Dedo de Deus no interior do PARNASO.

Na ocasião, não foi possível obter maiores evidências e autoria, devido a impossibilidade de identificação da aeronave à longa distância no vídeo produzido pela equipe de monitores da BR-116.

Em 04/09/2021, foi comunicado por visitantes do Dedo de Deus que havia duas pessoas com material e equipamentos pernoitando no local.

Neste mesmo dia, diversas informações chegaram ao ICMBio por diferentes canais, inclusive vídeos dos possíveis infratores praticando rituais religiosos no cume do Dedo de Deus. (grifo meu)

Diante do descumprimento de regramento do Plano de Manejo do Parque e do grave risco à segurança dos envolvidos na infração e também dos outros visitantes (que de forma autorizada e agendada, frequentam este atrativo) o ICMBio estabeleceu contato com o Bombeiro (16° GBM/CBMERJ) e com o Ministério Público Federal no intuito de organizar respostas em caso de incidentes e prevenção de desdobramentos mais graves do caso.

Considerando que a retirada forçada de pessoas do cume do Dedo de Deus é uma ação que demanda equipes altamente treinadas e equipamentos próprios, considerando o grave risco advindo de tal manobra, e primando pela segurança das equipes e dos próprios infratores, decidiu-se, em conjunto com o 16º GBM - CBMERJ pela não intervenção física forçada no local. (grifo meu)

Todas as provas materiais sobre a infração cometida estão sendo colhidas e os principais autores já foram identificados.

O descumprimento de regras do Plano de Manejo em Unidades de Conservação Federais é infração administrativa prevista no Art. 90 do Decreto Federal N° 6.514/08, conforme se lê:

Art. 90. Realizar quaisquer atividades ou adotar conduta em desacordo com os objetivos da unidade de conservação, o seu plano de manejo e regulamentos: Multa de R$ 500,00 (quinhentos reais) a R$ 10.000,00 (dez mil reais).

A autuação pela infração cometida será realizada pelo ICMBio e, em uma segunda frente, o ICMBio busca agora identificar pessoas que tenham contribuído para a prática desta infração.

Caso tenha alguma informação que auxilie nas investigações, por favor, envie e-mail para icmbioteresopolis@icmbio.gov.br. Seu sigilo é garantido.

Eu sei que é pecado rir dessa nota, mas eu ri. Peço perdão. Não consigo decidir qual é a melhor parte. Imaginei o momento em que os técnicos do ICMBio receberam os vídeos de duas pessoas tocando trombeta no Dedo de Deus, os debates sobre remoção forçada, o momento em que o primeiro bombeiro ouviu a história.

Não sei o que pensar de quem paga um helicóptero para largar dois sujeitos sem equipamento no topo de um pico a centenas de metros de altura para tocar as trombetas do Apocalipse. Num primeiro momento a gente pensa ser alguém da simplicidade mental dos roteiros dos comerciais do Dollynho. Mas, dado o surrealismo em que nos metemos, vai que seja um grande gênio. Não sei mais.

O blog especializado Alta Montanha relatou que os dois homens levaram até botijão de gás para preparar as refeições durante o período em que estivessem no Dedo de Deus. As trombetas eram tocadas diariamente por volta das 15h. O relato do blog é de que "os religiosos recebiam os escaladores que chegavam lá e faziam orações". Não queriam descer, queriam alertar sobre o fim do mundo. Nesse ponto, sou obrigada a confirmar o recebimento do alerta.

Vi diversas reportagens falando do "Exército de Deus" como se fosse algo dos novos tempos, dos evangélicos metidos na política, da adoção de um discurso violento dentro da religiosidade. Se você é cristão, seja católico ou crente, sabe o problema real de dizer que eles são do grupo "Exército de Jesus": saber qual deles. Tem de tudo chamado "Exército de Jesus", ministério, grupo de oração, livro, peça de teatro e até creche. Nem todos vestem camuflado.

O episódio mistura a religiosidade simples com a grandiosidade da escalada do Cristo Redentor e a necessidade de mostrar algo a todos. São sentimentos tão poderosos que mantiveram a dupla por nove dias no topo do Dedo de Deus tocando trombeta, mesmo com várias ofertas de ajuda e equipamentos para descer. O mais intrigante é porque eles acharam que precisam avisar que vivemos o fim do mundo. E quem eles queriam avisar? Deus ou nós?

Os dois acabaram aceitando a ajuda de um alpinista para descer. Não sei o que foi feito com o botijão de gás. Ninguém sabe o que fazer com dois senhores adultos que metem-se nisso. Eles e a empresa do helicóptero serão multados por desobedecer regras de um parque nacional. O legislador não imaginou ter de criar pena para esse tipo de performance. Saem definitivamente perdendo os que vivem de ficção ou humor. Nossa realidade é a mais dura concorrência que já tiveram.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]