i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Madeleine Lacsko

Foto de perfil de Madeleine Lacsko
Ver perfil

Reflexões sobre princípios e cidadania

Rússia usa desinformação como arma de guerra nas eleições dos EUA

Secretário de Trump reconhece que há abalos contra a democracia e defende ação urgente do Pentágono.

  • Por Madeleine Lacsko
  • 05/10/2020 13:02
trump biden
Presidente dos EUA, Donald Trump, e o candidato presidencial democrata Joe Biden.| Foto: AFP

Na última sexta-feira, durante um evento fechado da NDIA (National Defense Industry Association), que reúne empresários e experts em defesa dos Estados Unidos, um alto funcionário da administração Trump defendeu que a próxima fronteira do Pentágono é a luta contra a desinformação, que precisa ser reconhecida como o que é, arma e estratégia de guerra, não um nicho específico.

Ezra Cohen ocupa um dos postos mais altos na área de defesa, é Secretário Adjunto para Operações Especiais e Conflitos de Baixa Intensidade. Estão sob o comando dele, com um orçamento de US$ 14 bilhões ao ano, toda a organização, treinamento e equipamento do Comando de Operações Especiais dos Estados Unidos. Funcionário experimentado do Departamento de Defesa, hoje é responsável por toda a formulação e supervisão de políticas para contraterrorismo, operações especiais, antinarcóticos, assuntos de detidos, manutenção da paz, assistência humanitária e operações de estabilidade.

“Nossos adversários abraçam o anonimato das plataformas de mídia social e a natureza viral do fluxo de informações à medida que empregam a política de informações como um elemento integral de sua abordagem para a competição. Eles envenenam o discurso público, minam os processos democráticos, colocam os cidadãos uns contra os outros e desviam a culpa por suas atividades malignas”, declarou Ezra Cohen, alto funcionário do Departamento de Defesa dos Estados Unidos na última sexta-feira.

Na mentalidade de quem cresceu em países democráticos, pode parecer um exagero ou tentativa de cercear a liberdade de expressão dos que pensam diferente. Já os cidadãos de países como Rússia e China sabem muito bem como funciona a guerra psicológica e o poder que ela tem sobre uma sociedade. Uma pesquisa feita pela Dentsu Aegis Network recentemente mostra que nesses países, é muito mais ampla a noção do quando a publicidade direcionada é invasiva - trata-se do único negócio das redes sociais. A futurista Martha Gabriel consolidou os dados num gráfico.

A Cambridge Analytica, empresa responsável pelo primeiro escândalo mundial de uso indevido de dados pessoais para promover guerra psicológica durante eleições, é um filhote de uma empresa tradicional da área de defesa, o SCL Group. A empresa já era especializada em operações de guerra e foi pioneira ao contratar especialistas em comportamento para formular uma metodologia com base na experiência militar de uso de informação e contrainformação da OTAN. Desenvolveu-se uma metodologia que poderia ser aplicada em várias áreas, ela foi testada em países em desenvolvimento, apurada e deu origem à Cambridge Analytica, que atuou no mundo todo. A empresa fechou, mas as técnicas são usadas agora por outros especialistas e é contra isso que os EUA querem se movimentar.

O Departamento de Defesa dos Estados Unidos não consegue agir sozinho contra a arma por excelência das guerras do século XXI, a desinformação. É necessário um esforço conjunto com outras áreas e agências do governo que "integre capacidades técnicas e conhecimento institucional entre agências civis, parceiros estrangeiros e outras entidades." , avalia Ezra Cohen. O Pentágono já tem projetos de Inteligência Artificial em teste, como o Entropy, que pretende reduzir a pressão sobre os especialistas em contrainteligência, avaliando em tempo real, com base em dados, os passos de adversários. Mas isso ainda não é suficiente para defender os cidadãos.

A ação da Rússia nas eleições dos EUA

Na primeira semana de setembro, o vice-presidente de segurança da Microsoft convocou uma entrevista coletiva à imprensa para declarar que a empresa havia detectado e frustrado centenas de ataques vindo de grupos russos e chineses contra pessoas envolvidas nas eleições presidenciais norte-americanas. "O que detectamos lembra tipos de ataques precedentes que não só têm como alvo os candidatos e funcionários das campanhas, mas também pessoas que são consultadas pelos partidos para problemas importantes", declarou Tom Burt. Rússia e China negaram.

Uma das maiores vantagens que ditaduras têm na guerra da desinformação é a ilusão do conhecimento sobre como esse processo funciona, típica de democracias. Tanto cidadãos quanto líderes, políticos e comunicadores imaginam que a desinformação tem o objetivo de defender ou refutar ideias, então não percebem o poder de guerra dessa arma.

Na última semana, foi desmascarada pelo FBI mais uma operação da Rússia que se fazia passar por site noticioso "livre e independente", dedicado à "defesa dos valores conservadores". A origem do NAEBC (Newsroom for American and European Based Citizens) foi rastreada, é a inteligência russa. O registro foi feito semana passada pela agência Reuters, que foi atrás dos redatores norte-americanos que escreveram para a publicação. O método é o mesmo que o grupo usa há anos: publica postagens e replica nas redes sociais usando perfis anônimos, impulsionamento pago e disparos em massa.

Em setembro, foi desmascarado outro site gerado pela inteligência russa e divulgado por disparos em massa nas redes sociais usando perfis falsos também controlados pelo governo russo, o Peace Data. Em termos de discurso político, dedicava-se exatamente ao oposto: a pauta da esquerda e demonização de Donald Trump. As plataformas de redes sociais contiveram a disseminação viral do conteúdo e o site decidiu fechar as portas alegando perseguição. A revista Slate entrevistou alguns dos redatores norte-americanos que escreveram para a publicação.

Por que a Rússia manteria operações pregando doutrinas de direita e de esquerda ao mesmo tempo? Elas não se anulam? Porque o objetivo não é convencer, é criar o caos e estimular a divisão da sociedade e a desconfiança no sistema político e nas instituições. Nesse clima, as pessoas não sabem mais o que é verdade e tomam decisões por medo, ou seja, são as presas perfeitas para a manipulação.

Os métodos de recrutamento de cidadãos norte-americanos era igual nos dois sites e nenhum redator desconfiou de que estava trabalhando para uma operação do tipo. Os editores entravam em contato com pessoas que já escrevem artigos ideológicos e pediam mais do que eles sempre fazem. Pagavam por transferência eletrônica quase imediata e o relacionamento parecia ser o de uma redação comum, com revisão de texto e feedbacks.

Por isso não faz o menor sentido chamar operações de desinformação de "fake news": no mundo real tanto faz se é verdade ou mentira, importa o quando causa tumulto e divide uma sociedade. Os artigos escritos eram exatamente o que os autores pensavam. Quem, por exemplo, era do "defund the police", acabava recrutado pelo site de esquerda para falar mal da polícia. Já redatores conservadores eram chamados pelo site de direita para escrever peças imaginando o que aconteceria no mundo se a ideia de não ter mais polícia, moda dos progressistas, fosse posta em prática. Pouco importa o que foi dito, mas para quem é mandado.

A operação de desinformação é feita pela manipulação psicológica das pessoas via redes sociais. Tendo dois artigos opostos, é possível fazer parecer, por exemplo, que um tem muito mais adesão que o outro. Disparos em massa mirando as pessoas certas, ou seja, aquelas que ficam com mais medo e vão mandar a mensagem adiante, acabarão causando um efeito manada. E como saber quem são as pessoas certas? Esse é o único negócio das redes sociais: monitorar pessoas 24 horas por dia e saber seus piores medos, seus maiores sonhos, sua localização, seus hábitos, suas reações e seu círculo de influência.

Como isso funcionaria? Se uma reportagem contrária à polícia chega nas pessoas que têm relações emocionais com alguém morto numa operação policial desastrada, é muito provável que ela vai se disseminar como um rastilho de pólvora e a moda agora é pedir que não tenha mais polícia. Basta direcionar essas manifestações pelo fim da polícia a quem já foi vítima de criminosos, já perdeu parentes para a criminalidade ou tem obsessão com segurança. Daí, esse grupo recebe o outro artigo, alimentando a ideia de que um candidato poderia mesmo eliminar a existência da polícia.

A confusão estará feita e o sentimento de patriotismo, pilar central da defesa de uma nação, será esfacelado. Em vez de se enxergarem como irmãos, cidadãos do mesmo país passam a se enxergar como grupos divididos, um sempre contra o outro, desconfiados das intenções e até da dignidade de quem pensa diferente.

Quando um país deixa de entender que grupos políticos antagônicos são o mesmo lado, ou seja, o lado que defende a soberania e se une pela pátria, está exposto a interesses estrangeiros. Um povo que não enxerga o risco de confundir o amor à pátria com a ojeriza a outros países ou até a cidadãos do próprio país é um rebanho indo para o abate. Ao carrasco, resta apenas convencer de que o abatedouro é o único caminho para fugir de um inimigo implacável disposto a causar um mal iminente.

Se os teóricos da conspiração podem encontrar mil explicações ideológicas e até espirituais para esse tipo de manobra, os especialistas em guerra e defesa têm uma bem mais simples e que todos entendemos: dinheiro. Cada governo quer as melhores condições para expandir o tipo de negócio que favoreça seu povo e seus interesses nacionais e internacionais, por isso manobrar eleições em solo estrangeiro é um grande negócio. Não se trata só de favorecer um candidato ou outro mas de mostrar que o público se tornou refém e pode se voltar contra qualquer um. "Devemos aprender a viver juntos como irmãos ou morreremos juntos como tolos", ensinou Martin Luther King. É urgente aprender.

9 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 9 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • H

    Hugo Dalla Zanna

    ± 0 minutos

    Em países cuja a capacidade de entender o óbvio é tão limitada, essa estratégia é um "mamão com açúcar" para fomentar a discórdia. Ainda creio na providência divina para parar com essas intromissões e trazer um pouco de paz e entendimento entre as pessoas.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • F

    F.Neto

    ± 5 horas

    Destaco que a divisão da sociedade serve aos interesses da Russia e China. Então, vamos defender nossas ideias e valores com civilidade e respeito ao próximo.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Ricardo de Mello Araujo

    ± 5 horas

    Excelente artigo!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • F

    FERNANDO A. O. PRIETO

    ± 9 horas

    Com a convicção (infelizmente correta) de que a grande maioria das informações da mídia é FALSA, deliberadamente INCOMPLETA, ou MAL INTENCIONADA, cresce a tendência de não acreditar em nada... Precisamos defender-nos disso também, pois, se não, seremos presa fácil de qualquer boato aterrorizador. É difícil, mas procuremos selecionar e discriminar pelo valor real nossos veículos de informação. Ainda aceito com razoáveis opiniões de alguns jornalistas de algumas rádios e meios eletrônicos; mas praticamente nada da televisão

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    João Carlos Carvalho

    ± 14 horas

    A mentira e a desinformação sempre foi uma das grandes armas da esquerda !

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Maquiavel

    ± 17 horas

    O que esperar de um país que a época de Stálin manipulava até fotografias, retirando delas seus desafetos políticos!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • O

    Oliveira

    ± 19 horas

    Madeleine tá evoluindo muito bem nessa temática de fake news e segurança da informação em geral. Os textos estão bem mais interessantes. Show de bola.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    JOSIL

    ± 23 horas

    Desde Lenin, Stalin, a Rússia usa a DESINFORMAÇÃO, como principal arma para a conquista de fronteiras, da propagação do social/comunismo e de seus propósitos subversivos! Os incautos, os isentões/limpinhos são os massa de manobra dos seus tiranos, caem como patinhos. Os espertalhões daqui e do planeta, também deitam e rolam dominando esses inteligentinhos....Agora, com as várias facetas dessa nefasta ideologia - gays, feminismo, aborto, ideologia de gênero - marxistas de hoje -, destruição da família, da religião, Antifas, etc, a China no pedaço, se expande a valer. Democratas - hoje o Psol americano, abre o caminho fácil....

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • E

    Eden Lopes Feldman

    ± 23 horas

    Um tema com uma perspectiva diferente, com uma análise bem efetuada. Mas ainda existem as manipulações efetuadas em noticiários, como é o exemplo da rede globo. E até mesmo de diversos jornais do país. Que colocam informações com redações efetuadas para provocar comoção. Como as "balas perdidas" e notícias selecionadas para atingir alguns "alvos" . Esquecendo casos semelhantes ou lhes dando menor importância. A ideologia está presente tanto nas redes sociais como na imprensa tradicional. A diferença é que nas redes sociais o bom senso nos permite selecionar. E na TV aberta o que é dito vira realidade para uma população normalmente com menor poder de seleção. Vide as acusações de genocídio

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.