i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Mario Vitor Rodrigues

Foto de perfil de Mario Vitor Rodrigues
Ver perfil

Convenhamos, Santos Cruz; tarde demais, Pujol

  • Mario Vitor RodriguesPor Mario Vitor Rodrigues
  • 14/11/2020 20:55
Fotos: Marcelo Camargo e Fabio Rodrigues/Agência Brasil
Fotos: Marcelo Camargo e Fabio Rodrigues/Agência Brasil| Foto:

“Cansado de show. O Brasil não é um país de maricas. É tolerante demais com a desigualdade social, corrupção, privilégios. Votou contra extremismos e corrupção. Votou por equilíbrio e união. Precisa de  seriedade e não de show, espetáculo, embuste, fanfarronice e desrespeito.”

O comentário é do ex-ministro da Secretaria de Governo da Presidência da República (Segov), general Santos Cruz. Foi por meio de sua conta no Twitter, na última quinta-feira (12), que deu-se o desabafo.

No dia seguinte, foi a vez do comandante do Exército, general Edson Pujol, vir a público  dar o seu recado. Durante live organizada pelo ex-ministro da Defesa, Raul Jungmann, Pujol lembrou que os militares “não são uma instituição de governo” e que não mudam sua maneira de pensar e cumprir missões “a cada 4 anos”. “Nosso partido é o Brasil”, completou o general.

Ambas as manifestações contaram com o mesmo pano de fundo: durante a semana, Jair Bolsonaro comemorou um suicídio, celebrou a suspensão dos testes de uma vacina para prevenir uma doença que já tirou a vida de quase 170 mil brasileiros, chamou quem teme a Covid-19 de “marica” e expôs as Forças Armadas ao ridículo quando sugeriu que o Brasil poderia entrar em guerra com os Estados Unidos.

As reações dos generais são compreensíveis; o espetáculo proporcionado pelo capitão foi grotesco. Contudo quem afiançou Bolsonaro deveria moderar sua indignação. Melhor ainda, pedir desculpas aos brasileiros.

Considerando que ambos os pronunciamentos foram sinceros, tanto Santos Cruz quanto Pujol ainda não entenderam o buraco em que as Forças Armadas se meteram. Tampouco o desserviço que prestaram ao país.

Santos Cruz afirmou que somos tolerantes demais com a desigualdade social, a corrupção e os privilégios. Concordo, em boa parte somos inclusive cúmplices, mas argumentar ainda hoje que votou-se  “contra extremismos e corrupção”, sobretudo “por equilíbrio e união”, ultrapassa os limites do disparate.

O ex-ministro há de se lembrar: quase 60 milhões de brasileiros votaram em alguém que publicamente exaltou um torturador.

Já a tentativa de Pujol de descolar a imagem dos militares da gestão Jair Bolsonaro comove pelo otimismo, porém não tem como mascarar a realidade: já são mais de 6.000 militares da ativa e da reserva em cargos civis no governo.

É difícil assimilar que trinta anos após uma ditadura sangrenta que afastou, torturou e matou brasileiros, os militares tenham embarcado em uma aventura da qual não poderiam sair ilesos.

Que se valham do cinismo como biombo é imperdoável.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.