Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Foto: Marcos Correa
Foto: Marcos Correa| Foto: Marcos Correa

A tarefa de escrever sobre o Brasil de Jair Bolsonaro não é árdua apenas pela hecatombe sanitária em que se transformou a pandemia da Covid-19, pela incompetência absoluta do governo em tudo o que faz, ou pela sequência de comportamentos inadequados do presidente à frente do país. Também é árdua por ser repetitiva.

O maior desafio de quem participa do debate público hoje, para além do amargor imposto pelo governo federal por sua omissão em temas cruciais, como a compra de vacinas ou a simples inaptidão para fazer o dever de casa nas mais variadas áreas, haja vista o recente cancelamento do Censo 2021, é não conseguir mudar de assunto. É se ver obrigado a constatar -- por mais que às vezes busquemos mudar de assunto -- o quão catastrófica é a administração federal.

Jair mente, ladra e enrola. Na prática, continua se comportando como um deputado de quinta categoria, embora ocupe a cadeira de presidente.

Mentiu desavergonhadamente durante a Cúpula do Clima, na qual afirmou que o país está na vanguarda do enfrentamento ao aquecimento global e em fortalecimento dos órgãos ambientais.

Na prática, dois dias antes da Cúpula, 400 servidores de carreira do Ibama se manifestaram apresentando um ofício em que denunciam a paralisação de todas as atividades de fiscalização de infrações ambientais. Isso sem falar na exoneração do Superintendente da Polícia Federal no Amazonas, Alexandre Saraiva, depois de ter denunciado o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, ao Supremo Tribunal Federal por organização criminosa e favorecimento de madeireiros.

Bolsonaro ladra quando acena com o uso das Forças Armadas para garantir a ordem na hipótese de as medidas restritivas adotadas por governadores e prefeitos para tentar frear a pandemia provocarem o caos.

Não foi a primeira vez que o capitão lançou mão de uma retórica golpista para excitar sua base eleitoral e tampouco terá sido a última em que, por meio de palavras,  ainda que indiretamente, sabotará esforços no sentido de poupar vidas diante do flagelo.

O presidente enrola porque sabe que seu governo já acabou. Do morticínio provocado pela pandemia com a ajuda de sua postura irresponsável à disputa inglória para enquadrar o orçamento em meio à crise fiscal, dos escândalos envolvendo seus filhos na Justiça a uma taxa de desemprego que promete beirar os 20% no ano que vem, não lhe resta mais nada a não ser jogar para seus fãs, provocar a imprensa e rezar para que Lula saia mesmo candidato, apostando na dicotomia para ter esperanças de se reeleger. E só.

557 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]