i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Marleth Silva

Foto de perfil de Marleth Silva
Ver perfil

<b> </b>Crônicas, ensaios e notas sobre a vida e o mundo

Onde mora o perigo cresce também o que salva

  • Por Marleth Silva
  • 28/12/2019 17:00
Onde mora o perigo cresce também o que salva
| Foto: Marcos Tavares/Thapcom

Para quem nasceu até o final dos anos 70, o século XXI era “o futuro”. Outro século, afinal, e um que veria todas as fantasias tecnológicas florescerem. Filmes e livros nutriam nossas expectativas, alguns movidos pelo otimismo e outros pelo medo. Não estavam errados nem uns nem outros.

O futuro em que vivemos hoje se revela surpreendente e radical a cada dia. Nada do que era sólido no nosso cotidiano resiste: nem hábitos, nem empresas poderosas, nem dogmas ou certezas.

Há sempre algo incontrolável nos rumos que as coisas tomam.

Os que não digerem bem os novos costumes arrotam para se livrar do desconforto. Pelo arroto manifestam duvidar da ciência, da solidariedade, da democracia duramente conquistada. Também há os que manifestam desconforto com soluços, estes bem menos barulhentos. Reagem à fúria da máquina se apoiando em algum tipo de nostalgia, talvez lendo velhos livros de papel, talvez se negando a usar um celular e sempre resistindo a postar selfies em uma rede social.

Escrevendo na primeira metade do século XX, Heidegger notou que o mundo humano se transformava em um universo técnico, ao qual nós humanos estamos presos como peças de uma engrenagem. Ele descreveu um cenário em que a expansão da técnica constitui a dimensão planetária de uma forma de razão calculadora. O perigo? É que esta razão calculadora, onipresente e onipotente, faça do ser em si algo irrelevante.

Não conheço a obra do filósofo alemão o suficiente para compartilhar mais sobre seus escritos. Falo o que entendi, que é pouco. Mesmo sendo pouco me causa espanto. Há quase cem anos, ele localizou o elemento mais poderoso que os humanos introduziram em suas vidas sem antever as consequências e sempre crentes de que manteríamos o domínio sobre a técnica – ou sobre a tecnologia, como diríamos hoje.

Em suas reflexões, Heidegger citou um verso do poeta Hölderlin, alemão como ele: “Mas onde mora o perigo cresce também o que salva.” Heidegger e Hölderlin são sempre citados juntos, o que diz muito sobre a mensagem que o filósofo se empenhava em desenvolver. O que salva, Heidegger sugere, é a expressão da humanidade através da sua voz, da linguagem, da poesia. De uma expressão artística afinal, algo que só nós, seres humanos, temos necessidade de fazer e de apreciar. Na minha compreensão, ele sugere um contraponto entre a máquina que existe em função de algo concreto e objetivo e o ser humano que precisa se expressar para não ser... uma máquina.

***

Como todos os brasileiros, comecei 2019 com expectativas e apreensões em relação a nossa vida aqui no Bananão, que é como o Ivan Lessa se referia ao Brasil. Fecho o ano com outras expectativas e renovadas apreensões. O Bananão continua sendo um lugar perigoso. Como disse outro escritor da geração do Ivan Lessa, o Otto Lara Resende, às vezes tenho vontade de trancar minha matrícula de brasileiro.

Outros países estão passando por situações igualmente desconcertantes, a ponto de a gente se perguntar o que está acontecendo neste planeta. Que os outros também vejam o avanço de ideias de ódio, do desprezo pela solidariedade, da retomada de diversas formas de ignorância, não é consolo. Ao contrário.

***

Se tem algo de que não podemos nos queixar é da oferta de boas leituras nas livrarias. Citei alguns títulos em textos que fui publicando ao longo de 2019. Leio alguns lançamentos intercalados com livros mais antigos que esperavam sua vez na prateleira. Por coincidência, li três livros novos agora no fim do ano. Paletó e eu, da antropóloga Aparecida Vilaça, que relata sua experiência entre índios que a adotaram como parte da família (Paletó era o apelido do pai indígena de Aparecida); Elis e eu, de João Marcelo Bôscoli, que faz um registro da infância vivida ao lado da mãe Elis Regina, e A Elite na Cadeia, do jornalista Wálter Nunes, uma reportagem sobre a vida dos figurões presos pela Operação Lava Jato na Polícia Federal de Curitiba e na Penitenciaria Central do Estado, em Piraquara. Este último é daqueles livros que a gente lê em uma sentada. Recomendo os três. De uma forma ou de outra, todos derrubam preconceitos e salientam o lado humano, muito humano, de seus personagens.

***

Despeço-me de 2019 desejando que você que me lê tenha um bom ano novo pela frente. Feliz 2020.

4 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 4 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • H

    HELOISA DE MOURA BUENO

    ± 1 horas

    Excelente! Leio essa cronista com avidez!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • G

    Guilherme Gonçalves

    ± 10 horas

    Publiquei uma opinião bastante elogiosa a autora, mas critica a essa “ideologia de resultados” que move a direção da Gazeta, fazendo o jornal defender vários dos absurdos bolsominions apenas porque se intitula um governo de direita. Resultado? Publicaram, mas censuraram. Cuidado, Marleth, você pode ser a próxima a fazer companhia a Galindo, Sandra, Euclides e outros, queimados na fogueira da inquisição conservadora...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • Marcelo

    ± 10 horas

    Uma das poucas vozes sensatas que continuam na gazeta. Feliz 2020, Marleth.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.