Atualmente, um tapume supostamente protege a casa de invasões. A imagem é de junho de 2014 (FOTO: Bibliotecas do Brasil)
Atualmente, um tapume supostamente protege a casa de invasões. A imagem é de junho de 2014 (FOTO: Bibliotecas do Brasil)| Foto:
Tapume na frente da Casa Kozák

Atualmente, um tapume supostamente protege a casa de invasões. A imagem é de junho de 2014 (FOTO: Bibliotecas do Brasil)

Tudo é risos e brincadeiras quando pensamos na desastrada reforma do chafariz de Ibitinga.

Mas tem coisa muito pior acontecendo em Curitiba.

O blog Bibliotecas do Brasil tem acompanhado o abandono da Casa Kozák, patrimônio e testemunho histórico de Curitiba e, até há pouco menos de cinco anos, espaço cultural e biblioteca pública dos moradores do Uberaba.

A casa onde morou Vladimir Kozák, o primeiro cineasta a filmar os índios paranaenses, está se deteriorando. Vinha sendo usada como mocó de usuários de crack, inclusive.

A Prefeitura de Curitiba parece desconhecer o fato, inclusive: em seu site, a casa aparece como se estivesse em funcionamento.

Leia a resposta da Fundação Cultural de Curitiba sobre este assunto

A prefeitura, recentemente, colocou um tapume para proteger o local, mas a editora do blog Bibliotecas do Brasil, Daniele Carneiro, disse que há evidências de que as invasões continuam, apesar da promessa de policiamento constante com a Guarda Municipal.

Os objetos que pertenciam ao cineasta nascido na República Checa estão no Museu Paranaense, mas alguns objetos foram deixados para trás. Particularmente o veículo que Kozák usava em suas expedições.

A responsabilidade pelo imóvel fica num jogo de empura-empurra entre poder municipal e estadual e questões jurídicas melhor detalhadas nos posts do Bibliotecas do Brasil.

A mim, pessoalmente, não interessa de quem é a responsabilidade: apenas que se resolva a questão. A coisa está ficando bem mais feia que o chafariz de Ibitinga, que, a julgar pela opinião de alguns de meus leitores de gosto duvidoso e menos preocupados com preservação de características históricas, ao menos lembra uma obra da Disney.

Todas as imagens abaixo foram retiradas do Bibliotecas do Brasil e foram feitas por Roberto Carneiro, são de 14 de maio de 2014, mas desde esta data pouco mais foi feito para melhoras além do tapume, segundo a editora Daniele Carneiro:

Casa KozákDetalhe do terreno da casa: a Rural Willis, de Kozák, parece irrecuperável. Ajuda, Luciano!

Placa do tempo em que a casa funcionava como biblioteca e atendia o público do Uberaba. Não parece que há intenção de que isso volte a acontecer tão cedo.

Da próxima vez que você vir uma homenagem como essa, em forma de placa, reavalie o modo como os governadores, deputados, prefeitos e vereadores costumam descerrá-las com gestos cheios de pompa e salamaleques.

Fotos deixadas para trás. A quem pertence isto? Ao município? Ao estado? Enquanto o poder público tenta descobrir, elas se deterioram.

Objetos que o Museu Paranaense avaliou como indignos de estarem sob sua guarda.

Estantes que poderiam estar servindo ao público do Uberaba.

O que sai mais em conta? Recuperar ou preservar?

Objetos deixados por pessoas que usaram a casa de Kozák como abrigo.

Quando a destruição é rápida, é vandalismo. Quando é lenta, eu chamo de política.

Mais uma lembrança do tempo em que a Casa Kozák era uma biblioteca e não uma filial da FAS.

Objetos dos potenciais usuários da Casa Kozák.

Gostou deste post?

Então assine minha newsletter.

Me siga no Facebook.

Me siga no Twitter.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]