i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Paraná S.A

Foto de perfil de Paraná S.A
Ver perfil
Saúde

O que planeja a SulAmérica com a aquisição milionária da Paraná Clínicas?

  • 20/09/2020 09:00
Dr. Carlos Mortean, Raquel Giglio e Juliano Tomazela – Nilton Russo
Dr. Carlos Mortean, Raquel Giglio e Juliano Tomazela.| Foto: Nilton Russo/New Russo Fotografia

Cada vez mais focada em serviços de saúde, a seguradora SulAmérica escolheu a Paraná Clínicas para preparar sua entrada no mercado paranaense e do Sul do país. Neste mês, a empresa carioca concluiu a compra da operadora de planos de saúde empresariais de Curitiba, em uma transação avaliada em R$ 396 milhões. Apesar disso, a marca paranaense não deve desaparecer e seguirá atuando com o mesmo modelo de negócio que a levou a alcançar 90 mil beneficiários e a se tornar a quinta maior operadora em atuação no estado.

Quer receber notícias do Paraná no WhatsApp?

O negócio se tornou viável após um reposicionamento estratégico que começou a ser implantado pela SulAmérica no ano passado e se estendeu até junho deste ano, quando a empresa vendeu sua operação de seguro de automóveis e massificados (modalidade mais simples e menos burocrática de apólices) para a multinacional alemã Allianz. Com uma negociação que rendeu mais de R$ 3 bilhões à empresa brasileira – valor considerado um dos mais impactantes no segmento –, a seguradora cobriu a compra da Paraná Clínicas.

“Estou na SulAmérica há 9 anos. Quando eu entrei, lembro que 51%, 52% da receita era oriunda da carteira de saúde e odontologia. A gente foi evoluindo ao longo dos anos e no último ano a representatividade já estava em 76%, 78%. É uma empresa centenária, de capital aberto, sem dependência de nenhum banco que viu saúde se tornar seu core [principal negócio] ao longo dos anos”, explicou à Gazeta do Povo Raquel Giglio, vice-presidente de Saúde e Odonto da empresa.

De acordo com a executiva, foi a partir da negociação com a concorrente alemã que a SulAmérica decidiu olhar para empresas que ressaltassem sua vocação. Coincidiu com a vontade de os donos da Paraná Clínicas saírem do negócio, segundo ela explica. “É muito mais do que comprar uma fatia de mercado ou uma carteira. Se fosse só isso, acho que teríamos formas diferentes, eventualmente mais baratas, de fazer isso. A gente está comprando um modelo de negócio, um know-how que pode alavancar, sem sombra de dúvida, o nosso core, que é saúde de forma integral.”

Fundada em 1970, a Paraná Clínicas se tornou alvo da empresa pelo modelo e apelo de negócio. “Nesses 50 anos de história da Paraná Clínicas a gente sempre se posicionou sendo solução de saúde para os nossos clientes. Quando a gente tem isso como valor, a gente cria um modelo em que eu vou tentar atingir os meus beneficiários em todas as etapas do processo de assistência. A gente investe no modelo em que eu procuro ter ações de promoção à saúde, prevenção às doenças, cuidados gerenciados para portadores de doenças crônicas. Nesse ‘investir em ser solução de saúde’ a gente dá um passo adiante que é sair daquele modelo mais tradicional de simplesmente tratar doenças”, defende Carlos Roberto Mortean, diretor da Paraná Clínicas desde 2001. O médico seguirá na diretoria operacional de saúde.

O negócio não deverá alterar a forma de funcionamento da empresa. Giglio evita falar de crescimento no número de beneficiários e sustenta que o grupo pretende “primeiro entender a operação e as possibilidades de sinergia entre os modelos”. “A gente vê um potencial gigantesco na Paraná Clínicas, para alavancar a quantidade de vidas [atendidas] e na SulAmérica para alavancar a participação de mercado que tem hoje”, diz. Por enquanto, certo mesmo somente a implantação de consultórios odontológicos nos centros clínicos, um conceito que a empresa carioca já aplica em outras praças.

Pandemia não interferiu na negociação

De acordo com a SulAmérica, a pandemia não freou a negociação. As conversas, aliás, ocorreram durante o período de avanço da Covid-19 no país. A despeito da fatalidade do momento, a empresa carioca vê insights que podem fazer os negócios de saúde crescerem e se tornarem mais ágeis e sustentáveis. Hoje, apenas 22% dos brasileiros têm saúde suplementar. Para a vice-presidente da área de saúde da companhia, há um potencial de crescimento grande, podendo retomar os 25% registrados há alguns anos, bem como alavancar para 30%, 35%.

Além disso, Giglio destaca estratégias adotadas no passado que se provaram eficazes agora. Em 2018, a SulAmérica comprou a startup curitibana Docway, de acompanhamento médico por vídeo (não exatamente consultas, que ainda não eram regularizadas nessa modalidade). Antes da pandemia, de sua base de 2,3 milhões de clientes, apenas 500 atendimentos remotos eram feitos por mês. Em março, com a adoção do isolamento e do distanciamento social, passou a 1.500 atendimentos por dia.

Juliano Tomazeli, head técnico de Saúde e Odonto da SulAmérica, que irá coordenar a empresa na parte da operadora, defende que há um caminho sustentável mostrado na pandemia e no qual a Paraná Clínica se encaixa .“Uma outra reflexão para o setor de saúde suplementar como um todo é que a gente sempre imaginou existir uma utilização desnecessária ou equivocada [dos aparatos de saúde]. Antes da pandemia a gente tinha um alto índice de utilização do pronto-socorro e quando você olhava um pouco mais no detalhe via que grande parte desses atendimentos não era, de fato, de urgência e emergência. A gente tinha alto volume de exames que a pessoa sequer consultava o resultado pela internet. Ou seja, um exame totalmente desnecessário. É aquele recurso que você acaba desperdiçando. Quando você vai somando essas pequenas utilizações que, em tese, não precisariam ter ocorrido, isso acaba encarecendo o plano e aí ele deixa de ser sustentável. Por isso que existe um índice baixo de pessoas com cobertura de saúde suplementar [no Brasil]”, avalia.

4 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 4 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • S

    Sr. Walker

    ± 0 minutos

    Planeja crescer. Sempre. Empresa que para ou se extingue ou acaba sendo comprada pela concorrência. Simples assim.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • J

      J. MOACIR

      ± 18 horas

      A mais de cinco anos trabalho para uma empresa de SP , morando em Curitiba. Temos Plano da SulAmerica e atesto ser um dos melhores - se não o melhor - do mercado. Ótima cobertura em Curitiba em todos os ramos da medicina , e os melhores hospitais. Vejo com bons olhos a compra por eles da Paraná Clínica ( alias já fui filiado e sempre com bom atendimento ). Só a melhorar!

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • C

        CARLOS FELIX

        ± 19 horas

        O core, é manter segurados iludidos com saúde. O modelo de negócio rentável. é dificultar acesso aos melhores serviços, limitando especialidades e credenciamentos de qualidade ou direcionando para os profissionais neófitos, clinicas e hospitais menos qualificados. Auferir lucros bilionários, capazes de alavancar transações de aquisição, sem refletir quase nada aos que aderem os onerosos planos, do core . $$$$$$$$aude !

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • M

          Marcus Pinheiro Machado

          ± 24 horas

          explorar mais os coitados doentes

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          Fim dos comentários.