Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Douglas de Lara, Eduardo Dória e Filipi Alarcan, fundadores da startup Zimobi. Foto: Divulgação
Douglas de Lara, Eduardo Dória e Filipi Alarcan, fundadores da startup Zimobi. Foto: Divulgação| Foto:

Beatriz Pozzobon, especial para a Gazeta do Povo

A startup curitibana Zimobi, lançada no ano passado, está revolucionado o mercado imobiliário. Destinada a proprietários que desejam alugar seus imóveis por conta própria, a plataforma possibilita a locação de imóveis sem intermediação de imobiliárias ou corretoras. Dessa forma, a Zimobi se constitui como uma espécie de “uber do aluguel de imóveis” ou um Airbnb em longo prazo – no Airbnb só é possível locar um imóvel por até três meses.

“A Zimobi é a primeira startup do Brasil e, até o momento, a única a oferecer esse serviço”, garante Eduardo Dória, CEO da Zimobi. A plataforma permite ao proprietário anunciar seu imóvel, tê-lo replicado nos principais portais imobiliários, agendar visitas, fechar contratos com garantia, emitir boletos e receber o aluguel em sua conta. A administração mensal do imóvel pela Zimobi custa ao proprietário R$ 49,90, independente do preço do aluguel.

Com sede em Curitiba, a Zimobi já tem imóveis locados em São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Bahia e Ceará. Atualmente, a startup está com 60 imóveis disponíveis e  50 sob sua administração, entre estabelecimentos residenciais e comerciais. “Para 2019, queremos crescer a atuação em Curitiba, aumentar a equipe – hoje constituída por quatro funcionários – e colocar uma segunda versão do site no ar, com mais funcionalidades para os usuários”, enumera Dória.

Os proprietários interessados em locar um imóvel vazio precisam fazer cadastro no site da Zimobi e, automaticamente, o imóvel será anunciado nas principais plataformas de mercado – o anúncio é gratuito. “Tivemos casos de clientes que deixaram o imóvel com a gente e, uma semana depois, já estava com ele alugado. O processo é bem mais rápido porque não tem intermediários”, explica o CEO.

O inquilino também precisa fazer um cadastro no site especificando o tipo de imóvel que procura. Com as informações recolhidas, antes de fechar o contrato, a equipe da Zimobi analisa o perfil do locatário, a partir do histórico de alugueis anteriores e análise de crédito via Serasa, para dar segurança ao proprietário. Após o perfil ser aprovado, o inquilino recebe as ofertas por e-mail e está pronto para alugar um imóvel.

Fiador opcional

Os contratos fechados pela Zimobi utilizam as mesmas garantias existentes nas imobiliárias – fiador, seguro-fiança, depósito caução – caso o proprietário assim desejar. Ou seja, de acordo com a vontade do locatário, o inquilino vai precisar, ou não, de fiador para alugar o imóvel.  Em caso de inadimplência do aluguel, os boletos emitidos pelo sistema são registrados e o inquilino pode ser negativado. Além disso, o proprietário recebe suporte jurídico para tomar as medidas pertinentes.

Ainda sobre as garantias dadas aos proprietários, em toda locação é emitido laudo de vistoria inicial, para assegurar a devolução do imóvel como quando locado. Caso o proprietário encontre algum defeito, o modelo de garantia escolhido para o contrato deve ser acionado, por exemplo, o depósito caução. Já com relação ao inquilino, ele pode abrir chamada de reparos diretamente na plataforma, se localizar algum dano no apartamento ou casa.

Para o ano que vem, a Zimobi planeja lançar um curso online para auxiliar proprietários a gerenciar o próprio imóvel de forma autônoma. O curso gratuito vai se basear em vídeo-aulas e e-books.

É possível encontrar a Zimobi também via app, disponível apenas para Android.

Outras alternativas

Além da Zimobi, despontam no Brasil outras iniciativas que buscam novos modelos de locação. Com foco em alugueis de curta temporada, a ShortStay Curitiba oferece imóveis completamente mobiliados, incluindo eletrodomésticos – 80% deles são estúdios de um dormitório – localizados na região central da capital paranaense.

A empresa fornece ao locatário enxoval com pratos, copos e talheres, serviço de limpeza semanal e também administra as contas do imóvel, como condomínio, IPTU e conta de luz. Diferentemente das imobiliárias, a ShortStay possibilita a locação do imóvel de forma facilitada, sem obrigatoriedade de uma extensa lista de documentos, fiador ou seguro-fiança. Com mais de 400 apartamentos cadastrados, o ticket-médio dos imóveis varia entre R$ 1.800 e R$ 2.000.

Para quem procura um lugar para morar por um preço mais acessível, a opção pode ser alugar um quarto, e não um apartamento inteiro. A plataforma Roomgo reúne quartos disponíveis para quem deseja alugar e faz o primeiro contato entre proprietários e inquilinos, mas não participa da negociação, nem dos valores, nem do período de contrato. Em Curitiba, a plataforma oferece 210 quartos para locação, com valor médio de R$ 618.

No ramo de alugueis

A QuintoAndar é uma empresa brasileira de tecnologia que também oferece aluguel de imóveis residenciais de forma facilitada, mas ainda não chegou em Curitiba. A diferença em relação à Zimobi é que a startup curitibana trabalha diretamente com os proprietários. Já a QuintoAndar, com uma equipe de 450 funcionários, atua com corretores especializados.

Os inquilinos do QuintoAndar navegam pelo aplicativo e conferem os dados do imóvel, como preços do aluguel, condomínio, IPTU, etc. Escolhem os imóveis que mais agradam e depois agendam pela internet o dia e horário em que querem visitar. Com a visita agendada, os interessados enviam uma proposta ao dono do imóvel, também pelo app, e vão para a visita acompanhados dos corretores.

A plataforma está presente em 15 cidades do Brasil, como São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte e Goiânia.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]