Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Aumento exponencial da demanda faz álcool em gel ocupar espaço na linha de produção
Aumento exponencial da demanda faz álcool em gel ocupar espaço na linha de produção| Foto: Divulgação

A pandemia do coronavírus acelerou a busca pelo álcool em gel por grande parte da população em todo o Brasil. Tamanha foi a necessidade de consumo, que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicou um decreto permitindo que empresas de outros segmentos passassem a fabricar o produto para atender ao mercado nacional em caráter de urgência. No Paraná a grande demanda não foi diferente e algumas indústrias correram para se adaptar às novas necessidades. Enquanto algumas marcas aprimoraram a linha de produção do item, outras mostraram versatilidade e transformaram o álcool em gel no carro-chefe.

RECEBA notícias do Paraná pelo WhatsApp

Um levantamento realizado pela consultoria Compre&Confie mostra que, entre 24 de fevereiro e 18 de março deste ano, as vendas online de álcool gel tiveram aumento de 4.764% no Brasil em relação ao mesmo período do ano anterior e o faturamento com o item cresceu 4.974%. Não há dados oficiais sobre a crescente procura no Paraná, mas os resultados das boas negociações de algumas empresas demonstra o quanto houve um “boom” no segmento.

Por conta da alta procura, a Anvisa publicou a resolução RDC 350, do dia 19 de março, que definiu critérios e procedimentos extraordinários e temporários para a fabricação e comercialização de preparações antissépticas ou sanitizantes oficinais sem prévia autorização, em virtude da emergência de saúde pública internacional relacionada ao SARS-CoV-2. Assim, indústrias voltadas a itens de limpeza, cosméticos e até bebidas conseguiram rapidamente entrar no ramo.

Foi o que aconteceu com a Nano4You, empresa com sede em Pinhais, Região Metropolitana de Curitiba, mas com fábrica em Ponta Grossa. Fundada em 2007, a fabricante de produtos e soluções utilizando nanopartículas sempre focou em produtos de limpeza pesada para construção civil e residências, remoção de pichação e produtos para automóveis. Assim que os casos da Covid-19 começaram a aparecer no Brasil, a empresa “correu” – e muito – para dar início a novos processos. Em apenas 18 dias tirou do papel o planejamento e começou a “rodar” a produção de álcool gel e em outros formatos, itens que a companhia não produzia. A agilidade garantiu a saúde financeira do empreendimento.

Salvação de empregos

“Tivemos que nos reinventar rapidamente. Temos 12 linhas produção, sendo que quatro estão adaptadas para itens contendo o álcool. Se não fosse isso, teríamos que deixar sem emprego 300 colaboradores diretos e indiretos”, disse Rodrigo Matos, CEO da Nano4You.

Saindo do zero, hoje a empresa conta com uma linha de 12 itens do produto que, juntas, correspondem por 45% dos lucros. De acordo com Matos, a Nano4You é a detentora do maior portfólio do Brasil para higienização com álcool 70%.

Algumas das inovações implantadas – todas apresentando 70% - são álcool em aerossol, produto sanitizante para uso doméstico e para tapetes de desinfecção, totens com pedais para lojas e transporte público e linha wipes (lenços umedecidos). Há também o antisséptico em espuma com bactericida de última geração com álcool a 28%.

Fabricação de álcool em gel deve obedecer regras da Vigilância Sanitária
Fabricação de álcool em gel deve obedecer regras da Vigilância Sanitária| Divulgação

A empresa já tem vendas fechadas para os próximos doze meses para o mercado externo. Estados Unidos, países do Mercosul, Bolívia e Chile receberão muito em breve os produtos “made in Paraná”. Serão 60 contêineres por mês apenas para exportação.

“Hoje é o nosso ‘carro-chefe’. Com certeza não vamos sair desse mercado. Acreditamos que a demanda pelo produto pode reduzir futuramente, mas ainda assim queremos manter de 15 a 20% de nosso faturamento voltado aos itens com álcool depois da pandemia”, especificou Matos.

A Palmindaya Cosméticos, do município de Santa Mariana, no Norte do Paraná, já contava com o álcool em gel no portfólio, mas precisou fazer urgentes adaptações para seguir atendendo ao crescente mercado. Considerando apenas o período de janeiro a maio deste ano, o aumento da produção do item foi de 555% em relação a 2019 e a demanda teve uma alta de 900%.

“Apesar de não termos contratado mais funcionários, fizemos uma pausa em todas as linhas de produtos, remanejando os funcionários de outras atividades para atender a demanda, e incluímos uma nova linha de envase com aquisição de novos equipamentos. Com o aumento da capacidade produtiva, a empresa aderiu ao trabalho aos sábados e às horas extras”, explicou Renata Castanho Moreira, química responsável.

Empresa familiar fundada em 1947, a Palmindaya atua na fabricação de cosméticos, perfumaria e de higiene pessoal. Porém, hidratantes, loções pós-barba, sabonetes, shampoos condicionadores e outros itens deram espaço, nos últimos meses, para o álcool em gel. No ano passado, o produto representava apenas 5% do faturamento da companhia e agora esse número subiu para 20%. E não deve parar por aí. “A tendência é chegarmos a 30% até o final do ano”, disse Renata.

Além de abastecer o mercado paranaense, a empresa tem representantes no Acre, Rondônia, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, São Paulo, Espírito Santo, Rio de Janeiro, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Qualidade

Para garantir que esses produtos cheguem ao consumidor com qualidade e garantia de que são seguros para a saúde, é necessário que passem por vários testes. O Tecpar é um dos institutos que oferecem essa análise no estado.  O álcool em gel ou líquido é avaliado para comprovar o percentual recomendado para ser antisséptico, conforme determina a Anvisa.

No trimestre composto pelos meses de março, abril e maio de 2019, o Centro de Tecnologia em Saúde e Meio Ambiente, unidade do Tecpar que realiza o serviço, recebeu apenas duas amostras para serem analisadas. No mesmo período de 2020, com a pandemia, foram 64.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]