Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Conasa
Conasa durante leilão na B3. Empresa foi uma das vencedoras de leilão de concessão da “rota da soja”| Foto: Divulgação/Conasa

De olho no sempre promissor segmento de infraestrutura no Brasil, a paranaense Conasa aguarda liberação da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) para fazer sua estreia da Bolsa de Valores. A empresa de Londrina, que atua em contratos de serviços de saneamento, rodovias e iluminação pública, pediu registro de IPO (sigla em inglês para a oferta inicial de ações) e espera levantar fundos para avançar em seu modelo de negócios: concessões públicas e parcerias público-privadas (PPPs) de infraestrutura pelo Brasil.

Atualmente, a empresa londrinense aponta que suas operações incluem o atendimento a 825 mil pessoas em saneamento, seu principal negócio, a gestão de 283 mil pontos de iluminação e 520 km de rodovias. A Conasa indica que atua no Paraná, Mato Grosso, Piauí, Alagoas, Rio de Janeiro, São Paulo, Santa Catarina e Pará. Agora, a companhia busca crescer em contratos de médio porte pelo país.

“Acreditamos que o setor de infraestrutura no Brasil apresenta déficits de investimento e enfrenta problemas que não podem ser solucionados, na escala e velocidades necessárias, sem a participação efetiva da iniciativa privada. Nosso principal foco está em concessões de médio porte, setor no qual acreditamos termos acesso a margens e perspectivas de retorno atrativos”, descreve a empresa em sua minuta do prospecto preliminar, um documento cadastrado na CVM e obrigatório em ofertas primárias de ações.

No mesmo documento, a empresa indica que pretende investir o dinheiro em novos contratos de concessão, na participação em outras empresas de infraestrutura e no pagamento de passivos da companhia e suas controladas.

Com o IPO, a empresa indica que pretende diversificar mais os seus negócios.  “Por conta do nosso enfoque, acreditamos ocupar um espaço único no setor de infraestrutura brasileiro, visto que nos posicionamos entre as companhias de grande porte que atuam nos setores de saneamento, energia e rodovias, que focam em grandes projetos, e companhias de menor porte, que, assim como nós, focam em projetos de menor escala, mas não têm, na nossa visão, estrutura de gestão e engenharia estruturadas e acesso a financiamentos de qualidade”, aponta a minuta.

Além disso, a Conasa se posiciona com uma estratégia de diversificação entre setores de infraestrutura, com maior foco em saneamento, mas com possibilidade de ingressar em outros setores, estratégia usualmente não utilizada por empresas em nossos segmentos de negócio, as quais tendem a ser focadas em um único segmento. A nosso ver, isso faz com que atualmente sejamos uma das únicas companhias com grande flexibilidade em nossa estratégia, atuando de forma competitiva em leilões regionais”, defende a empresa.

A empresa vem crescendo em rentabilidade. De acordo com dados apresentados à CVM, a empresa teve lucro líquido de R$ 57,7 milhões em 2020. Uma alta em relação a 2019 (R$ 10,3 milhões) e 2018 R$ 3,7 milhões.

A Conasa tem atualmente como sócios um grupo de pessoas físicas e os fundos Serpros e Igreprev Tocantins. Eles não venderão suas ações, no entanto.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]