i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Paraná S.A

Foto de perfil de Paraná S.A
Ver perfil
Parceria Público-Privada

Tecnologia curitibana diminuiu em 65% internações de doentes crônicos no SUS

  • PorMariana Ceccon
  • 22/06/2019 18:30
software-PGS- penedo-doentes-cronicos-atenção-básica
Sistema está sendo usado em Alagoas há um ano e resultados mostraram redução impactante no número de internações no local.| Foto: Foto: Divulgação

Parar de esperar que doentes crônicos tenham uma crise - e precisem de atendimento de urgência - e passar a monitorar a saúde dessas pessoas rotineiramente. Essa é a proposta da startup curitibana PGS Medical para reduzir em até 90% o atendimento em prontos-socorros do SUS (Sistema Único de Saúde) e 65% das internações de pessoas diagnosticadas com doenças como obesidade, hipertensão, diabetes e Alzheimer.

A solução parece óbvia para quem é partidário da atenção básica e conhece o trabalho das equipes da Saúde da Família, por exemplo. Prevenir é sempre melhor do que remediar. Mas para os fundadores da empresa de parceria público-privada, o que falta nesta equação lógica é algo tão básico quanto: tecnologia.

É por isso que a startup dedicou-se a desenvolver um sistema que envolve desde triagem desses pacientes com prioridade em realização de exames, até organização de agenda de atendimentos e uso de inteligência artificial para determinar protocolos de cuidados personalizados, inclusive em caráter domiciliar.

“O Brasil tem 40 mil equipes da Saúde da Família com esse propósito [prevenção]. São profissionais incompetentes? Não. Quando muito, trabalham com planilhas virtuais para acompanhar os pacientes crônicos, uma ferramenta que nem de longe é adequada para desenvolver uma linha de cuidados”, conta o diretor da PGS Medical, Wagner Marques.

“Com a tecnologia aplicada conseguimos aumentar não só a produtividade desses profissionais, como baixamos as internações e liberamos as unidades de emergência para outros tipos de atendimento, com melhor qualidade”, afirma Marques.

“Conseguimos quebrar o círculo vicioso de muitos pacientes crônicos que desenvolvem uma rotina de internações e tem dificuldade de aderir a um tratamento", pontua.

O gestor da empresa calcula que, em média, o custo de implementação desse sistema é de R$ 406 por ano, por paciente que esteja dentro desse perfil de atendimento. O valor, segundo ele, pode chegar a ser até 11 vezes menor do que o custo que um doente crônico proporciona ao SUS durante o mesmo período, sendo atendido de forma precária.

“Em Curitiba, por exemplo, a estimativa é gerar uma economia de até R$ 260 milhões”, garante Marques.

De acordo com a PGS, que há uma década já oferecia esse sistema em escala menor para unidades de saúde privadas, o mesmo protocolo de atendimento e acompanhamento personalizado pode ser implantado a outros grupos de atenção especializada, como gestantes, por exemplo.

Em Alagoas, sistema reduziu espera em UPA

software-PGS- penedo-doentes-cronicos-atenção-básica-2
Sistema mescla inteligência-artificial, agenda de procedimentos e coleta de exames, além de acompanhamento remoto dos pacientes. Foto: divulgação.| Foto: Divulgação

A tecnologia está sendo colocada a prova em Penedo, Alagoas. Há um ano a startup estacionou por lá, aproveitando o novo marco de Ciência, Tecnologia e Inovação, para firmar parceria com a prefeitura do município. Testada inicialmente em um grupo de 30 pacientes, hoje o sistema da PGS já atende 400 habitantes, graças aos números surpreendentes do programa.

“Hoje eu não tenho mais estrangulamento no atendimento básico”, garante o prefeito da cidade Marcius Beltrão (PDT).

“A espera média nas unidades para pulseira verde (pouco urgente) é de no máximo 40 minutos. Não é apenas o município que economiza, mas também o Estado e o governo federal, porque os atendimentos de alta complexidade são reduzidos quando há esse acompanhamento”, pontua.

“Além da redução de internações em quase 60%, também consegui aumentar em 30% o número de pacientes com câncer que atendemos, porque fazemos diagnósticos mais rápidos e aumentamos as chances de cura”, finaliza.

O diretor médico do Conselho Regional dos Secretários Municipais de Saúde do Paraná, Darci Martins Braga, disse que há uma sinalização do governo estadual para que a tecnologia curitibana seja aplicada em sua terra natal.

“Confesso que meus 30 anos de trabalho em saúde pública me gabaritam para dizer que essa tecnologia revoluciona a nossa forma de atender. Ao meu ver não vamos ter como não incorporá-la em algum momento”, arremata.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.