i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Pedro Menezes

Foto de perfil de Pedro Menezes
Ver perfil
Datafolha

Sim, a popularidade de Bolsonaro está caindo

  • Pedro MenezesPor Pedro Menezes
  • 02/09/2019 22:12
Presidente Jair Bolsonaro
Presidente Jair Bolsonaro| Foto: Patricia Monteiro/Bloomberg

“Datafolha”, respondeu Bolsonaro quando perguntado sobre o aumento da sua rejeição nos últimos meses. O presidente ignora que as pesquisas Ibope, CNT/MDA, XP/IPESPE e Veja/FSB,  todas, mostram o mesmo cenário. Não, Carlos, uma enquete no Twitter do Terça Livre não conta como pesquisa.

O suposto viés ideológico do Datafolha é incapaz de explicar a crescente impopularidade do presidente. Para negar que Bolsonaro perde apoiadores continuamente desde janeiro, seria preciso provar a existência de uma conspiração entre dezenas de empresas para fraudar suas pesquisas simultaneamente, em prejuízo a Bolsonaro. Não existe qualquer evidência neste sentido.

Para justificar o argumento, o presidente tuítou sobre uma pesquisa que, em setembro de 2018, indicava a vitória de Fernando Haddad num segundo turno contra Bolsonaro. Mas as pesquisas que não são realizadas na boca da urna, como bem sabe quem já abriu um livro sobre como analisá-las, não pretendem antecipar o resultado. Elas são um termômetro, medindo apenas a temperatura momentânea, sem determinar tendências futuras.

É possível que, em setembro de 2018, Haddad vencesse Bolsonaro. Nunca saberemos, porque não houve eleição em setembro. Quando houve eleição, as pesquisas acertaram. No dia 27, o Datafolha divulgou um último levantamento cujo resultado colocava Bolsonaro na frente com 55% dos votos válidos, contra 45% de Haddad. No dia 28, Bolsonaro venceu com 55% dos votos válidos, contra 45% de Haddad. Na mosca.

Com todos os institutos indicando a mesma tendência, é razoável supor que Bolsonaro de fato está perdendo apoio em velocidade recorde. Portanto, os próprios bolsonaristas precisam fazer uma autocrítica ou sofrerão as consequências.

Até o momento, uma das maiores novidades de Bolsonaro é a vontade de governar sem formar uma grande coalizão majoritária no Congresso. A indicação dos ministros não veio de parlamentares aliados, como os bolsonaristas gostam de dizer orgulhosos, e com razão. Caso siga perdendo popularidade, é provável que o plano seja abortado. Bolsonaro precisará buscar no Parlamento a sustentação que não encontra na sociedade. Não é possível governar o Brasil sem base parlamentar, sem apoio popular e sem pujança econômica.

A economia pode salvar o governo? Certamente, mas o timing importa e não parece estar a favor do presidente. O crescimento do PIB em 2019 deve ser ainda menor que o de 2018, um dado que pode explicar a decepção da população. Mesmo que a atual agenda de reformas coloque o país num bom rumo, e acredito nesta agenda, nada garante que os resultados virão no tempo que a política exige. As reformas, por sinal, podem ser contaminadas pela impopularidade do presidente.

Para quem não entendeu, o que quero dizer, vale a pena ser claro: bolsonaristas, vocês só ganham ao escutar críticas, revisarem o que estão fazendo de errado e continuar o que consideram correto. Esse exercício faltou ao PT e é essencial para entender sua derrocada.

Bolsonaro acertou em cheio ao defender pautas que contavam com a simpatia da população, mas não eram priorizadas pelos maiores partidos: fim do presidencialismo de coalizão, endurecimento das leis penais, zero respeito pela hipocrisia petista, dentre outras posições alinhadas com as do eleitor. Tudo isso sempre se refletiu nas pesquisas de opinião pública.

Por outro lado, em diversas pautas importantes, Bolsonaro diverge do brasileiro médio. Radicalmente. As pesquisas também indicam isso. Essas pautas podem não ter sido a prioridade numa campanha de um mês e meio, mas inevitavelmente aparecem num mandato de 4 anos.

Não há nada incoerente entre os resultados das pesquisas de opinião pública e os desdobramentos recentes da política brasileira. Nem há incoerência no comportamento de Bolsonaro. Convenhamos, improvável seria qualquer ponderação e sensatez nas palavras de um presidente cada vez mais rejeitado por suas declarações.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.