i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Pedro Menezes

Foto de perfil de Pedro Menezes
Ver perfil

Os populistas estão voltando

  • PorPedro Menezes
  • 13/08/2018 18:54
Paulo Pinto/Fotos Públicas
Paulo Pinto/Fotos Públicas| Foto:

“A história econômica da América Latina parece se repetir eternamente, seguindo ciclos dramáticos e irregulares”. É assim que Rüdiger Dornbusch abre um de seus artigos clássicos sobre o populismo macroeconômico. Se o leitor me pedisse uma indicação de leitura para entender a crise econômica recente, eu recomendaria os escritos de Dornbusch.

Apesar de a América Latina ser conhecida como terra fértil para a espécie, as faculdades de extrema-humanas do nosso subcontinente costumam abordar o populismo com desdém. É comum ler quem o trate como xingamento de conservadores buscando deslegitimar governos populares. Certa esquerda, adepta do argentino Ernesto Laclau, chega a tratar o populismo como mal necessário, uma arma para libertar a classe trabalhadora.

Esses acadêmicos operam como ideólogos, no sentido marxista da palavra. Suas ideias existem para sustentar determinadas relações de produção – ou seja, formam a estrutura que permite a reprodução do populismo por aqui. Não é por acaso que muitos exemplares da espécie, de Perón a Dilma, tenham sido apoiados pelos mesmos intelectuais que relativizam na teoria o mal dos populistas.

Dornbusch foi um professor alemão do MIT. Orientou o doutorado de dois banqueiros centrais sulamericanos – Ilan Goldfajn, atual presidente do Banco Central (Bacen), e o chileno José de Gregorio – e também de Paul Krugman, vencedor do Nobel e economista de esquerda mais influente do mundo. Seus artigos mais importantes sobre nossa região datam da virada entre as décadas de 1980 e 1990.

Leia também: Bolsonaro não é Médici, mas tem cheirinho de Chávez

Para Dornbusch, o populismo econômico é definido como “uma abordagem à economia que enfatiza crescimento e redistribuição da renda, dando menor importância aos riscos da inflação, financiamento de déficits, restrições externas e reações de agentes a intervenções agressivas nos mercados”. Em seguida, vem o seguinte alerta: “meu propósito não é defender uma política econômica conservadora, mas emitir um alerta de que políticas populistas sempre falham, e quando falham impõem um alto custo aos grupos que supostamente deveriam beneficiar”.

Os populistas transformam a pobreza e a desigualdade da América Latina em arma retórica para ignorar o financiamento de promessas. É uma revolta contra injustiças reais, mas irresponsável, de modo que acaba piorando os problemas que supostamente resolveria. Apesar de frequentemente alcançar seus objetivos de curto prazo, o legado populista leva a mais pobreza e mais desigualdade.

Juan Perón, o exemplo mais marcante de populismo na América Latina, chegou a confessar a prática em carta ao então presidente do Chile, nos anos 1950. As palavras de Perón exemplificam como o raciocínio populista opera, transformando preocupações com o longo prazo em desculpa de quem não gosta de pobre:

“meu caro amigo: dê ao povo tudo o que for possível. Quando lhe parecer que você está dando muito, dê mais. Você verá os resultados. Todos irão lhe apavorar com o espectro de um colapso econômico. Mas tudo isso é uma mentira. Não há nada mais elástico do que a economia, que todos temem tanto porque ninguém a entende”.

Qualquer semelhança com políticos brasileiros não é mera coincidência.

Dornbusch chegou a identificar os estágios do populismo, que sempre me lembraram uma célebre frase de Ivan Lessa: “a cada 15 anos, os brasileiros esquecem do que aconteceu nos 15 anos anteriores”. É assustadora a repetição da nossa história econômica republicana.

Na primeira fase do ciclo populista, um período de bonança incentiva a aposta em políticas expansionistas – mais gasto, impressora de dinheiro rodando a todo vapor, etc. Foi o que ocorreu no Brasil durante os governos de Getúlio, JK, Geisel e na transição Lula/Dilma.

Na segunda fase, os desequilíbrios macroeconômicos ficam claros e começam a cobrar seus custos. Foi o que ocorreu após todos os exemplos acima. O golpe de 1964, por exemplo, se deu em meio aos fortes desequilíbrios herdados de JK. Idem para a grande crise no governo Figueiredo, após o expansionismo de Geisel, intimamente ligado às Diretas Já. Raciocínio análogo vale para o governo Dilma e seu impeachment.

Por fim, chega a terceira fase, quando algum ajuste na política econômica se torna inadiável. É onde o Brasil se encontra atualmente. É difícil chegar a um acordo quanto a quais gastos devem ser cortados porque o ciclo geralmente acaba numa combinação de recessão, déficits e inflação. Como se não bastasse, os eleitores podem confundir remédio e causa: quem pisa no freio pode levar a culpa pelas dificuldades, dado que muitos dos custos de pisar no acelerador só ficam claros quando a política econômica se esgota.

A instabilidade política, outra característica da América Latina, é bem explicada pelas ideias de Dornbusch. Quando o governo frustra a população por não conseguir financiar as expectativas que ele mesmo gerou, a desconfiança no processo político se alastra. A democracia dificilmente se consolidará por aqui enquanto estiver sujeita a fortes ciclos populistas.

Como quebrar esse ciclo? Eis a pergunta que vale ouro – e, na minha opinião, a mais importante para o eleitor brasileiro em 2018. Para fugir do eterno retorno, um bom primeiro passo é rejeitar todo político que usa a pobreza e a desigualdade para justificar o desprezo às restrições que envolvem orçamento, taxa de câmbio ou de juros.

Em português: desconfie de quem promete muito enquanto desvaloriza a importância do ajuste fiscal. Fique esperto quando um populista confundir austeridade com maldade. Nos próximos 15 anos, precisamos nos lembrar do que aconteceu nos últimos 15.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.