Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Twitter, Facebook, Telegram, Whatsapp
| Foto: Reprodução/redes sociais

Em seu último livro, o cientista político Eitan Hersh formula um conceito interessante: political hobbyism, o hábito daqueles que transformaram a política em passatempo. O termo se refere ao cotidiano do grupo crescente de cidadãos, em geral ricos ou de classe média, que consomem pesadamente o noticiário político e correm para as redes sociais para comentar o que ocorreu.

Os adeptos do “passatempismo político” (tradução livre) participam da política através da formação de comunidades online junto a outras pessoas que compartilham das suas paixões e ódios. Eles acompanham cada detalhe dos processos de Lula, sabem de cor o nome dos 11 ministros do STF e dedicam várias horas do dia à atividade. Se você está lendo esse artigo, este problema provavelmente é seu.

As comunidades de passatempistas crescem a cada dia por todo o planeta. Ao invés de reunir pessoas de carne e osso visando uma mudança na sociedade, a politização ocorre como hobby de gente que usa a internet para sinalizar virtude a um grupo. O ódio a grupos rivais dá o tom da conversa, pois serve como um dos sinais de pertencimento a um grupo. O objetivo não é influenciar políticas públicas, mas ganhar likes e seguidores.

Uma das consequências do passatempismo político é o esquecimento dos assuntos locais, em favor daquilo que é discutido por todo o país. Nos últimos tempos, quantos cancelamentos de jornalistas com alcance nacional tiveram mais repercussão do que a política urbana da sua cidade? O que você acha que é mais importante?

E pior: esse esquecimento dos assuntos locais vai muito além de cancelamentos e hashtags irrelevantes. No atual debate público, os passatempistas possuem uma opinião forte sobre Carlos Bolsonaro e Gleisi Hoffmann, mas mal sabem o que o prefeito da própria cidade está fazendo. Uma eleição municipal ocorrerá dentro de poucos meses. Enquanto isso, o Twitter debate sobre o empresário americano Elon Musk – a direita precisa ter opiniões fortemente favoráveis, enquanto a esquerda diz o contrário.

Tamanha inversão de prioridades não faz sentido. Nós vivemos, antes de tudo, na cidade. Prefeitos são responsáveis por administrar creches onde estudam as crianças ao nosso redor e o zoneamento do bairro onde moramos. Eles possuem uma imensa capacidade de influenciar nossas vidas.

O problema se agrava num país continental como o Brasil. Os problemas que atingem cada região brasileira são radicalmente distintos. Santa Catarina terminou o primeiro trimestre de 2020 com uma taxa de desemprego de 5,6%, situação que praticamente representa um pleno emprego. No mesmo trimestre, a taxa de desemprego baiana estava em 18,7%. A taxa de desalento, que apresenta a situação daqueles que desistiram de procurar emprego, está ao redor de 1% no Paraná e 17% no Maranhão.

O passatempismo político faz com que muitos paranaenses, catarinenses, maranhenses e baianos dediquem uma atenção exagerada ao que ocorre em Brasília, ao invés de focar naquilo que acontece ao seu redor. O smartphone fica mais importante do que a vizinhança. Esse desequilíbrio fica ainda mais absurdo quando lembramos que a influência que um cidadão pode ter nos assuntos locais é incomparavelmente maior do que o seu impacto potencial na política nacional.

Perceba, leitor, que o problema foi inicialmente descrito por um cientista político americano, nascido na terra do federalismo, e tem ganho importância ao redor de todo o planeta. Não se trata, portanto, de um defeito específico deste país onde Brasília concentra a arrecadação tributária. Trata-se de uma questão global, uma cultura, um modo de ver a política que ganhou força na era do smartphone e da hiperinformação.

Inclusive faço o mea culpa: como colunista que praticamente só escreve sobre assuntos nacionais, seja na Gazeta, em outros veículos ou em redes sociais, eu também sou parte do problema.

Além de tirar nosso foco dos problemas locais, que temos maior poder para influenciar, o passatempismo político cria divisões desnecessárias e frequentemente transforma a política em prática de ódio, em detrimento da boa e velha formação de coalizões com objetivos comuns. As diferenças são exageradas por comunidades online que punem o pensamento independente e orientam a imprensa através de likes.

O passatempismo político descrito por Eitan Hersh precisa ganhar um lugar privilegiado nos debates sobre a ascensão recente de grupos extremistas. As redes sociais são uma grande invenção humana, mas está cada vez mais claro que elas incentivam uma cultura política polarizadora e prejudicial à democracia. Num país como o Brasil, que precisa urgentemente formar consensos para resolver profundos problemas, o passatempismo pode ser fatal.

26 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]