Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Paulo Guedes se perdeu nas próprias fantasias
| Foto: Edu Andrade/Ascom/ME

O Brasil tem um presidente de centro-direita cuja responsabilidade fiscal é amplamente reconhecida. O teto de gastos vem sendo cumprido e passa bem. Se o governo Bolsonaro errou na pandemia, a culpa é do ex-ministro Mandetta, que não avisou os colegas sobre a importância da vacinação e da testagem em massa, nem alertou para o risco de uma segunda onda. A articulação entre Legislativo e Executivo se dá de acordo com os mais nobres ritos democráticos e, assim, será possível aprovar reformas liberais para acelerar o crescimento do PIB.

As opiniões acima foram cometidas pelo ministro Paulo Guedes em entrevista publicada pela "Folha" na última segunda-feira. Tudo, é claro, para anunciar que a economia brasileira está decolando. Desde que entrou no cargo, ministro age como os funcionários de aeroportos brasileiros ali pelos idos de 2007, irritando um país inteiro com o anúncio de decolagens inexistentes.

Não foi o acaso que transformou o ex-fiador de Bolsonaro junto ao empresariado em motivo de piada na Faria Lima. Paulo Guedes se esforçou para deteriorar sua credibilidade. Ainda na eleição, fez promessas cujos números não fechavam nem com muita boa vontade – como o déficit zerado em 2019 ou o trilhão arrecadado com privatizações. Após assumir o cargo, manteve a mesma postura, que é patente nesta última entrevista.

O resultado não podia ser outro. É provável que, em suas declarações, Guedes imagine que guia as expectativas de mercado. Podemos imaginar a relação entre líderes da política pública e agentes do setor privado como um jogo. No primeiro estágio, o ministro dá uma sinalização. No segundo estágio, empresários decidem com base no sinal previamente emitido.

Ao explicar a inexplicável promessa de zerar o déficit em 2019, Guedes reconheceu que não poderia cumprir o que disse, mas mesmo assim pretendia motivar sua equipe. A explicação sugere uma incompreensão sobre as regras do jogo que o ministro tenta jogar. Num jogo repetido, a credibilidade é essencial. As supostas tentativas de motivar a equipe rapidamente se transformaram em descrédito. Quando o ministro realmente precisou tranquilizar o mercado, durante a pandemia, suas palavras se tornaram inúteis, pois ninguém acreditava nelas.

A exceção, é claro, está na militância governista. É sintomático que, fora do bolsonarismo raiz, ninguém mais leve Paulo Guedes a sério. Também é assustador que, depois de uma experiência tão amarga de derretimento da própria reputação, Guedes siga apostando na mesma estratégia.

A narrativa adotada na última entrevista é indefensável, como as anteriores. A alegação de que o governo Bolsonaro cumpriu o teto de gastos ignora a suspensão das regras fiscais durante o estado de calamidade pública em 2020 e os inúmeros remendos realizados em 2021. Os detalhes são importantes porque, numa resposta seguinte, Guedes promete que implementará uma série de políticas sociais sem mexer no teto – o que só é possível para quem considera que os remendos e suspensões recentes não representaram descumprimento da regra. Em última análise, sempre é possível gastar mais sem violar o teto de gastos – afinal, basta remendar a regra e o teto seguiria intacto, na visão do ministro.

Ao legitimar a recente adesão do Centrão ao governo Bolsonaro, Guedes considera que o recorde histórico de emendas parlamentares é apenas parte da evolução democrática brasileira. O orçamento de 2021 virou peça de ficção e regras fiscais foram tratadas com gambiarras dilmistas, mas não há nada aí além de uma democracia vibrante, na visão do ministro.

Como se não bastasse, o investimento bilionário na aquisição de parlamentares vem sendo usado na aprovação de reformas de baixa qualidade, que não serão capazes de dar à economia o impulso necessário. A reforma tributária em versão de puxadinho, que abordei em coluna recente e foi confirmada no início desta semana, é um símbolo do que digo. A privatização da Eletrobras recebeu voto contrário dos deputados mais privatistas do Congresso,  tamanha era a quantidade de emendas controversas. Na prática, o governo paga caro para aprovar textos ruins, que não terão o impacto desejado.

Quanto à culpa de Mandetta, o caso sequer precisa de muita explicação. O ex-ministro da Saúde foi demitido muito antes da segunda onda começar e depois do próprio Paulo Guedes prometer publicamente que conseguiria milhões de testes com um amigo inglês. Os testes, é claro, nunca apareceram. Guedes só volta a lembrar o tema agora para alertar que desconhecia a importância da testagem, pois não foi avisado pelo ministro responsável.

Se Dilma foi a maior ativista liberal que o Brasil já teve, Guedes se consolida como um dos maiores ativistas anti-mercado. No final da sua gestão, as mentiras e trapallhadas de Guedes serão genericamente atribuídas ao liberalismo, cuja reputação deve pagar a conta pela incompetência alheia. Isto já são favas contadas, é custo enterrado, não dá para fugir.

Dá para salvar alguma coisa? Bom, talvez dê para impedir tributação do Pix. Pois é, caro leitor: o ministro-palestrante, que posa como paladino do liberalismo, defende a ideia desde que assumiu o cargo e voltou a insistir no tema nestes últimos dias. Haja paciência.

87 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]