i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Polzonoff

Foto de perfil de Polzonoff
Ver perfil

"Para nós, há apenas o tentar. O resto não é da nossa conta". TS Eliot.

Como as estantes viraram cenários para leitores que não se interessam por livros

  • [09/08/2020] [22:04]
Na busca por um diálogo com os raros leitores interessados, escritores se alistam nas fileiras da guerra cultural.
Na busca por um diálogo com os raros leitores interessados, escritores se alistam nas fileiras da guerra cultural.| Foto: Pixabay

Estava aqui me preparando para falar do romance Intolerância, de Rafael Ruiz. A ideia era correlacionar o livro, que fala da disputa pelo poder de controlar a realidade por meio da linguagem, com o caso recente envolvendo a historiadora Lilia Schwarcz. Depois de querer bancar a formadora de opinião socialmente esclarecida, fracassar e sofrer linchamento virtual, ela pediu desculpas aos militantes num dos textos mais vergonhosos da história intelectual brasileira.

Mas aí me dei conta de três coisas importantes – e, por que não?, tristes. A primeira é a de que as pessoas ditas intelectualizadas, hoje mais do que nunca, não estão interessados em literatura. As estantes onipresentes nas lives de jornalistas e até dos leitores mais improváveis, os políticos, são apenas cenários. O próprio livro, enquanto objeto, é cenário de uma impostura. Hoje têm mais valor a capa dura e a encadernação e o design do miolo do que a história, os personagens e aquela metáfora cuidadosa e sutilmente construída.

A segunda é que mesmo os poucos que ainda se interessam por ficção muitas vezes não dispõem dos instrumentos mais básicos para interpretar um texto minimamente complexo. E a terceira é a de que a ficção contemporânea, na esperança ou desespero que estabelecer algum diálogo com esses leitores desinteressados ou despreparados, passa por um processo de croniquificação cuja consequência desconheço, embora ouse especular.

Ninguém se interessa por literatura

A primeira constatação, reconheço, não é brilhante nem nova, embora seja um tanto quanto deprimente. Faz tempo que ninguém se interessa por literatura no Brasil – se é que um dia as pessoas se interessaram de fato. Embora seja comum ouvir pessoas cheias de nostalgia falando de um tempo de livrarias lotadas de bons títulos vendidos às baciadas, cada vez mais tenho a impressão de que essa imagem é falsa. Afinal, o decadentismo, a “saudade do que não vivi”, é também uma válvula de escape para quem olha em volta e se depara com esse semiárido de ideias.

Aqui, contudo, faço essa constatação sem ressentimento algum. Aí está a realidade e a realidade é que a literatura perdeu espaço para outras formas de entretenimento e reflexão. Do cinema ao mangá, mesmo os mais esclarecidos se veem na confortável posição de abdicar da literatura sem maiores prejuízos. Pelo menos é nisso que eles acreditam.

O desinteresse das pessoas por literatura, vale dizer ainda, não tem nada a ver com o desinteresse das pessoas pelos livros. Bem pelo contrário. O livro é um objeto quase místico, uma espécie de contêiner de saber e, no caso da ficção, até de beleza. E as pessoas adoram acumular livros e mostrar os livros na estante e dar e receber livros de presente. Daí a se importar com o que aquele monte de letrinhas espalhadas pelas páginas diz são outros quinhentos.

Agora, se você me perguntar por que as pessoas não se interessam por literatura, principalmente pela literatura brasileira contemporânea, bom, aí eu teria de rebolar um bocado para responder à pergunta num espaço tão exíguo e sem que o leitor tivesse um ataque de narcolepsia. Talvez outra hora eu aborde isso. Só vou dizer, na esperança de colocar uma pulga atrás de sua orelha, que não tem nada a ver com o fato de a professora chata da 7ª série obrigá-lo a ler Machado de Assis, e não Harry Potter.

Aliás, talvez seja justamente o contrário disso.

Paulofreirização do leitor em potencial

Não sei se você viu (espero que sim), mas recentemente escrevi um texto claramente fictício em que um ministro do STF censura perfis de militantes antibolsonaristas nas redes sociais. Não é uma obra-prima nem nada – até porque o texto jamais se pretendeu a isso. A ideia era só criar um universo paralelo de assimilação rápida e, assim, fazer com que o leitor pensasse no efeito que as medidas autoritárias do STF teriam se elas atingissem “o outro lado”. E, se no processo o leitor der umas risadas, uau, sou o homem mais feliz do mundo.

Para minha surpresa, contudo, e apesar de um asterisco estrategicamente colocado no título para que as pessoas percebessem se tratar de ficção, muitos leitores levaram a ficção escancarada e até vulgarmente explícita (desculpe) a sério. O que me levou a questionar minha capacidade de me fazer entendido e, depois, a questionar a capacidade dos leitores de, por um instante apenas, fugirem do mundo muito real e encontrarem refúgio na imaginação.

Até onde entendo, para que a literatura se faça relevante um dia, é necessário que o leitor busque o questionamento e se faça vulnerável diante de um possível contraditório. Como ensina bem Mortimer Adler em seu Como Ler Livros e, mais recentemente, Alan Jacobs no obrigatório Como Pensar: um Guia de Sobrevivência Para um Mundo em Desacordo, ler exige sacrifício. Mas como conseguir isso de uma plateia que prefere o afago da confirmação ao trabalho incômodo da reflexão? Como conseguir falar se o público, no caso o leitor, não faz nenhuma questão de ouvir?

Outra coisa necessária para que a literatura um dia possa vir a ser fonte de algo proveitoso para o indivíduo e a sociedade em geral é a instrumentalização adequada do leitor. Sem que ele tenha capacidade de enxergar beleza numa frase ou de rir de uma referência mais ou menos obscura, o texto literário, por melhor que ele seja, não terá jamais valor algum.

E este deveria ser, mas não é, o maior dilema enfrentado por escritores hoje em dia: como alcançar de maneira eficaz e esteticamente bela um leitor formado pela escola paulofreiriana de estupidez? Em vez disso, escritores se digladiam por elogios e pelo cachê para participar de festas literárias que acompanha o prestígio intelectual e esteticamente estéril.

Croniquificação do romance

O que Intolerância tem em comum com o também ótimo Os Dias da Crise, de Jerônimo Teixeira, com alguns romances recentes de Cristóvão Tezza, com O Anônimo Célebre, de Ignácio Loyola Brandão e com toda a obra de Michel Houellebecq? Todos sofrem de um fenômeno que chamo de croniquificação do romance. São livros feitos para serem consumidos no calor dos acontecimentos, por assim dizer.

Embora numa crítica bem antiga ao livro (fraco) de Ignácio de Loyola Brandão eu aponte isso como um defeito e embora minha tentativa recente de reler Plataforma, de Michel Houellebecq, tenha sido frustrante, não é um fenômeno condenável per se. É compreensível a busca por um diálogo com esse raro leitor que, massacrado diariamente por manchetes de corrupção, atentados terroristas, quer se ver inserido num contexto mais amplo, mais profundo e mais perene.

A croniquificação do romance também satisfaz a necessidade de se ver a literatura inserida na já mítica “guerra cultural”. E de conferir aos dissabores enfrentados por quem não compartilha da nova ortodoxia um quê de heróico – no sentido mais imortal da palavra. É assim com Desonra, de J. M. Coetzee, e também com a fantasia antiliberal de O Homem Duplicado, de José Saramago.

É o que dá prazer à leitura de Intolerância. A sensação de fazer parte de algo para sempre marcado na história da Humanidade. De estar cercado com eventos determinados para o destino da Civilização Ocidental. De ser um pouco herói no conflito cotidiano de ideias.

Só não sei quão ilusória é essa sensação.

[Se você gostou deste texto, mas gostou muito mesmo, considere divulgá-lo em suas redes sociais. Agora, se você não gostou, se odiou com toda a força do seu ser, considere também. Obrigado.]

24 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]
Tudo sobre:

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 24 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • M

    mup

    ± 0 minutos

    Paulo, Você fica devendo um novo artigo em que aprofunde a informação que você deu, mas só de passagem, sobre o papel ridículo da Lillian. Essa gente precisa ser confrontada em todas as frentes. Chega do antigo monopólio da verdade que a esquerda nos impôs durante todos esses anos de hegemonia. Ainda haverá que escreva um estudo que analise em profundidade a ruptura ocorrida, em especial mas não só, depois da eleição de Bolsonaro. Essa ruptura abriu uma fissura cuja dimensão será um dia exposta em toda a sua importante dimensão. Por hora, parabens por mais um texto instigante.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    mup

    ± 1 minutos

    Paulo, Você fica devendo um novo artigo em que aprofunde a informação que você deu, mas só de passagem, sobre o papel ridículo da Lillian. Essa gente precisa ser confrontada em todas as frentes. Chega do antigo monopólio da verdade que a esquerda nos impôs durante todos esses anos de hegemonia. Ainda haverá que escreva um estudo que analise em profundidade a ruptura ocorrida, em especial mas não só, depois da eleição de Bolsonaro. Essa ruptura abriu uma frissura cuja dimensão será um dia exposta em toda a sua importante dimensão. Por hora, parabens por mais um texto instigante.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • P

    Paulo Eugênio Anunciação

    ± 18 horas

    Tive muitos alunos que, ao chegar na Universidade, não sabiam interpretar um simples texto e nem raciocinar corretamente. É uma deficiência de nosso sistema de Ensino, agravado com a ‘preparação para o vestibular’ aonde o estudante é apenas ‘treinado no método de múltiplas escolhas’. E, para piorar, o nosso sistema de Ensino está sob forte ataque dos conhecidos ‘Barões do Ensino’ – mercantilizando o Ensino, em detrimento do Ensino Público.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • S

    Sandra vicentin

    ± 20 horas

    Disse tudo ler exige sacrifícios, e o entendimento como vc mesmo disse não e fácil, por isso e tão fácil enganar o povo, eu gosto de ler literatura e vários tipos de leituras ,Mesmo assim as vezes não entendo

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • W

    WILSON MUGNAINI

    ± 20 horas

    "Acho o Brasil infecto. Não tem atmosfera mental; não tem literatura; não tem arte; tem apenas uns políticos muito **********." (Drummond)

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    Luca Brasi

    ± 21 horas

    Ótimo texto, Paulo! Essa tal "liliaschwarcz" merece um facepalm.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • F

    FRANCIELY

    ± 21 horas

    "ler exige sacrifício", quem quer se sacrificar atualmente? Em uma cultura em que tudo tem que dar prazer, em que todos devem ser prazeirosos, como ter leitores? ninguém quer se desafiar, sair da famigerada zona de conforto. então querido autor, voltemos à vaca fria!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • S

    Senor Rodriguez

    ± 24 horas

    Existe um texto na Revista Bula, intitulado "Pecados, demônios e tentações em Chaves", onde o autor narra, com nítido viés irônico, todo um complexo de arranjos existentes no seriado mexicano que comprovariam a tese de que toda a vila do Chaves seria o inferno. Assim, os personagens seriam referências a demônios e pecados, numa trama feita para enganar crianças e adultos... Se vc ler os comentários dos leitores (supostamente interessados em literatura, pois é a Revista Bula), vc verá o nível do leitor médio brasileiro...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    J. MOACIR

    ± 1 dias

    Mais um ótimo texto ! O leitor se forma na infância e primeira juventude. Peguei gosto pela leitura lendo - sim ! - Seleções do Reader's Digest , da qual meu Avô fora assinante ( de 1942 a 1967 ) . Agora - em plena Pandemia - li ( em apenas 5 meses acreditem ...) A MONTANHA MÁGICA de Thomas Mann, o qual tentei a leitura por 40 anos. Vou fazer um altar para colocar meu exemplar.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    João Teixeira Pires

    ± 1 dias

    Atualmente existe uma forte incitação para leituras rápidas, textos curtos, pouca preocupação com gramática, fugazes. Pouco estímulo a uma leitura mais calma, profunda, verdadeiramente associada à reflexão e ao aprendizado. Temos que nos policiar e não deixar-nos levar em demasia por esta tendência....

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    CRISTIANO ARAUJO

    ± 1 dias

    Entre ler e entender existe um grande abismo. Tiro isso na prática com meu filho de 13 anos. Ele ler muitos livros, mas compreende pouco. Então, fico o questionando sobre as ideias do livro e vejo como nossas escolas não ensinam mais interpretação de textos como deveriam. Meu filho se enrola com coisas simples, como quando no meio de uma explicação, eu o questiono sobre o significado de alguma palavra que ele usou e, simplesmente, ele nem sabe o que significa.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    Luís

    ± 1 dias

    Esse comentário foi removido por não estar de acordo com os Termos de Uso.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • S

      SILVIO MACIEL ROCHA

      ± 1 dias

      Esse comentário foi removido por não estar de acordo com os Termos de Uso.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • F

    fekrneiro

    ± 1 dias

    Excelente texto provocativo para reflexão àqueles cuja mente não foi poluída pela paulofreirização

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • H

    Henrique Barros

    ± 1 dias

    Meu amigo, fico impressionado com o Paulo Polzonoff Jr. Mensalmente, o cara produz, neste veículo de comunicação, uma grande quantidade de artigos e 99,9% são bons, bem feitos, interessantes.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    Josmar José dos Santos Júnior

    ± 1 dias

    Polzonoff, nosso caminho é a crônica. Talvez a paixão intelectual favorita dos parcos leitores brasileiros, comparável apenas aos glúteos alheios que determinada rede de televisão gosta de expor e explorar. Machado de Assis e Nelson Rodrigues tinham algo em comum, afinal...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Admar Luiz

    ± 1 dias

    No Brasil paulofreiriano, prezado Polzonoff, vc é mesmo um herói. Quando li, na semana passada seu texto, que chama de fictício - pensei comigo - a turba progressista não vai entender. Não deu outra. metáforas, figuras de linguagem, ironias? Non capisco niente, hein? Em tempo: Tenho cá comigo o livro do A. Jacobs, "Como Pensar". Nesses tempos de Felipe Netos, Anitas e tutti quanti, Polzonoff, "como pensar" é um guia de sobrevivência mesmo, eheheh...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • N

    Nm

    ± 1 dias

    O gosto pela Leitura se desenvolve na escola. Com a mediocrização do ensino desenvolvida pela esquerda nos últimos anos não me surpreende que a literatura esteja posta de lado. Tem que ver também a qualidade dos escritores que anda meio em baixa.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • E

    Eduardo 123

    ± 1 dias

    Não é à toa que Djamila Ribeiro é uma best seller. Está de acordo com os três pontos que o Paulo Polzonoff levantou.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Magaly FragaMoreira

    ± 1 dias

    Twitter, WhatsApp, Facebook facilitaram a comunicação e tiraram a capacidade de refletir e interpretar textos mais longos. Cinco linhas já é um exagero, ninguém tem paciência de ler. Havia Seleções do Reader’s Digest, lembra? A propósito, amei o texto sobre o STF, ri muito.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • D

    DENISSON HONORIO DA SILVA

    ± 1 dias

    O artigo coloca em evidencia muitos dos nossos problemas enraizados da nossa formação cultural. Não vou negar que desprezei a literatura brasileira contemporánea. Talvez por preconceito ou incapacidade de discernimento. Mas busquei nos clássicos europeus como Proust, Stendhal, Cervantes, Victor Hugo, Balzac, Thomas Mann e Shakespeare um reconforto da alma. É uma leitura mas ardua mas não menos prazeirosa. Precisariamos, depois de um forte embasamanto, aprimorar a ficção. Por exemplo, o ciclo de erva-mate, pode ser um belo gancho para retratar um momento pródigo da história paranaense. Você se habilita, Paulo?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • E

    Eliana

    ± 1 dias

    Seus textos já são um bom começo dos questionamentos que devemos fazer ao ler. Tem alguns que entendo mais, ( do STF entendi rsrsr) outros menos, mas todos servem, de alguma forma, para trazer reflexões. Obrigada.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Ricardo DSR

    ± 1 dias

    Quem com a lacração fere, com a lacração será ferido

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • O

    Orlando Tambosi

    ± 1 dias

    Sem desprezar o papel, Kindle para todos!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.