Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Lula fazendo gestos teatrais: quem precisa de detector de mentiras?
Lula fazendo gestos teatrais: quem precisa de detector de mentiras?| Foto: Ricardo Stuckert/ Fotos Públicas

É, eu sei que você está preocupado, estressado, revoltado. Sei que você se sente desamparado. Sei que não gosta muito da combinação cabo + soldado, mas tem horas que nem te conto. Sei que você olha para os filhos e netos e teme vê-los crescerem numa versão tupiniquim de Cuba, Venezuela, Argentina ou até Coreia do Norte.

E é por saber dessas coisas (e também porque é segunda-feira) que resolvi oferecer aos leitores uma perspectiva radicalmente diferente sobre a decisão recente do Supremo Tribunal Federal que anulou as condenações de Lula na Lava Jato, tornando-o elegível. É uma perspectiva polianesca, dirá alguém, e eu concordo. Outro argumentará que “no mundo real não é assim” e tudo bem. Haverá ainda quem me chamará de petista e, ah, beleza.

O fato é que, apesar de não parecer (e não parece mesmo), um Lula quase octogenário concorrendo pelo terceiro mandato de presidente deste Brasil varonil é uma oportunidade que, com alguma sorte e um pouco de juízo, não desperdiçaremos. Parafraseando Jane Fonda, Lula candidato é um presente de Deus para a direita. Só não vê quem não quer.

Enfim livres do getulismo

“Mas e a impunidade?!”, pergunta alguém antes que eu comece a explicar por que Lula candidato em 2022 é uma bênção disfarçada de injustiça. Ao que respondo que a lei nunca fez nem nunca fará o homem bom. Ainda que fosse desejável uma punição exemplar a Lula, é uma ilusão acreditar que uns aninhos na prisão quitariam a dívida do indivíduo perante a sociedade e sua própria consciência.

Assim, uma vez livre, leve, solto e exposto ao escrutínio do povo Lula poderá demonstrar toda a sua soberba dizendo que não se arrepende de nada ou mentir dizendo que não fez nada de errado. Será uma grande oportunidade de vermos, mais uma vez, o estrago que a ideologia e o poder causam numa pessoa e, assim, declararmos de uma vez por todas que não queremos que essa mentira ambulante guie o país rumo à concretização de seus delírios narcisistas.

Mas essa não é a única oportunidade que se descortina com a presença nauseante de Lula na urna eletrônica. Graças à decisão atrapalhada do Clube das 11 Constituições, teremos a possibilidade de mostrar que, apesar das muitas teses e da experiência que nos diz o contrário, somos um povo honesto e não votamos em quem já confessou que nos enganou uma vez.

E não adianta vir com esse papinho de Bolsa Família, fim de desigualdade, direitos trabalhistas, empregada viajando de avião, pobre estudando sociologia em Berkeley, regulação da imprensa. À custa da pior recessão da história e de um país dividido, aprendemos a lição e não, não vamos nos deixar levar por essa ladainha de novo. Uma derrota de Lula em 2022 representa, portanto, uma carta de alforria para os brasileiros, enfim livres de líderes populistas e seus potes de ouro no fim do arco-íris. Enfim livres (só meio século mais tarde) do getulismo.

A proverbial limonada

Lula candidato em 2022 é, ainda, uma oportunidade de revermos nosso passado e fazermos uma autocrítica do tipo “como é que eu caí na lábia desse sujeito antes?”. Se for o seu caso, não se fustigue. Acontece (embora nunca tenha acontecido comigo). Afinal, é a vida lhe dando uma segunda chance de não cometer o mesmo erro. Além disso, imagine só ver as peças que um novo João Santana criará para o Lula oitentão neojacobino e rir de doer a barriga diante das muitas falácias ditas com aquela voz diabolicamente rouca?

Por fim, mas não menos importante, Lula candidato em 2022 e o consequente desespero da esquerda se traduzirão em bolos melhores e cafés mais quentes oferecidos nos locais de votação aos que se disserem dispostos a “mudar de ideia”. Sem falar naquela gargalhada de alívio que promete unir a nação quando a derrota for anunciada por um provavelmente constrangido ministro do TSE.

Então é isso. Em vez de chupar esses limões azedíssimo aí que nos deram os 11 Ministros e um Falso Inocente, esprema-os até a última gota, adicione a água de seu senso de justiça, adoce com um bocado desses princípios conservadores que você defende nas redes sociais e sirva num copo de otimismo.

* Este texto foi escrito antes de o presidente Jair Bolsonaro dizer que um povo que vota em Lula “merece sofrer”. E, antes que você me pergunte, não, não merece.

248 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]