i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Renan Santos

Foto de perfil de Renan Santos
Ver perfil
Feminismo e cultura macabra na América Latina

A dança da morte

Se há algo em comum entre a dança da morte do período medievo e a celebração das “mulheres conquistadoras” na Argentina, está na essência

  • PorRenan Santos
  • São Paulo
  • 13/01/2021 13:32
A dança da morte
| Foto:


O ser humano está farto, com sucessivas ondas de “estar farto”. Assim como no século XIV, a humanidade dança com a morte — ou como diriam os antigos, faz uma “dança macabra”. Nas manifestações artísticas da época, em decorrência da peste, era comum encontrar essa cena, onde se misturam vivos, mortos, moribundos, e até mesmo a morte dança em conjunto.

No entanto, não é sobre essa dança que venho tratar aqui. Na Idade Média, esse símbolo tinha como objetivo lembrar os fiéis que a morte era inevitável, que o fim chegaria, gostemos ou não.  Como o mundo ocidental passou a se destacar pela inversão de seus valores tradicionais, o cenário que temos hoje é um pouco diferente.

Cumprindo sua promessa de campanha, o presidente da Argentina, Alberto Fernández, ao final do seu primeiro ano conseguiu aprovar um projeto que legaliza o aborto no país. Quando o assunto é interrupção deliberada da gestação, a primeira pergunta que se faz é sobre a existência ou não de uma vida no feto, consequentemente abrindo a questão do momento em que surge a vida. O debate é inconcluso, as divisões ideológicas e políticas antagonizam as respostas.

Então poderíamos aceitar que não há uma resposta concreta para esse problema? Vamos dizer que sim; dar o benefício da dúvida aos incautos. Com isso, alguém poderia esperar uma dança que cultua o ato que possivelmente extermina uma vida? Sim, poderíamos. Em 2018, feministas se mobilizaram para celebrar a possibilidade de abortar. Desta vez não foi diferente, com a exceção de terem protagonizando um show de horrores na cara de quem vislumbra essa insanidade. Mas essa não era a intenção?

Se há algo em comum entre a dança da morte do período medievo e a celebração das “mulheres conquistadoras” na Argentina, está na essência. Em ambos os casos, a finalidade dessa expressão é chocar, e a origem é a tentativa de colocar a vida contra a própria vida. Explico.

O ser humano vive em uma relação de conflito com o mundo, buscando se impor sobre ele; quando consegue, ganha uma elevação do seu próprio ser, mas do contrário, fica impedido de externalizar sua vontade, e volta sua imposição contra si mesmo. No primeiro caso, a Europa estava devastada pela Peste Bubônica, colocando todos as certezas do homem contra a parede. A angústia e o desespero frente a essa realidade que se impõe contra o sujeito provocam reações distintas; a Igreja soube muito bem controlar os impulsos naturais daqueles que viviam naquele contexto. As representações da dança da morte provocavam medo, choque, espanto, resultando em maior fidelidade ao ideal apresentado pela Igreja. O homem se revolta com a ideia de que tudo iria se resumir a desgraça do mundo infestado pela peste. 

Do mesmo modo, a dança macabra das “hermanas” surge de uma ação da vida contra a própria vida; não pregam uma vida após a morte, mas possuem também um ideal. O horror e a depressão presentes na mente dessas feministas surgem também da revolta, da insatisfação e do ressentimento com a imposição do próprio mundo. Todavia, o que diferencia os casos é justamente uma questão de ordem. A celebração resulta de uma espécie de “vitória” contra o mundo. O resultado, meus caros, não parece ter sido nada parecido também. A dança não provocou medo ou desespero, mas aversão e repulsa; elas não pretendem nos lembrar da morte para que, ao fim, nos juntemos a elas. Pelo contrário, a dança expressa a grande contradição da própria luta do movimento.

A senadora Silvina García Larraburu, do parlamento argentino, antecipou seu voto favorável ao projeto, quando declarou: “Meu voto é por uma mulher livre, que possa decidir por sua própria consciência”. É justamente daí que nasce o sentimento de repulsa frente à dança macabra. Partindo desse voto, podemos entender como é, portanto, a consciência daquelas que dançavam e pulavam festejando a “conquista”.

Como podem passar anos gritando para terem o “direito de escolha” e agora saltitarem como se houvesse algum prazer, alguma vitória, quando juravam se tratar apenas de uma opção necessária para a mulher? Mesmo com a “colher de chá” que demos no início do texto, a mínima celebração de um procedimento baseado na morte justifica a atribuição do termo “macabro” ao ato.

A repercussão do vídeo no Brasil deve deixar claro qual é a mentalidade por detrás da luta desenfreada pela interrupção da gravidez. Certamente não se trata de uma questão sanitária, como costumam dizer com o objetivo de anular argumentos éticos, jurídicos e até científicos.

Trata-se de uma reação meramente calcada no ressentimento, na frustração existencial que busca um ideal para se impor sobre o mundo; uma conquista que pisa em cadáveres, que servem de voz — mera narrativa — para seu grito angustiado em um mundo que cada vez menos faz sentido para todos nós.

12 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 12 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • B

    Bernardo Andrade

    14/01/2021 20:05:24

    Bom texto mas dizer que a questão da origem da vida é inconclusiva é errado. A fecundação é o momento da origem da vida. Daí para frente é mera reprodução celular, ou seja crescimento. Querer criar outros momentos para chamar de início da vida é arbitrariedade e subjetividade não científica. 3, 4, x, semanas ou só quando tem sistema nervoso "completo" ou quando tem coração, é puro exercício de subjetividade. Fecundou, pronto! É nova vida que irá se desenvolver independentemente de religião ou ideologia. É pura biologia.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • H

      HEVERTON LUIZ VACCAO DA SILVA

      14/01/2021 18:51:19

      O Luciano Aymeuanus paga pra esse Renan tecer seus comentarios frivolos na gazeta? Dão espaço a ele por ele ser de um movimento centrista? Pq não dizer, geocentrista?

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • R

        rogerio

        14/01/2021 16:59:29

        Até que enfim um texto coerente, quando não faz ataques sem fundamentos ao Bonoro fica mais fácil terminar de ler essa coluna.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • M

          Mauricio Conde

          14/01/2021 16:59:28

          Bom texto.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • C

            Cássio

            14/01/2021 16:47:30

            Como leitor assíduo do Gazeta, informo que não confio mais no Renan.

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            • A

              ALVARO JOSE JUNQUEIRA NUNES

              14/01/2021 16:23:24

              Macabro mesmo! Porque ninguém ainda lembrou de lançar o movimento "FETO LIVRE"?

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

              • M

                Marta M S Kogut

                14/01/2021 15:15:03

                Esse assunto é bem difícil... Seus argumentos estão muito bons! Parabéns!

                Denunciar abuso

                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                Qual é o problema nesse comentário?

                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                Confira os Termos de Uso

                • L

                  Luciano Pimentel Jorge de Souza

                  14/01/2021 12:30:11

                  Perfeito!

                  Denunciar abuso

                  A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                  Qual é o problema nesse comentário?

                  Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                  Confira os Termos de Uso

                  • L

                    Luiz

                    14/01/2021 12:25:29

                    Parabéns ao nobre aí, até que enfim um texto digno de estar neste jornal. A defesa da vida deve sempre se sobrepor, e em qualquer circunstância. Esses imorais que pregam o abortamento vivem o materialismo cruel, asselvajado, que tem que matar alguém para ser feliz. Quando alguém perpetra o abortamento, não é o seu corpo que é lesionado, assassinado, é o do seu filho. "Abortamento é tisnar as mãos com o sangue de se próprio filho". (RT) Não quer seu filho?, tenha-o, e o dirija a outras mãos. Há sempre uma família esperando por uma adoção.

                    Denunciar abuso

                    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                    Qual é o problema nesse comentário?

                    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                    Confira os Termos de Uso

                    1 Respostas
                    • J

                      João Carlos

                      14/01/2021 12:50:24

                      Concordo 100% c/ teus comentários, Luiz!

                      Denunciar abuso

                      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                      Qual é o problema nesse comentário?

                      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                      Confira os Termos de Uso

                  • E

                    Everaldo Basso

                    14/01/2021 14:07:10

                    Esse comentário foi removido por não estar de acordo com os Termos de Uso.

                    Denunciar abuso

                    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                    Qual é o problema nesse comentário?

                    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                    Confira os Termos de Uso

                    • L

                      LSB

                      14/01/2021 2:45:09

                      Muito bom artigo!

                      Denunciar abuso

                      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                      Qual é o problema nesse comentário?

                      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                      Confira os Termos de Uso

                      Fim dos comentários.