Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
O fim da direita brasileira
| Foto:


Houve um dia em que caminhavam, todos juntos, marchando contra um bloco hegemônico, nomes dos mais diversos que compõe a fauna política atual. Nas ruas, o Movimento Brasil Livre convocava as maiores manifestações que este país já viu; nos tribunais, a operação Lava-Jato desnudava os alicerces corruptos que mantinham de pé o projeto político do PT. Influenciadores dos mais diversos se convertiam em lideranças políticas, e mesmo políticos tradicionais tratavam de tirar sua casquinha.

O processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff representou o surgimento de um fenômeno de massas jamais igualado na história do país. Produziu mudanças e convulsões das mais diversas, e trouxa à baila uma perspectiva política abafada por aquilo que podemos chamar de establishment — termo, aliás, que se popularizou durante este fenômeno. Suas linhas gerais, ainda que rudimentarmente, se faziam nítidas — da defesa da economia de mercado a um intenso — quase histérico — combate à corrupção. A pauta conservadora também ganhava força, bem como o punitivismo penal, as teses armamentistas e a descrença nas instituições. 

O processo foi virtuoso enquanto se firmava como uma sequência de causas, devidamente articuladas, que pautavam a imprensa e o congresso nacional. Da queda de Rousseff até o apoio às reformas econômicas de Michel Temer, o saldo era profundamente positivo. Mas o ano de 2017 — e a proximidade do calendário eleitoral — trouxe a público os aspectos mais baixos e sombrios deste processo histórico.

De um lado, o bolsonarismo, ainda minoritário, se fundia com o sectarismo violento de Olavo de Carvalho, e ganhava força nas redes provocando expurgos e cancelamentos na direita. De outro, as fileiras mais arrivistas da Lava-Jato, cristalizados na figura de Rodrigo Janot, enxergavam a operação como projeto de poder, liderando uma tentativa de golpe contra Temer — via Joesley e imprensa militante — e uma criminalização total e completa da atividade política. 

Podemos cravar com certa segurança que tudo o que sucedeu o fatídico golpe de Joesley é tragédia para a direita brasileira. Como prelúdio do governo Bolsonaro, a greve dos caminhoneiros do ano seguinte demonstrou que a massa de brasileiros insatisfeita com o sistema política seria presa fácil dos populistas de ocasião. O então candidato Bolsonaro e seus influenciadores fizeram coro à chicana sindicalista, ajudando a parar o país. Influenciadores da direita que não se alinhavam eram cancelados, como os jornalistas Alexandre Borges e Rachel Sheherazade. Marcado por uma tentativa de assassinato, o pleito que elegeu o capitão de artilharia e dezenas de direitistas ao parlamento soou amargo do começo ao fim. Mas a jornada ao inferno apenas começara.

No poder, o Bolsonarismo inebriou-se pelas possibilidades e pelo dinheiro, buscando a hegemonia a qualquer custo. Quem não se ajoelhava, era cancelado, atacado, destruído. Foi assim com o MBL, Danilo Gentili, Nando Moura e tantos outros. Gente sem qualificação, bajuladores e conspiracionistas disparavam contra lideranças que ergueram a direita brasileira. Plataformas de bots e perfis falsos em massa aderiam ao processo. Havia dinheiro como nunca dantes; a máquina petista retornava sob nova direção. 

Por outro lado, quem aderia, de forma acrítica, era recompensado. De verba da Secom até indicação em veículos de televisão, muitos foram os direitistas que venderam sua consciência a troco de dinheiro. Amigos delatavam amigos, colegas de trabalho passaram a se ofender. A Jovem Pan, outrora voz de uma classe média em rebelião, passou a ser difusora de notícias falsas e propaganda governista. A agressão contra dissidentes — André Marinho que o diga — deixou de ser verbal e passou a ser física. O colapso havia chegado.

O presidente que se elegeu cooptando o maior movimento de massas do país tratou de vender as causas que representou como um milionário endividado se livra de seus bens. Das reformas que não vieram até a rifada histórica em Sérgio Moro, Bolsonaro abandonou suas promessas em prol da salvação de seu filho. Foi assim que construiu um governo sem rumo, vazio de significado, ausente de concretude. Pior que isso — um governo espetaculoso, eterna cortina de fumaça que promove a causa exótica do mandatário enquanto culpa o sistema por sua inoperância. 

Bolsonaro acabou com a causa anticorrupção. Fez o discurso liberal virar troça através de Paulo Guedes. Viu a mamata vicejar na vergonhosa aliança com o centrão. A temática conservadora serviu apenas para colocar um aliado de Toffoli no STF, enquanto o recrudescimento das leis penais, promessa de campanha, se converteu na sanção ao juiz de garantias de Marcelo Freixo. Não há pauta que a direita defenda que Bolsonaro não tenha transformado em caricatura ou ofensa. Como causa, a direita se esgotou.

Nesta última semana vimos os lacaios do governo exercitarem sua submissão na palhaçada do voto impresso. Como avisei em minha última coluna, era tudo showzinho barato para que Arthur Lira aplicasse mais um golpe. Dito e feito; o gado bateu os cascos e seus parlamentares se fingiram de patriotas. “Defendemos a democracia!”, gritavam em uníssono. O silêncio perante os tanques também se fez ouvido. Dentre eles, figuravam os deputados federais do Novo, que embarcaram na aventura golpista em nome de um punhado de votos nas próximas eleições. O racha no partido se aprofundou, seu melhor parlamentar pulou fora. Eis a última vítima — um partido de direita — do presidente Jair Bolsonaro. 

É fato que grandes amizades se perderam e grandes lealdades se foram. Do campo liberal e conservador restam farrapos, processos e ressentimentos, que não serão — nem devem ser — curados mediante novos pactos políticos. A direita precisa se destruir, para que dos seus escombros algo melhor e menos oportunista venha surgir. A bem da verdade, as sementes já foram lançadas. Aqueles que se rebelam contra Bolsonaro serão os mesmos que farão a oposição contra Lula. É daí, e apenas daí, que uma direita de verdade poderá prosperar.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]