Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
O liberalismo popular de Arthur do Val
| Foto:

Olá, amigos da Gazeta do Povo. Esta é a primeira coluna deste que vos fala, e prometo honrar o espaço com o melhor que tenho a oferecer: análises políticas que mesclam a experiência real de agente que sou — enquanto coordenador do MBL — e a de analista meio bagunçado nas redes sociais.

Nada melhor, então, do que compartilhar com os leitores algumas palavras sobre o evento político mais memético — e por que não relevante? — desta semana que se passou: o surreal enfrentamento entre meu colega de movimento (e deputado estadual) Arthur do Val e sindicalistas enraivecidos ao lado de deputados do PT. Sobraram mordidas, porradas e memes — além de algumas percepções da sociedade civil que ajudam a explicar bem o estilo de ação política de Arthur.

Primeiro, vamos aos fatos: o deputado estadual, agora sem partido, tomou a palavra em sessão na Assembléia Legislativa que tratava da reforma da previdência para confrontar o deputado Ênio Tatto, do PT; este havia provocado sua colega Janaína Paschoal ao dizer que ela estava sentada no colo de João Doria, maneira não muito elegante (tampouco politicamente correta) de se referir a uma mulher. A provocação de Ênio era acompanhada de gritos efusivos da patuléia sindicalista ali presente, que chamava Janaína de nazista , fascista e assassina.

Diante do microfone, Arthur dobrou a aposta. Referiu-se aos sindicalistas como "vagabundos", prometeu “acabar com suas mamatas” e feriu-lhes os brios ao duvidar de sua… digamos… capacidade enquanto agressores. Eles viravam as costas e diziam “uh, vai morrer!”; Arthur respondia dizendo que não tinham coragem de fazer coisa alguma. Mais do que o show de provocações, assistíamos ali ao nascimento de um meme e à construção de uma narrativa sólida o suficiente para resolver o debate previdenciário em São Paulo.

Entendamos: Arthur sabia o que estava fazendo. A frieza em seu tremelicar de ombros, enquanto dizia “ficou ofendidinho” para o deputado “Barba”, do PT, demonstra o raciocínio estratégico de um caçador que conduz a presa até a armadilha. Barba, além de convocador (e líder) da bagunça sindical ali presidente, era também articulador de proposta que liberava R$ 40 milhões dos cofres públicos para “verbas de propaganda” — incluindo redes sociais — para a Alesp. Seria farra com dinheiro público em ano eleitoral, uma espécie de bônus local ao fundão aprovado em Brasília.

O resultado da provocação o país inteiro viu. Barba e seus colegas petistas partiram para a agressão física contra Arthur, sendo contidos pelos colegas presentes. O deputado Heni Ozi Cukier, do Novo, terminou mordido, e a sessão interrompida. Para todos que assistiram aos recortes de vídeo do momento, o cenário ficara claro: Arthur peitou a massa de sindicalistas corporativistas — sabotadores das contas públicas, se preferir — , falando verdades em português de botequim ao microfone; foi agredido — não sem antes montar guarda de boxe ( frágil e pouco técnica, reconheçamos…); e provou que é possível ser corajoso sem ser populista — algo raro em tempos de Jair Bolsonaro e Wilson Witzel.

Viral como rastilho de pólvora, o vídeo com a contenda espalhou-se pelo país e pela América Latina. Foi tema de debate na televisão argentina e inspiração para memes dos mais diversos; colocou a Alesp, pela primeira vez, entre os trending topics do twitter. E fez com que o entendimento geral da população sobre o debate previdenciário se desse na dicotomia entre corporativistas sindicais e população pagadora de impostos — um recorte bastante fidedigno da realidade.

A novidade na ação é que Arthur tornou espetáculo temas áridos como previdência, privilégios e tamanho do Estado. Antes já o fizera, enquanto ativista, ao questionar o rendimento do FGTS em eventos da esquerda, ou ao desmontar as invasões de escola contra a PEC do Teto no Paraná. Como deputado, porém — diante das limitações impostas pelo cargo — a tarefa era mais inglória, e o resultado, por conta disso, mais celebrado.

A diferença entre seu trabalho e as gritarias ridículas da bancada federal do PSL — ou mesmo as meméticas, porém vazias disputas de Bolsonaro contra Jean Wyllys e Maria do Rosário — é que seu espetáculo não se dá no campo do populismo barato ou do moralismo oportunista, praga que assola o dito “conservadorismo" brasileiro. Arthur fez do liberalismo político — e não é disso que se trata a luta contra privilégios? — tema de discussão em escolas, grupos de WhatsApp e rodas de amigos. Converteu as corporações, terror de governadores reformistas, em vilões nacionais. Transformou a outrora “luta por direitos” — slogan dos sindicatos em sua luta por  mamatas — em mesquinharia vil e covarde. Traduziu como ninguém impessoalidade e cidadania para o homem comum.

A confusão da última quarta-feira na Alesp serviu para mostrar que é possível construir um liberalismo popular, envolvente e simpático; um liberalismo distante dos prédios da Faria Lima e mais próximo das vielas do Aricanduva; o liberalismo contra privilégios, que derrubou monarquias absolutas e estabeleceu dignidade para o homem comum ao longo dos últimos 300 anos. Balançando os ombros ou montando guarda, Arthur foi John Locke em tempos de Felipe Neto.

45 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]