i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Roger Pereira

Foto de perfil de Roger Pereira
Ver perfil

A política do Paraná em primeiro plano

Aulas presenciais

Por segurança jurídica, Paraná quer incluir educação entre atividades essenciais

  • 17/01/2021 13:00
Protocolos e perspectiva de vacina devem permitir o retorno às aulas em 2021.
Protocolos e perspectiva de vacina devem permitir o retorno às aulas em 2021.| Foto: Gerson klaina / Tribuna do Paraná

Está definido. As escolas da rede estadual de educação retomam as aulas presenciais em 18 de fevereiro. O início do ano letivo de 2021 se dará em modelo híbrido, em que metade da turma acompanhará as aulas em sala de aula e a outra metade de forma remota através de dispositivos eletrônicos como celulares, tablets ou computadores, alternando-se semanalmente entre o presencial e o remoto. Para dar segurança jurídica ao sistema, o governo do Paraná prepara projeto de lei que transforma a educação presencial em atividade essencial no estado.

WhatsApp: receba um boletim diário com notícias do Paraná

“O Paraná caminha para reconhecer a educação como atividade essencial. Assim com a saúde, o abastecimento, o transporte coletivo. Já está na Casa Civil, e deve ser apresentado à Assembleia Legislativa assim que os deputados retomem os trabalhos (em 1º de fevereiro), projeto de lei neste sentido, que coloca a educação no seu devido patamar pela sua importância dentro do contexto social”, disse o diretor-geral da Secretaria de Estado da Educação, Gláucio Dias.

A definição das atividades essenciais e que, por isso, mantinham-se funcionando mesmo durante os períodos de maior restrição no enfrentamento à pandemia de Covid-19 foram definidas, sempre, por decretos do governador Carlos Massa Ratinho Junior (PSD). Dias explicou que, agora, optou-se por um projeto de lei para dar mais segurança jurídica à medida. “Acompanhamos, durante este período de pandemia, várias questões sendo judicializadas. Então, estamos buscando colocar isso na lei, pois, se houver algum questionamento judicial, haverá uma lei para embasar a decisão do juiz”, argumentou. “Estamos buscando apenas dar mais estabilidade, mais solidez ao ordenamento jurídico, mesmo com a legislação já versando que isso é uma prerrogativa do governador”, acrescentou.

No mesmo projeto de lei, a Secretaria de Estado da Educação (Seed) pedirá que, uma vez a Educação incluída nas atividades essenciais, seja dada prioridade aos professores da rede no programa de imunização contra o coronavírus.

Gláucio Dias também explicou como funcionará o modelo híbrido a partir de fevereiro: “Metade da turma fica em sala de aula e metade online. A aula é a mesma, será filmada dentro da sala e o aluno assiste em um dispositivo, que já dispõe, pois foi fornecido pelo Estado. O Estado ainda vai contratar internet para o aluno que não dispuser”.

Segundo o diretor da Seed, ainda não foi definida a normatização do funcionamento das escolas. “Está sendo construído um novo decreto, com rígidos protocolos de segurança, que autorizará as atividades acadêmicas presenciais mediante o estrito cumprimento da resolução 632 da Secretaria de Saúde. A resolução que já tem todas as normas de segurança, como o uso de máscara, a disponibilização de álcool em gel, o distanciamento entre as carteiras, a proibição de atividades com contato físico, o horário de entrada e saída intercalados, entre outras”.

Dias informou, ainda, que serão incluídas, na grade curricular, duas aulas semanais de saúde pública. “Numa mudança de paradigma. Antes fechou-se a educação porque ela atrapalhava no enfrentamento da pandemia. Agora, vamos usar a educação para educar a sociedade sobre a pandemia. Temos 1 milhão de alunos, que fazem contato familiar direto com, pelo menos, mais três pessoas. Nenhuma instituição tem tanta capilaridade para levar informações sobre prevenção, inicialmente à pandemia e, depois sobre qualquer outro assunto de saúde, que a rede estadual de educação”, disse.

O diretor contou ainda que a estrutura montada para as teleaulas em 2020 será mantida pela Seed, como uma ferramenta de apoio pedagógico “e, mesmo, como um estepe, caso a epidemia volte a se agravar e necessitemos de um lockdown”.

5 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 5 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • A

    AM

    18/01/2021 18:41:44

    Excelente notícia !!!!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • G

      Gerson Luis Maciel

      18/01/2021 6:10:52

      A Educação para esse governo é só fachada. O único motivo para "essencializar" a Educação é evitar a greve e protestos pelo sucateamento. Durante a pandemia professores trabalharam até a exaustão. Governo farsante.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • J

        Julio Penteado Sajnaj

        18/01/2021 1:31:35

        Parabéns pela iniciativa!

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • P

          Paula Asinelli

          17/01/2021 23:46:46

          Espero q os deputados escolhidos por nós, votem logo esse projeto!!! URGENTE

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • A

            Ana Cristina Cury

            17/01/2021 18:15:46

            Torcendo muito por este projeto de lei!

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            Fim dos comentários.