i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Roger Pereira

Foto de perfil de Roger Pereira
Ver perfil

A política do Paraná em primeiro plano

Corrida pela vacina

Após descartar compra de vacinas, Ratinho Junior visita sede da Fiocruz

  • 07/01/2021 19:22
Governador visita unidade de produção de vacinas da Fiocruz.
Governador visita unidade de produção de vacinas da Fiocruz.| Foto: RODRIGO FELIX LEAL

Após descartar a compra de vacinas pelo estado, defendendo o Plano Nacional de Imunização, o governador do Paraná, Carlos Massa Ratinho Junior (PSD) e o secretário estadual da Saúde, Beto Preto, estiveram, nesta quinta-feira, na sede da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) para “buscar informações sobre a distribuição da vacina ao Paraná”. A Fiocruz tem parceria com AztraZeneca para a produção da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford no Brasil, a principal aposta do governo federal para a imunização da população brasileira.

WhatsApp: receba um boletim diário com notícias do Paraná

A Fiocruz informou que o protocolo de uso emergencial do imunizante será entregue à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) nesta sexta-feira (8). Após a aprovação, o Paraná vai receber parte de 2 milhões de vacinas que serão importadas do Instituto Serum, um dos centros da AstraZeneca para a produção da vacina na Índia. As doses deverão ser as primeiras aplicadas no país, junto com a Coronavac/Butantan.

Após a visita, o governador afirmou que a vacinação no Paraná deve começar em janeiro em profissionais de saúde e comunidades indígenas isoladas. A campanha respeitará os critérios do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 e as doses que ingressarem no Programa Nacional de Imunização (PNI). “O Paraná está pronto. Temos agulhas, seringas, praticamente dois mil pontos de vacinação e uma logística pronta para os imunizantes chegar nos municípios”, disse Ratinho Junior.

Ele destacou ainda o processo de regionalização dos serviços de saúde iniciado ainda em 2019 e disse que a Secretaria de Estado de Saúde já trabalha esta estratégia em conjunto com as prefeituras e as regionais há bastante tempo. “Estamos reafirmando esse modelo que é bem sucedido. Teremos toda a logística necessária para distribuir a vacina aos municípios, com todo o apoio necessário”.

A visita do governador à Fiocruz foi vista muito mais como uma agenda política que comercial, uma vez que o Governo do Estado defende o Plano Nacional de Imunização, que preconiza uma distribuição equânime das doses de vacina disponíveis no país por todo o território nacional. Ao visitar a Fiocruz e reafirmar apoio ao plano nacional, o governador dá uma resposta a um grupo de prefeitos que discordaram da postura do estado e buscaram acordos com o Instituo Butantan para a aquisição de doses da Coronavac. Os prefeitos das oito maiores cidades do Paraná, bem como o Consórcio de Saúde da Região Metropolitana de Curitiba, firmaram termo de cooperação com o Instituto Butantan.

A visita de Ratinho Junior e Beto Preto à Fio Cruz ainda aconteceu no mesmo dia que o governador de São Paulo, João Doria (PSDB) anunciou a eficácia de 78% nos testes em terceira fase da Coronavac e o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, anunciou que toda a produção de Coronavac pelo Instituto Butantan será adquirida pelo Ministério da Saúde e distribuída equanimemente para todo o país, dentro do Programa Nacional de Imunização, assim como a vacina de Oxford, produzida pela Fiocruz, o que, em teoria, põe fim à “guerra das vacinas” e torna sem valor os convênios das prefeituras paranaenses com o Instituto Butantan, uma vez que a distribuição será nacional.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.